"Flor-do-velho": a simbólica afro-brasileira na produção do artista visual Nai Gomes (PB)

Milton Silva Santos

Resumo


O artigo analisa a mostra Kolofé: um caminho de expansão afro cultural, do artista paraibano Nai Gomes. Procura-se observar a forma como ele aciona os elementos simbólicos referentes ao orixá Omolu/Obaluaiê médico ferido que carrega consigo os signos da doença e da cura, cuja oferenda é a pipoca ou flor-do-velho.


Texto completo:

PDF

Referências


CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain [et al.]. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

CONDURU, Roberto. Conectando continentes: arte, exposições e afro-brasilidade. In: FALCÃO, Andréa (Org.). Seminário Arte e Etnia Afro-brasileira. Rio de Janeiro: IPHAN, CNFCP, 2005. (Encontros e Estudos; 7).

DONDIS, Donis A. A dinâmica do contraste. In: Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FERREIRA, Ayrson Novato Heráclito. Segredos no Boca do Inferno: quatro pressupostos sobre o açúcar: instalações. In: 17° Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas: Panorama da Pesquisa em Artes Visuais, 19 a 23 de agosto de 2008, Florianópolis-SC, p. 1608.

GOMES, Dyógenes Chaves. Dicionário das Artes Visuais na Paraíba. João Pessoa: Linha D'Água, 2010.

LODY, Raul. Dicionário de arte sacra & técnicas afro-brasileiras. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

MAITÉ, Vivian. Kolofé: um caminho de expansão afro cultural. In: Kolofé: um caminho de expansão afro cultural. João Pessoa-PB: Ateliê Multicultural Elioenai Gomes, 2015. (Catálogo)

MALYSSE, Stéphane. Entre arte e antropologia: diálogos e apropriações. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 48, n. 2, p. 739-747, 2005.

OTT, Robert William. Ensinando crítica nos museus. In: BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos (Org.). Arte-educação: leituras no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997.

PIMENTEL, Myriam E. M.; MELCHIOR, Laila. Reencantamentos e novas apropriações: alimento como vivência e memória na arte brasileira contemporânea. Esferas - Revista Interprogramas de Pós-graduação em Comunicação do Centro-Oeste, ano 4, n. 6, p. 141-152, jan./jun.2015.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia da Letras, 2001.

RIVITTI, Thaís. Obras que ensinam a ver obras. Revista Bien'art, São Paulo, p. 16-17, novembro de 2004.

VERGER, Pierre. Orixás. Salvador: Corrupio: 1997.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n38.23057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.