A vida pública de uma mulher

Cristina Thorstenberg Ribas

Resumo


As mulheres se tornaram uma grande força de expressão no ciclo de lutas em defesa da democracia nos últimos anos no Brasil. Analiso como a luta das mulheres passa também por sua insistência no direito a ter uma vida pública e como a proliferação de modos de expressão é uma das forças dessa luta.


Texto completo:

PDF

Referências


Butler, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. Nova Iorque/Londres: Routledge, 1990.

Federici, Silvia. El Caliban y la Bruja, Mujeres, Cuerpo y Acumulación Originaria. Madrid: Traficantes de Sueños, 2010.

Haraway, Donna. Ciencia, cyborgs y mujeres. La reinvención de la naturaleza. Madrid: Ediciones Cátedra, 1995.

Preciado, Paul. “Cartografias queer: o flâneur perverso, a lésbica topofoÌbica e a puta multicartograÌfica, ou como fazer uma cartografia 'zorra' com Annie Sprinkle”. Em: Performatus/ Inhumas, ano 5, n. 17, jan. 2017.

Orozco, Amaya Perez, Subversión feminista de la economia: aportes para un debate sobre el conflicto capital-vida. Madrid: Traficantes de Sueños, 2014.

Roque, Tatiana. Erotismo e risco na política. São Paulo: N-1 Edições, 2018 (zine)

Rolnik, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre, RS: Sulina, Editora da UFRGS, 2011.

Stefano Harney e Fred Moten. The Undercommons. Colchester, Nova Iorque, Port Watson: Autonomedia/Minor Compositions, 2013.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n36.19062

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.