Fragmentos da palavra como lugar:das escruturas, desleituras e leirorias de Jorge Menna Barreto

Galciani Neves

Resumo


Jorge menna Barreto situa a palavra no espaço – físico, afetivo, intersticial – que a ele se mescla em múltiplos modos de ser, percebidos como o espaço da obra, o espaço do outro, o espaço do mover-se. Convivendo com esses espaços, que logo se fazem lugares, e com seus agentes, a palavra amplia-se no dentro-fora de uma razão imprecisa, sem realizar qualquer equivalência, mas constituindo margens das quais se pode largar, partir, inventar: alusividade sem fim por todos a tudo. É conjugando atitudes da palavra e extravasando suas tarefas que o artista constitui tensões entre ideia, materialidade e espacialidade que ressoam avessos, justaposições, alargamentos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.