A Fauna da Formação Brejo Santo, Neojurássico da Bacia do Araripe, Brasil: Interpretações Paleoambientais

Bruno Gonçalves Vieira de Melo, Ismar Ismar de Souza Carvalho

Abstract


A Bacia do Araripe teve sua origem e evolução relacionadas aos eventos tectônicos que culminaram com o rifteamento do Gondwana e abertura do oceano Atlântico Sul. Os depósitos do Neojurássico da bacia estão inseridos na Tectonossequência Pré-Rifte e compreendem a Formação Brejo Santo. Os macrofósseis e microfósseis incluem peixes Mawsonia gigas e Lepidotes sp., Crocodyliformes, Dinosauria, e invertebrados como ostracodes, conchostráceos, gastrópode, biválvio, além de icnofósseis. A associação fossilífera, aliada às observações sedimentológicas dos aloramentos, torna possível caracterizar o ambiente deposicional. O predomínio de camadas lutíticas vermelhas (red beds) evidencia a deposição em corpos d’água rasos, em condições oxidantes, de áreas alagadas da planície de inundação, em clima árido, associados a momentos esporádicos de inundação luvial. A ocorrência de níveis carbonáticos e a diversidade de ostracodes mixohalinos (citeráceos), sugerem que as áreas alagadas eram caracterizadas por águas salobras (salinidade entre 1 e 24,7 %), temperadas ou quentes e com pH alcalino. A ostracofauna permite concluir que os depósitos em análise pertencem ao andar local Dom João (Biozona NRT-001 da Petrobras) - Neojurássico.

Keywords


Bacia do Araripe; Formação Brejo Santo; Neojurássico; associação fossilífera



DOI: https://doi.org/10.11137/2017_3_62_74

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.