A força sutil do mínimo

Maria Alejandra Espinosa

Resumo


A invenção de uma poética da vida cotidiana carece de tempo. Para encontrar a potência dos detalhes habituais é preciso deter-nos, olhar atentamente e envolver-nos na exploração do que nos cerca. Dedicar tempo às vivências cotidianas desenvolve o afeto pelo qual coisas aparentemente banais tornam-se significativas, propiciando transformações conscientes no dia a dia.

Texto completo:

PDF

Referências


BLANCHOT, Maurice. El diálogo inconcluso. Trad. Pierre de Place. Caracas: Monte Ávila Editores, 1974, p.387.

CORTÁZAR, Julio. Pérdida y recuperación del pelo. In: Historias de cronopios y de famas. Buenos Aires: Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, 2000, p.20-21.

GROYS, Boris. Camaradas del tiempo. In: Volverse público: las transformaciones del arte en el ágora contemporánea. Trad. Paola Cortes Rocca. Buenos Aires: Caja Negra, 2014, p.83-100.

PATERSON. Direção: Jim Jarmusch. Estados Unidos, França, Alemanha. 2016. (118 min), Som Dolby Digital, Cor, Digital.

PEREC, Georges. Lo infraordinario. Trad. Jorge Fondebrider. Buenos Aires: Eterna Cadencia Editora, 2013.

VINHOSA, Luciano. Obra de arte e experiência estética: arte contemporânea em questões. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.




DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n38.25474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 CC Atribuição 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 
 Revista arte e ensaios

e-ISSN: 2448-3