Análise de Microbiofácies das Esteiras Microbianas da Lagoa Pitanguinha (Região dos Lagos, RJ, Brasil)

Lucas Rocha, Leonardo Borghi

Abstract


O termo ‘microbiofácies' possui, mais comumente, uma conotação petrográfica sobre estudos faciológicos de rochas carbonáticas com grãos fósseis em microescala, para o que talvez fosse mais adequado o termo ‘biomicrofácies'; todavia esse termo é aqui empregado com uma conotação de biofácies de natureza microbianas. A ocorrência de microbialitos em diversas das lagoas (lagunas) fluminenses vem se revelando extremamente importante para o estudo de processos e fácies carbonáticas de origem microbiana, as quais ganharam evidência depois das descobertas de petróleo na “camada Présal”, dessa possível natureza. Dentre tais lagunas, a Lagoa Pitanguinha apresenta não só esteiras microbianas contendo partículas carbonáticas, aqui estudadas, mas também estromatólitos, trombólitos e oncoides. O estudo caracteriza esteiras microbianas (microbialitos) em termos biossedimentológicos, tanto morfologicamente, em campo, quanto em termos de suas texturas e microestruturas presentes, através de microscopia (microscópio petrográfico), com a finalidade de se estabelecer um esquema de classificação de microbiofácies. A Lagoa Pitanguinha formou-se durante o Holoceno, como resultado de uma regressão marinha, que a isolou do mar por um conjunto de cordões praiais estreito, tendo ela desenvolvido condições de hipersalinidade em suas águas devido a condições de aridez local e influxo da cunha salina marinha. Nesse contexto, identificaram-se quatro microbiofácies (MBF-C, Coloforme; MBF-Po, Poligonal; MBF-Pu, Pustular; MBF-O e Oncoidal) em observações de campo em janeiro de 2014, sob condições de nível alto da laguna (ano chuvoso), porém hipersalino, e em janeiro de 2015, sob condições de grande aridez e maior hipersalinidade. As microbiofácies mostram-se controladas peculiarmente pelo aumento da hipersalinidade, à medida em que o nível d'água rebaixa, expondo progressivamente as suas margens, durante o período de forte estiagem. Aponta-se a desidratação da esteira em ambiente subaquoso que se hipersaliniza como mecanismo precursor de fendilhamentos (gretas de sinérese) observados, que se ampliam ou remodelam quando da eventual exposição e desidratação subaérea

Keywords


Microbialito; Esteira Microbiana; Estromatólito; Lagoa Pitanguinha

References


Alves, S.A.P.M. 2007. Estudo geomicrobiológico dos estromatólitos

biscuit da Lagoa Vermelha (estado do Rio de Janeiro -- Brasil).

Programa de Pós-graduação em Geologia, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, 141 p.

Alves, S.A.P.M.N & Silva, L.H.S.S. 2011. Estudo dos estromatólitos

biscuit da Lagoa Vermelha (Rio de Janeiro, Brasil). Revista de

Geologia, 24:94--107.

Anjos, A.P.A. 1999. Caracterização da sedimentação atual de lagunas

costeiras do litoral do Rio de Janeiro para fins de calibração

de acordo com variações paleoambientais e paleoclimáticas.

Programa de Pós-graduação em Geoquímica, Universidade

Federal Fluminense, Dissertação de Mestrado, 133p.

Anjos, A.P.A. 2004. Processo de precipitação de dolomita na Lagoa

Brejo do Espinho: uma contribuição para reconstrução

ambiental. Programa de Pós-graduação em Geoquímica,

Universidade Federal Fluminense, Tese de Doutorado, 150p.

Barbière, E.B. 1985. Condições climáticas dominantes na porção oriental

da Lagoa de Araruama, RJ, e suas implicações na diversidade

do teor de salinidade. Caderno de Ciências da Terra, 59:1--39

Bidegain, P. (Primo, P.B.) & Bizerril, C.R.S.F. 2002. Lagoa de Araruama.

Perfil ambiental do maior ecossistema lagunar hipersalino do

mundo. Rio de Janeiro: SEMADS, 160p.

Black, M. 1933. The algal sedimentation of Andros Island Bahamas.

Philosophical transactions of the Royal Society of London,

Series B, 222:165--192.

Brown, J.S. 1943. Suggested use of the word microfacies. Economic

Geology, 38:325.

Burne, R.V. & Moore, L. 1987. Microbialites: organosedimentary

deposits of benthic microbial communities. Palaios,

:241--254.

Carelli, Th.G. & Borghi, L. 2011. Caracterização de microfácies

sedimentares em folhelhos da Formação Ponta Grossa

(Devoniano) na borda Leste da bacia do Paraná. Anuário do

Instituto de Geociências, 34:84--104.

Carvalhal, S.B.V. 2003. Bioestratificação cianobacteriana das esteiras

microbianas recentes da lagoa Vermelha, Rio de Janeiro, Brasil.

Monografia (Bacharelado em Ciências

Biológicas), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de

Janeiro, 80p.

Carvalhal Gomes, S.B.V. 2011. Composição geomicrobiológica e

microbiana das esteiras microbianas de três lagoas costeiras do

Sudeste do Rio de Janeiro, Brasil. Programa de Pós-graduação

em Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Tese de

Doutorado, 186p.

Carvalhal, S.B.V. 2007. Caracterização geomicrobiológica das esteiras

microbianas da lagoa Vermelha (Estado do Rio de Janeiro).

Programa de Pós-graduação em Geologia, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, 000p.

Coe Neto, R. 1984. Algumas considerações sobre a origem do sistema

lagunar de Araruama. In: SIMPÓSIO DE RESTINGAS

BRASILEIRAS, 1, Niteroi, 2007. Anais, p.61-63.

Damazio, C.M. & Silva, L.H.S. 2006. Cianobactérias em esteiras

microbianas coloformes da Lagoa Pitanguinha, Rio de Janeiro,

Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia, 9:165--170.

Damazio, C.M.; Silva, L.H.S. & Iespa, A.A.C. 2005. Correlações entre

cianobactérias endolíticas e esteiras microbianas hipersalinas

da Lagoa Pitanguinha, neoquaternário do Rio de Janeiro,

Brasil. Geociências, 10:11--16.

Damazio Iespa, C.M. 2008. Estudo sedimentológico e geomicrobiológico

das esteiras microbianas da Lagoa Pitanguinha, Região dos

Lagos, Rio de Janeiro, Brasil. Programa de Pós-graduação em

Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Dissertação

de Mestrado, 96p.

Damazio Iespa, C.M. 2012. Microbialitos da Lagoa Pitanguinha,

Estado do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação em

Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Tese de

Doutorado, 100p.

Damazio Iespa, C.M.; Silva, L.H.S. & Iespa, A.A.C. 2006.

Cianobactérias e outros componentes das esteiras microbianas

lisas da Lagoa Pitanguinha, Região dos Lagos, Rio de Janeiro,

Brasil. Gaea, 2:41--46.

Damazio Iespa, C.M.; Borghi, L. & Iespa., A.A.C. 2007. Microbialitos

da Lagoa Pitanguinha (RJ): aspectos geomicrobiológicos

aplicados à exploração de petróleo. In: CONGRESSO

BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

EM PETRÓLEO E GÁS -- PDPetro, 5, Natal, 2007. Anais,

p. Recuperável em http://www.portalabpg.org.br/PDPetro/5/

publicacoes/repositorio/trabalhos/10012009.1.1.2.pdf, em

maio de 2015.

Delfino, D.O. 2009. Caracterização sedimentológica, química e

cianobacteriana, e interpretação ecológica das esteiras

microbianas do Brejo do Espinho, RJ, Brasil. Programa de

Pós-graduação em Geologia, Universidade Federal do Rio de

Janeiro, Dissertação de Mestrado, 209p.

Delfino, D.O.; Wanderley, M.D.; Silva, L.H.S.; Feder, F. & Lopes, F.A.S.

Sedimentology and temporal distribution of microbial

mats from Brejo do Espinho, Rio de Janeiro, Brazil. Sedimentary

Geology, 263:85--95.

Ehrlich, H.L. 2002. Geomicrobiology. (4.ed.). New York: Marcel

Ekker, 768p.

Estrella, G.O.; Azevedo, R.L.M. & Formigli Filho, J.M. 2009. Pré-Sal:

conhecimento, estratégia e oportunidades. In: VELLOSO,

J.P.R. (coord.). Teatro mágico da cultura, crise global e

oportunidades do brasil. Rio de Janeiro: Editora José Olympio,

p.67--78

Fairbridge, R.W. 1954. Stratigraphic correlation by microfacies.

American Jornal of Science, 255:683-694.

Feder, F.; Delfino, D.O.; Wanderley, M.D. & Silva, L.H.S 2013.

Cyanobacterial composition of microbial mats, found in Brejo

do Espinho and in artificial saline of Araruama, RJ, Brazil.

Advances in Microbiology, 3:47--54

Flügel, E. 2010. Microfacies of carbonate rocks. (2.ed.) Berlin: Springer-

Verlag, 984p.

Hoffman, P. 1976. Stromatolite morphogenesis in Shark Bay, Western

Australia. In: Walter, M.R. (Ed.) Stromatolites. Amsterdam:

Elsevier, Developments in Sedimentology, 20, p.261--271.

Iespa, A.A.C. 2006. Estudo geomicrobiológico da Lagoa Pernambuco,

região dos Lagos (Estado do Rio de Janeiro). Programa de

Pós-graduação em Geologia, Universidade Federal do Rio de

Janeiro, Dissertação de Mestrado, 116p.

Iespa, A.A.C. 2010. O Plexo Estromatólito--Trombólito--Oncoide,

Lagoa Salgada, RJ, Brasil. Programa de Pós-graduação em

Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Tese de

Doutorado, 105p.

Iespa, A.A.C. & Silva, L.H.S. 2005. Laminitos microbianos e

cianobactérias na Lagoa Pernambuco, Neógeno do Rio de

Janeiro, Brasil. Geociências, 10:5--10.

Iespa, A.A.C.; Silva, L.H.S. & Damazio Iespa, C.M. 2006. Estudo

geomicrobiológico das esteiras coloformes da Lagoa

Pernambuco, Região dos Lagos (Estado do Rio de Janeiro).

Gaea, 2:59--65.

Iespa, A.A.C.; Damazio Iespa, C.M. & Borghi, L. 2012. Evolução

paleoambiental da Lagoa Salgada utilizando microbialitos,

com ênfase em microfácies carbonáticas. Revista Geociências,

:371--380.

Kalkowsky, E. 1908. Oolith und Stromatolith im nord-deutschen

Buntsandstein. Zeitschrift der Deutschen Geologischen

Gesellschaft, 60:68--125.

Lopes, F.A.S. 2009. Estudo químico, geomicrobiológico e ecológico das

esteiras microbianas do Brejo do Pau Fincado, Rio de Janeiro,

Brazil. Programa de Pós-graduação em Geologia, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, 75p.

Noffke, N. 2003. Microbially induced sedimentary structures. In:

MIDDLETON, G.V. (Ed.) Encyclopedia of sediments and

sedimentary rocks. Boston: Kluwer Academic Publishers,

p.439-440.

Noffke, N. 2008. Turbulent lifestyle: microbial mats on Earth's sandy

beaches—today and 3 billion years ago”. GSA Today, 18:4--9.

Noffke, N. & Krumbein, K.E. 1999. A quantitative approach to

sedimentary surface structures contoured by the interplay of

microbial colonization and physical dynamics. Sedimentology,

:417--426.

Noffke, N.; Gerdes, G.; Klenke, T. & Krumbein, W. E. 2001. Microbially

Induced Sedimentary Structures: a new category within the

classification of primary sedimentary structures. Journal of

Sedimentary Research, 71:649--656.

Riding, R. 1999. The term stromatolite: towards an essential

definition. Lethaia, 32:321-330

Riding, R. 2000. Microbial carbonates: the geological record of calcified

bacterial-algal mats and biofilms. Sedimentology, 47(Suppl.

:179--214.

Riding, R. 2011. Microbialites, stromatolites and trombolites. In:

Reitner, J. & Thiel, V. (eds) Encyclopedia of Geobiology.

(Encyclopaedia of Earth-Science Series). Heidelberg: Springer,

p.635--654.

Riding, R. & Awramik, S.M. (eds.) 2000. Microbial sediments.

Heidelberg: Springer-Verlag, 331p.

Sampaio, L.; Dal'Bó, P.F. & Borghi, L. 2015. Gênese e morfologia de

estruturas sedimentares induzidas por atividade microbiana

(MISS) em sedimentos da Lagoa Vermelha (Região dos

Lagos, Rio de Janeiro). Anuário do Instituto de Geociências,

:95--106.

Schieber, J. 1998. Possible indicators of microbial mat deposits in

shales and sandstones: examples from the Mid-Proterozoic

Belt Supergroup, Montana, U.S.A. Sedimentary Geology,

:105--124.

Silva, L.H.S. 2002. Contribuição ao conhecimento da composição

microbiana e química das estruturas estromatolíticas da Lagoa

Salgada, Quaternário do Rio de Janeiro, Brasil. Programa de Pós-graduação em Geologia, Universidade Federal do Rio de

Janeiro, Tese de Doutorado, 176p.

Silva, L.H.S. & Carvalhal, S.B.V. 2005. Biolaminoides calcários

holocênicos da Lagoa Vermelha, Brasil. Anuário do Instituto

de Geociências, 28:59--70.

Silva, L.H.S.; Senra, M.C.E.; Faruolo, T.C.L.M.; Carvalhal, S.B.V.;

Alves, S.A.P.M.N.; Damazio, C.M.; Shimizu, V.T.A.; Santos,

R.C. & Iespa, A.A.C. 2004a. Composição paleobiológica e

tipos morfológicos das construções estromatolíticas da Lagoa

Vermelha, RJ, Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia,

:193--198.

Silva, L.H.S.; Senra, M.C.E.; Faruolo, T.C.L.M.; Carvalhal, S.B.V.;

Alves, S.A.P.M.N.; Damazio, C.M.; Shimizu, V.T.A.; Santos,

R.C. & Iespa, A.A.C. 2004b. Estruturas microbianas recentes

da Lagoa Pernambuco, Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Revista Brasileira de Paleontologia, 7:189--192.

Silva, L.H.S.; Damazio, C.M. & Iespa, A.A.C. 2005a. Composição

cianobacteriana em trombólitos da Lagoa Pitanguinha

(Holoceno), Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Gaea, 1:75--78.

Silva, L.H.S.; Damazio, C.M. & Iespa, A.A.C. 2005b. Identificação de

cianobactéricas em sedimentos da Lagoa Pitanguinha, Estado

do Rio de Janeiro, Brasil. Anuário do Instituto de Geociências,

:92--100.

Silva, L.H.S.; Iespa, A.A.C. & Damazio, C.M. 2006a. Caracterização e

composição cianobacteriana das esteiras microbianas lisas da

lagoa de Araruama, Rio de Janeiro, Brasil. Gaea, 2:18--23.

Silva, L.H.S.; Iespa, A.A.C. & Damazio, C.M. 2006b. Trombólitos e

cianobactérias da Lagoa Pernambuco, Holoceno do Rio de

Janeiro, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 6:243--

Silva, L.H.S.; Lopes, F.A.S.; Iespa, A.A.C.; Damazio, C.M. & Delfino,

D.O. 2006c. Cianobactérias em esteiras microbianas lisas do

brejo do Pau Fincado, Rio de Janeiro, Brasil. Geociências,

:111--121.

Silva, L.H.S.; Delfino, D.O.; Lopes, F.A.S.; Iespa, A.A.C. & Damazio,

C.M. 2006d. Esteiras microbianas poligonais do Brejo do

Espinho, RJ. Revista de Geologia, 19:155 -- 161.

Silva, L.H.S.; Alves, S.A.P.M.N.; Iespa, A.A.C. & Damazio Iespa,

C.M. 2007a. Incidência de cianobactérias em estruturas

estromatolíticas biscuit na Lagoa Vermelha, estado do Rio de

Janeiro, Brasil. Revista de Geologia, 20:33--38.

Silva, L.H.S.; Delfino, D.O.; Feder, F.; Lopes, F.A.S. & Guimarães,

Th.B. 2007b. Tapetes microbianos lisos estratificados do Brejo

do Espinho, RJ, Brasil. Anuário do Instituto de Geociências,

:181--187

Silva, L.H.S.; Lopes, F.A.S.; Delfino, D.O. & Feder, F. 2007c.

Chroococcales em esteiras microbianas em bolha do Brejo do

Pau Fincado, Rio de Janeiro, Brasil. Anuário do Instituto de

Geociências, UFRJ, 30:182-- 187.

Silva, L.H.S.; Damazio Iespa, C.M. & Iespa, A.A.C. 2007d. Estudo

sedimentológico e geomicrobiológico das esteiras microbianas

tipo filme da Lagoa Pitanguinha, Região dos Lagos, Estado do

Rio de Janeiro, Brasil. Anuário do instituto de Geociências,

:67--72.

Silva, L.H.S.; Hayakawa, R.C.S.; Iespa, A.A.C.; Damazio Iespa,

C.M.; Delfino, D.O. & Lopes, F.A.S. 2007e. Cianobactérias

planctônicas da Lagoa Pitanguinha, RJ, Brasil. Revista de

Biociências, 13:63--70. S

Silva, L.H.S.; Shimizu, V.T.A.; Iespa, A.A.C. & Damazio Iespa, C.M.

Cianobactérias em esteiras microbianas coloformes da

salina Praia Seca, Rio de Janeiro, Brasil. Revista de Ciências

da Vida, EDUR-UFRRJ, 28:44--52.

Srivastava, N.K. 2002. Lagoa Salgada, RJ: estromatólitos recentes. In:

SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS,D.A.; QUEIROZ, E.T.;

WINGE,M. & BERBERT-BORN, M.L.C. (eds.). Sítios

Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília: DNPM/

CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e

Paleobiológicos (SIGEP), 1:203-209. [Versão digital: http://

sigep.cprm.gov.br/sitio041/sitio041.pdf, em 02.08.2016]

Taher, A.G. 2014. Microbially induced sedimentary structures in

evaporite--siliciclastic sediments of Ras Gemsa sabkha, Red

Sea Coast, Egypt. Journal of Advanced Research, 5:577--586

Turcq, B., Martin, L., Flexor, J. M., Suguio, K., Pierre, C. & Tasayaco-

Ortega, L. 1999. Origin and evolution of the Quaternary

Coastal Plain between Guaratiba and Cabo Frio, State of Rio

de Janeiro, Brazil. In: KNOPPERS, B.; BIDONE, E.D. &

ABRÃO, J.J. (eds.). Environmental geochemistry of coastal

lagoon systems of Rio de Janeiro, Brazil. Niteroi: UFF, Série

Geoquímica Ambiental, 6, p.25--46.

Van Lith, Y.; Vasconcelos, C.; Warthmann, R.; Martins, J.C.F. &

McKenzie, J.A. 2002. Bacterial sulfate reduction and salinity:

two controls on dolomite precipitation in Lagoa Vermelha and

Brejo do Espinho (Brazil). Hydrobiologia, 485:25--49.

Vasconcelos, C. 1988. Lagoa Vermelha: um exemplo de formação e

diagênese de carbonatos. Programa de Pós-graduação em

Geoquímica, Universidade Federal Fluminense, Niteroi,

Dissertação de Mestrado, 63p.

Vasconcelos, C. & Bahniuk, A.M.R. 2015. Microbialitos recentes da

Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro. In: FAIRCHILD,

TH.R.; ROHN, R. & DIAS BRITO, D. (eds.). Microbialitos

do Brasil, do Pré-cambriano ao Recente. Um Atlas. Rio Claro:

UNESP--IGCE--UNESPetro, Obra, 2, p.60--75.

Vasconcelos, C. & McKenzie, J.A. 1997. Microbial mediation of

modern dolomite precipitation and diagenesis under anoxic

conditions (Lagoa Vermelha, Rio de Janeiro, Brazil). Journal

of Sedimentary Research, 67:378--390.

Wright, V.P. & Barnett, A.J. 2015. An abiotic model for the development

of textures in some South Atlantic early Cretaceous lacustrine

carbonates. In: BOSENCE, D.W.J.; GIBBONS, K.A.; LE

HERON, D.P.; MORGAN, W.A.; PRITCHARD, T. &

VINING, B.A. (eds.). Microbial Carbonates in Space and Time:

Implications for Global Exploration and Production. London:

Geological Society, Special Publications, 418:209--219.




DOI: https://doi.org/10.11137/2017_1_191_205

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexers and Bibliographic DatabasesFollow us
SCImago Journal & Country Rank
ISSN
ROAD
Clarivate
Diadorim
DOAJ
DRJI
GeoRef
Google Scholar
Latindex
REDIB
Oasisbr
Twitter
Instagram
Facebook
All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International Public License (CC BY-NC 4.0).