A Seca de 2013/2014 na Região Sudeste do Brasil

Hugo Alves Braga, Luiz Carlos Baldicero Molion

Abstract


A afirmação propalada na mídia de que as secas da Região Sudeste estão sendo causadas pelo desmatamento da Amazônia não tem base científica e não sobrevive a uma análise de dados climáticos. A estiagem pela qual o Sudeste passou em 2013 e 2014 - e que causou grandes transtornos sociais notadamente pela falta de água para consumo humano especialmente nas grandes cidades - é decorrente da variabilidade natural do clima e já ocorreu, até com intensidade maior, no passado, notadamente nas décadas de 1930 e 1960, quando o desmatamento da Amazônia era incipiente. A umidade para as chuvas do Sudeste não é produzida na Amazônia. Ela vem do Atlântico Tropical, apenas passa sobre a Amazônia e interage com a floresta. A partir de uma caixa virtual inscrita entre 0º e 12,5ºS, 45ºW e 75ºW, calculou-se a divergência do fluxo de umidade no período 1999 a 2014 utilizando o conjunto de dados de Reanálises disponíveis no ESRL/PDS/ NOAA. Os resultados indicam que os anos de 2013 e 2014 apresentaram os maiores valores de fluxo de umidade média anual exportado para região Sul/Sudeste, 2014[3,45x108kg/s] e 2013[3,08x108kg/s] respectivamente, durante o período estudado. Este estudo, portanto, demonstra que não houve falta de umidade atmosférica sobre o Sudeste. E, ainda, as análises dos campos de velocidade vertical Ômega e ROLE observados no verão austral mostram a permanência de um sistema de alta pressão atmosférica sobre a Região que produziu intensa estabilidade atmosférica particularmente em 2014. Apesar do forte aquecimento continental nessa estação do ano, esse sistema de alta pressão foi o responsável pela seca severa, pois inibiu a formação de nuvens e o desenvolvimento de nuvens de tempestades e, simultaneamente, bloqueou a entrada dos sistemas frontais vindos do sul do Continente Sul-Americano, que é um mecanismo fundamental na produção do total pluviométrico regional durante o verão austral. Conclui-se que a estiagem na Região Sudeste nos anos de 2013-2014 não foi provocada pela falta de umidade atmosférica e sim pela falta de um mecanismo dinâmico capaz de converter em chuva a umidade proveniente do Atlântico Tropical.

Keywords


Divergência do fluxo de umidade; Variabilidade interanual; Precipitação



DOI: https://doi.org/10.11137/2018_1_100_107

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.