Obtenção de MDE Corrigido para Delimitação de Bacia Hidrográfica com Auxílio de Geotecnologias Livres

Nelison Ferreira Correa, Vinícius de Oliveira Ribeiro, Camila Leonardo Mioto, Antonio Conceição Paranhos Filho

Resumo


No Brasil, a Política Nacional dos Recursos Hídricos estabelece que a unidade fundamental de gestão dos recursos hídricos é a Bacia Hidrográfica. Assim o trabalho inicial, antes das atividades de monitoramento de uso e ocupação do solo e outras afins, no âmbito da bacia, passa pela delimitação de seus limites fisiográficos. O emprego das geotecnologias permite a interpretação de um conjunto de dados para que seja possível a modelagem da delimitação da bacia hidrográfica utilizando Sistemas de Informações Geográficas (SIG) livres imagens de satélite gratuitas. Contudo, a presença de vegetação densa promove a geração de falsos picos, conduzindo a modelagem de falsos segmentos de fluxo, afetando diretamente a modelagem do limite da Bacia Hidrográfica. Este trabalho teve como objetivo a obtenção de Modelo Digital de Elevação (MDE) a partir de Modelo Digital de Superfície (MDS) - SRTM visando à delimitação da Bacia Hidrográfica do Córrego Laranja Doce (Dourados/MS) com auxílio do software QGIS (QGIS Development Team, 2015). Como resultado, observou-se que a correção altimétrica do MDS, com auxílio da interpretação de imagens orbitais (imagem Landsat 8 órbita/ponto 224/75 de 2015) e dados de levantamento de campo, promoveu a obtenção de um Modelo Digital de Elevação que representa com maior acurácia o relevo e os limites fisiográficos da área de estudo, podendo servir melhor para embasamento nas futuras análises que necessitem desta informação, como em morfometria e monitoramento ambiental.

Palavras-chave


Bacias Hidrográficas; Modelo Digital de Elevação; Modelo Digital de Superfície; SIG

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. 1997. Lei n° 9.433 de 08 de Janeiro de 1.997. “Institui a

Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema

Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos,

regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição

Federal, e altera o art. 1° da Lei 8.001 de 13 de março

de 1.990. Data da legislação: 08/01/1997 -- Publicação

DOU: 09/01/1.997.

DSG. 1979. Diretoria do Serviço Geográfico do Exército. Carta

Dourados. Escala 1:100.000. Folha SF 21-Z-B-II.

DSG. 1979. Diretoria do Serviço Geográfico do Exército. Carta

Rio Brilhante. Escala 1:100.000. Folha SF 21-X-D-V.

Earth Explorer. 2015. Imagens Landsat 8. OÌrbita 224, ponto 075.

Data de Passagem 28/02/2014. Disponível em: http://

earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: março de 2015.

ESRI Inc. 1997. ARC / INFO version 7.11. Environmental

Systems Research Institute Inc. New York, 1 CD ROM.

Farr, T.G.; Rosen, P.A.; Caro, E.; Crippen, R.; Duren, R.;

Hensley, S.; Kobrick, M.; Paller, M.; Rodriguez, E.;

Roth, L.; Seal, D.; Shaffer, S.; Shimada, J.; Umland,

J.; Werner, M.; Oskin, M.; Burbank, D. & Alsdorf, D.

The Shuttle Radar Topography Mission. Reviews

of Geophysics, 45(2): 33. Disponível em < http://www.

agu.org/pubs/crossref/2007/2005RG000183.shtml>.

Acesso em: janeiro de 2015.

GLCF. 2000. Global Land Cover Facility. Cátalogo SRTM

Órbita 224 ponto 75. Disponível em:

glcfapp.glcf.umd.edu:0800/esdi/index.jsp>. Acesso em:

março de 2015.

Grohmann, C.H. 2015. ‘Radiography of the Amazon' DSM/

DTM data: comparative analysis with SRTM, ASTER

GDEM. Geomorphometry 2015, Poznam, Poland.

Proceedings.

IBGE. 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica.

Disponivel em: < http://www.ibge.gov.br/home/

geociencias/.htm>. Acesso em: março de 2015.

IBGE. 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica.

Disponivel em: < http:// http://cidades.ibge.gov.br/xtras/

perfil.php?codmun=500370>. Acesso em: outubro de

Leckie, D.G. & Ranson, K.J. 1998. Forestry applications using

imaging radar. Principles and Applications of Imaging

Radar, 2: 435--509.

Paranhos Filho, A.C.; Mioto, C.L.; Marcato Junior, J. &

Catalani, T.G. T. 2016. Geotecnologias em Aplicações

Ambientais. 1.ed. Campo Grande: UFMS. 383p.

Pereira, L.S.; Oweis, T. & Zairi, A. 2002. Irrigation management

under water scarcity. Agriculture Water Management,

(3): 175-206.

QGIS Development Team. 2015. QGIS 2.8.2 Lisboa. Geographic

Information System. Open Source Geospatial

Foundation Project. Disponível em:

org/pt_BR/site/index.html>.

Rocha, C.H.B. 2000. Geoprocessamento: Tecnologia

transdisciplinar. Juiz de Fora/MG: Ed Do Autor. 220p.

Santana, D.P. 2003. Manejo Integrado de Bacias Hidrográficas.

Embrapa Milho e Sorgo. Documentos 30. ISSN, Sete

Lagoas -- MG, p. 1518-4277.

Silva, A.L.M. 2005. Direito do Meio Ambiente e dos Recursos

Naturais. 784p.

Teske, R.; Giasson, E. & Bagatini, T. 2014. Comparação do uso

de modelos digitais de elevação em mapeamento digital

de solos em Dois Irmãos, RS, Brasil. Revista Brasileira

de Ciência do Solo, 38(5): 1367-1376. Disponível

em

arttext&pid=S0100-06832014000500002&lng=en&nr

m=iso>. Acesso em: julho de 2015.

TOPODATA. 2009. Banco de dados geomorfométricos do

Brasil. Órbita 224 ponto 75. Disponível em:< http://

www.dsr.inpe.br/topodata/documentos.php>. Acesso

em: março de 2015.

Torres, T.G. 2007. Geotecnologias na geração do divisor de

bacias hidrográficas: um instrumento para a Política de

Recursos Hídricos. Campo Grande, 2007. Dissertação

(Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do

Sul. 78p.

Tucci, C.E.M. 1997. Hidrologia: ciência e aplicação. 2.ed.

Porto Alegre: ABRH. 943p.

Valeriano, M.M.; Kuplich, T.M.; Storino, M.; Amaral, B.D.;

Mendes Junior, J.N. & Lima, D.J. 2006. Modeling

small watersheds in Brazilian Amazonia with shuttle

RADAR topographic mission-90m data. Computers &

Geosciences, 32(8): 1169--1181.

Valeriano, M.M. & Rossetti, D.F. 2012. Topodata: Brazilian full

coverage refinement of SRTM data. Applied Geography,

(2): 300-309.




DOI: https://doi.org/10.11137/2017_1_217_225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank