O gênero bucólico n’Os Lusíadas

Miguel Ângelo Andriolo Mangini

Resumo


O fenômeno da mistura genérica é antigo entre os poetas, ainda que os teóricos da poesia nem sempre o tenham reconhecido. O objetivo deste artigo é investigar a coexistência entre os gêneros épico e bucólico n’Os Lusíadas. Embora este poema seja uma epopeia e tenha a Eneida, de Virgílio, como modelo de composição, uma leitura atenta da obra, apoiada por autores como Macedo (1992), Mulinacci (2011) e Binet (2019), descobrirá que a Ilha dos Amores, cujo episódio toma lugar no Canto IX, é uma versão renascentista de locus amoenus, tópica da tradição de poesia pastoril que parte das Bucólicas, do mesmo Virgílio. Para demonstrá-lo, far-se-á uma análise textual de passagens d’Os Lusíadas como as primeiras estrofes do Canto I, que evidenciam o gênero predominante dessa obra, e outras do episódio mencionado, a partir das quais é possível demonstrar a função do gênero bucólico no poema. Concluiu-se, por meio dessa análise, que o gênero bucólico tem função alegórica dentro d’Os Lusíadas e que a sua presença local neste participa do argumento expansionista e cristão da epopeia.


Palavras-chave


Os Lusíadas; gênero bucólico; mistura genérica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, C. A. Eneida e Os Lusíadas. In: AGUIAR E SILVA, V. M. (Org.). Dicionário de Luís de Camões. São Paulo: Leya, 2011, p. 337-341.

BARRETO, J. F. Micrologia Camoniana. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982.

BINET, A. M. de A. O episódio da Ilha dos Amores, uma imago mundi entre oriente e ocidente. In: NATÁRIO, M. C.; EPIFÂNIO, R.; MALATO, M. L. (org.). Portugal – Goa: os orientes e os ocidentes. Porto: Universidade do Porto, 2019, p. 35-43.

CAMERON, A. Vergil and the Augustan Recusatio. In: CAMERON, A. Callimachus and his critics. New Jersey: Princeton University Press, 1995, p. 454-483.

CAMÕES, L. V. de. Os Lusíadas. Edição: Emanuel Paulo Ramos. Porto: Porto Editora, 1980.

CIDADE, H. Luís de Camões: o épico. 2. ed. Lisboa: Livraria Bertrand, 1953.

CONINGTON, J. Vergili Maronis Opera. Londres: Oxford University Press, 1863. Vol. 2.

CONTE, G. B. Generi e lettori: Lucrezio, l’elegia d’amore, l’enciclopedia di Plinio. Milano: Mondadori, 1991.

CONTE, G. B. Memoria dei poeti e sistema letterario. Torino: Giulio Einaudi, 1974.

CONTE, G. B. The rhetoric of imitation. Ithaca; London: Cornell University Press, 1986.

DIAS, E. Os Lusíadas. 3. ed. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e da Cultura, 1972.

DIAS, F. B. [Sem título]. In: CAMÕES, L. de. Os Lusíadas. Edição fac-similar. Coimbra: Almedina; Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, 2016, p. 7-9.

ERASMO DE ROTERDÃ. Dialogus Ciceronianus. Edição: Pierre Mesnard. In: ERASMO DE ROTERDÃ. Opera Omnia Desiderii Erasmi Roterodami. Amsterdam: North-Holland Publishing Company, 1971. Vol 2, p. 581-710.

FARRELL, J. Classical Genre in Theory and Practice. In: New Literary History, Pennsylvania, v. 34, n. 3, 2003, p. 383-408.

FILIZOLA, A. A épica e o pastoril: a Écloga IV de Virgílio e Os Lusíadas de Camões. In: Letras, Curitiba, n. 40, p. 31-43, 1992. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/19133/12432. Acesso em: 8 nov. 2021.

FOWLER, A. Kinds of Literature: An Introduction to the Theory of Genres and Modes. Oxford: Oxford University Press, 1982.

FOWLER, A. The formation of genres in the Renaissance and after. In: New Literary History, v. 34, n. 2, p. 185-200, 2003.

GREENE, T. M. The light in Troy: imitation and discovery in Renaissance Poetry. New Haven; London: Yale University Press, 1982.

HANSEN, J. A. A máquina do mundo. In: NOVAES, A. (Org.). Poetas que pensaram o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 157-197.

HANSEN, J. A. Notas sobre o gênero épico. In: TEIXEIRA, I. (Org.) Multiclássicos épicos. São Paulo: EDUSP, 2008. p. 17-91.

HARDWICK, L. Reception studies. Greece & Rome: New surveys in the Classics No. 33. Oxford: Oxford University Press, 2003.

HARRISON, S. J. Generic enrichment in Vergil and Horace. Oxford: Oxford University Press, 2007.

JAUSS, H. R. Theorie der Gattungen und Literatur des Mittelalters. In: JAUSS, H. R. Alterität und Modernität. München: Wilhelm Fink Verlag, 1977, p. 327-358.

KÖHLER, E. Gattungssystem und Gesellschaftssystem. In: HAUPT, B. (org.). Zum mittelalterlichen Literaturbegriff. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1985, p. 111-129.

MACEDO, H. Os Lusíadas: celebração épica como crítica pastoril. In: REUNIÃO INTERNACIONAL DE CAMONISTAS, 5., 1987, São Paulo. Atas [...]. São Paulo: FFLCH/USP, 1992, p. 117-122.

MARCIAL, M. V. Epigrammata. Edição: W. M. Lindsay. 2. ed. Great Britain: Oxonii E Typographeo Clarendoniano, 1929.

MARTINDALE, C. Redeeming the text: latin poetry and the hermeneutics of reception. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

MIRANDA, M. O Humanismo jesuítico e a identidade da Europa: uma ‘Comunidade Pedagógica Europeia’. In: Humanitas, Coimbra, n. 53, 2001, p. 83-112.

MULINACCI, R. Locus amoenus. In: SILVA, V. M. E. (Org.). Dicionário de Luís de Camões. São Paulo: Leya, 2011, p. 477-482.

PASQUALI, G. Arte Alusiva. Tradução: Alexandre Piccolo e Lucy Ana de Bem. In: PRATA, P.; VASCONCELLOS, P. S. de. (org.). Sobre intertextualidade na literatura latina: textos fundamentais. São Paulo: Editora Unifesp, 2019, p. 11-21.

SENA, J. de. Estudos sobre o vocabulário de Os Lusíadas. Lisboa: Edições 70, 1982.

SILVA, J. de O. E. Moving the Monarch: The Rhetoric of Persuasion in Camões’s Lusíadas. In: Renaissance Quarterly, n. 53, 2000, p. 735-768.

SILVA, V. M. A. E. Ilha dos Amores (Episódio da). In: SILVA, V. M. E. (Org.). Dicionário de Luís de Camões. São Paulo: Leya, 2011, p. 437-444.

SNELL, B. L’arcadia: scoperta di un paesaggio spirituale. In: SNELL, B. La cultura greca e le origini del pensiero europeo. Trad. Vera Degli Alberti e Anna Solmi Marietti. 2. ed. Torino: Piccola Biblioteca Einaudi, 1963, p. 387-418.

TREVIZAM, M. Modulações genéricas em Virgílio. In: Rónai, Juiz de Fora, v. 8, n. 2, 2020, p. 46-61.

VIEIRA, Y. F. Mitologia, alegoria e discurso: observações sobre o “discurso alusivo” de Camões. In: Revista Camoniana, São Paulo, v. 3, n. 2, 1980, p. 189-206.

VIRGÍLIO. Eclogues. Georgics. Aeneid: Books 1-6. Edição: Jeffrey Henderson. Trad. H. R. Fairclough. Rev. G. P. Goold. Cambridge (MA): Harvard University Press, 1999. Loeb Classical Library 63. Vol 1.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v9i2.45780

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Miguel Ângelo Andriolo Mangini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.