Pesquisa em e sobre África no século XXI: África, africanos e africanistas

Cláudio Alves Furtado

Resumo


Resumo:

 

A comunicação busca refletir e descortinar as relações reais e potenciais entre os pesquisadores africanos e brasileiros (e as pesquisas por eles conduzidas) e o continente africano. Neste contexto, num primeiro momento, se coloca a centralidade reflexiva no continente africano, tentando perceber, endogenamente, os desafios internos e externos com os quais faz face e, num segundo, os pontos de aproximação (comunalidades) e de afastamento com os que buscam pesquisar e produzir conhecimentos sobre África. Qual é a relevância do que se tem pesquisado? Obedecem a que agendas e a quem se destinam? Que diálogos (de surdos?) entre os africanistas e os pesquisadores africanos? Que pontes podem ser construídos entre eles, (re)forçando a horizontalidade relacional? Indicativamente, propõe-se apontar algumas possibilidades no âmbito de pesquisas envolvendo pesquisadores brasileiros e africanos


Palavras-chave


África, Estudos Africanos, Brasil, Africanistas, pesquisadores africanos

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

ADESINA, Jimi O. Archie Mafeje and the Pursuit of Endogeny: Against Alterity and Extroversion. Africa Development, Vol. XXXIII, No. 4, 2008, p. 133–152

AfDB, OECD, UNDP, UNECA. Perspectivas Económicas em África 2012.

AKE, Claude. Social Science as Imperialism. The Theory of Political Development. Ibadan: Ibadan University Press, 1982

AMADIUME, I. Male daughters, female husbands: gender and sex in an African society. London: Zed Books, 1987.

BALANDIER, Georges. La situation coloniale: approche théorique. Cahiers internationaux de sociologie, vol. 110, n°. 1, 2001, pp. 9-29.

CABRAL, Amílcar. Unidade e Luta. Praia: Fundação Amílcar Cabral, 2013.

CHERU, Fantu & OBI, Cyril (ed). The Rise of China and India in Africa: Challenges, opportunities and critical interventions. London/New York: The Nordic Africa Institute & Zed Books, 2010

CODESRIA. A África e os desafios do Século XXI. 13ª Assembleia Geral do CODESRIA: 5 a 9 de Dezembro de 2011, Rabat (Marrocos)

COMAROFF, Jean & COMAFOFF, John. Theory from the South: Or, How Euro-America is Evolving Toward Africa (The Radical Imagination). Routledge; Paradigm Publishers, Boulder, CO, 2011

COPANS, Jean. Pour une histoire et une sociologie des études africaines. Cahiers d´Études Africaines, 1971, vol. 11, nr. 43, p. 422-447

DE SARDAN, J-P. Promouvoir la recherche face à la consultance. Cahiers d´études africaines (en ligne), 202-203, 2011, consultado em 4 /9/2017;

FERREIRA, Roquinaldo. The institutionalization of African Studies in the United States: origin, consolidation and transformation. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 30, nº 59, p. 71-88 – 2010

FURTADO, Cláudio Alves. O continente africano e a produção africana do conhecimento. RELEA-Revista Latino-Americana de Estudos Avançados, v.1, n.1 jan./jun. 2016, p,118-137

HOUNTONDJI, Paulin. Duas perspectivas de estudos africanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 149-160, mar. 2008.

IWATA, Takuo. Network Formation Challenges for African Studies in Asia. Ritsumeikan International Studies 27-1, junho 2014

IWATA. Takuo. Comparative study on «Asian». Approachs to Africa: An Introducttory reflextion. . African Study Monographs, 33 (4), p. 209-231, December 2012 209

LIVINGSTON, Steven. A Evolução dos Sistemas de Informação em África: Um caminho para a segurança e estabilidade. Washington D.C., Centros de Estudos Estratégicos de África, Trabalho de Pesquisa No 2, Março de 2011.

MACAGNO, L. Estudos africanos no Brasil: uma questão de afinidades eletivas?. Revista Tempo, Espaço, Linguagem. V. 5, n. 3, Set. - Dez, 2014. p. 124 - 137.

MAFEJE, Archie. Anthropology in Post-Independence Africa: End of an Era and the Problem of Self-redefinition. Nairobi: Heinrich Böll Foundation, 2001

MAGUBANE, Bernard. A Critical Look at Indices Used in the Study of Social Change in Africa, Current Anthropology, 12, 1971.

MANDANI, Mahmood. Scholars in the Marketplace. The Dilemmas of Neo-Liberal Reform at Makerere University, 1989–2005. Dakar: CODESRIA, 2007

MARTIN, Wiliam G. The Rise of African Studies (USA) and the Transnational Study of Africa. African Studies Review, Volume, 54 Issue 2, April 2011, pp. 59-83

MARX, Karl, O 18 de Brumário de Luis Bonaparte. S. Paulo: Boitempo, 2011

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa, Antígona, 2014

MBEMBE, Achille. On the Postcolony. Berkeley: University of California Press, 2001.

MKANDAWIRE, Tandika (eds). African Intellectuals: Rethinking Politics, Language, Gender and Development. Dakar: CODESRIA; Zed Books, 2005

MKANDAWIRE, Tandika.Three Generations of African Academics: a note”. Transformation, no 28, 1995, p. 75-83

MOTTA, Antonio. “Da África em casa à África fora de casa (Notas sobre uma exposição em trânsito)”, In: Braz, Juliana; Lobo, Andrea (Org.), África em Movimento. Brasília: UNB, 2012, p. 245-268.

MUDIMBE, V. Y. The Invention of Africa: Prognosis, Philosophy and the Order of Knowledge. Bloomington: Indiana University Press, 1988.

MUDIMBE, V. Y. The Idea Of Africa. Indiana: Indiana University Press, 1994

MUNANGA, Kabengele. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje? Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 20–31, dez. 2015.

NDIAYE, Abdoulaye (dir). Chercheurs et décideurs d´Afrique. Quelles synergies pour le développement. Dakar: CODESRIA, 2009;

OLIVEIRA JUNIOR, Gilson Brandão de. Agostinho da Silva e o CEAO: a primeira experiência institucional dos estudos africanos no Brasil. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2010.

OYEWUMI, O. (Ed.). African gender studies: a reader. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2005.

OYEWUMI, O. The invention of women: making an African sense of Western discourses. Mineappolis: University of Minnesota Press, 1997.

PEEREIRA, José Maria Nunes. Os estudos africanos no Brasil – Um estudo de caso: o CEAA 277I: CLACSO/CEA. Los estudios afroamericanos y africanos en América Latina: herencia, presencia y visiones del outro. Buenos Aires: CLACSO, 2008, p. 277-298

PEREIRA, José Maria Nunes. Os Estudos Africanos no Brasil e as relações com a África–um estudo de caso: o CEAA (1973 – 1986). Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 1991.

SANSONE, L. "Da África ao afro: uso e abuso da África entre os intelectuais e na cultura popular brasileira durante o século XX".In: Afro-Ásia, v. 27, p. 249-269, 2002.

SCHLICKMANN, Mariana. A África como Objeto de Pesquisa Acadêmica: uma Análise das Revistas dos Três Primeiros Centros de Estudos Africanos no Brasil 1965/1987. E-HUM- Revista Científica das áreas de História, Letras, Educação e Serviço Social do Centro Universitário de Belo Horizonte, vol. 8, n.º 2, Agosto/Dezembro de 2015 -www.http://revistas.unibh.br/index.php/dchla/index 111.

THIONG´O, Ngudi wa. Decolonising the Mind. The Politics of Language in African Literature. Oxford: James Currey, 2006

ZAMPARONI, V. D. A África e os Estudos Africanos no Brasil: Passado e futuro. In: Ciência e Cultura.vol.59, no.2, São Paulo, Abril./Junho2007, p.46-49

ZAMPARONI, V. D. Estudos africanos no Brasil: Veredas. In Revista de Educação Pública, v.04, n.05, p. 105-124, 1995.

ZELEZA, Paul. The Pasts and Futures of African Studies and Area Studies. Ufahamu: A Journal of African Studies, 25(2), California, UCLA, 1997, p.5-41


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 AbeÁfrica: Revista da Associação Brasileira de Estudos Africanos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

AbeÁfrica: revista da associação brasileira de estudos africanos, ISSN 2596-0873

 

Indexadores: