Álgebra de Mapas na Elaboração de Carta de Risco à Inundação

Yani Scatolin Mendes, Vinícius de Oliveira Ribeiro, Antonio Conceição Paranhos Filho, Taís Arriero Shinma Galbetti

Abstract


A urbanização sem o devido planejamento tem provocado alterações nas condições naturais das bacias hidrográficas, tendo como uma das consequências as inundações. A utilização de metodologias aplicadas à identificação de áreas inundáveis possibilita a prevenção da ocupação de locais susceptíveis à inundação, reduzindo impactos socioeconômicos. Dessa forma, o presente trabalho visou identificar as áreas com risco à inundação de uma bacia hidrográfica, com o auxílio de um SIG (Sistema de Informação Geográfica) livre e gratuito. Foram elaboradas cartas temáticas, sendo utilizados os seguintes parâmetros: pontes; áreas úmidas; matas ciliares; solos; declividade; e uso e ocupação do solo. A partir da álgebra de mapas, foi possível combinar essas cartas e gerar a carta final das áreas de risco à inundação. As áreas que apresentam maiores riscos a inundações estão situadas em áreas dispersas: próximas ao exutório (região sul), também nas regiões nordeste (área urbanizada) e centro-oeste da bacia, sendo predominantemente áreas de baixa declividade, representando 37% da área total da bacia. Enquanto a classe de baixo risco a inundação abrange 3% da área total, sendo áreas compostas por vegetação e maiores declividades. A obtenção desses resultados poderá servir como de apoio aos gestores públicos municipais, para que então insiram regulamentos e fiscalização, garantindo que os locais com risco à inundação sejam ocupados de maneira adequada pela população.

Keywords


Geoprocessamento; Inundação; Álgebra de mapas

References


Arruda, L. & Daniel, O. 2007. Florística e diversidade em um

fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Aluvial em Dourados-MS. Floresta, 37: 189-199.

Brasil. 2006. Ministério das Cidades. Prevenção de Riscos de

Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração

de Políticas Municipais. Disponível em: .

Acesso em: 07 nov. 2019.

Brasil. 2012a. Lei n. 12.608, de 10 de abril de 2012. Institui a

Política Nacional de Proteção e Defesa Civil – PNPDEC. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção

e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de

Proteção e Defesa Civil – CONPDEC. Autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de

desastres. Disponível em:

br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm>.

Acesso em: 26 out. 2019.

Brasil. 2012b. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe

sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis

nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de

dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de

; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro

de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e

dá outras providências. Disponível em:

planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/

l12651.htm>. Acesso em: 09 nov. 2019.

Brasil. 2018. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em

Saúde. Desastres naturais e saúde: análise do cenário

de eventos hidrológicos no Brasil e seus potenciais

impactos sobre o Sistema Único de Saúde. Boletim

Epidemiológico, 49: 1-13.

CEMTEC/MS. 2019. Centro de Monitoramento do Tempo e

Clima. Banco de Dados. Disponível em:

cemtec.ms.gov.br/boletins-meteorologicos/>. Acesso

em: 17 ago. 2019.

COBRAPE. 2018. Companhia Brasileira de Projetos e Empreendimentos. Plano Diretor de Drenagem Urbana de

Curitiba. Disponível em:

pr.gov.br/2018/00238310.pdf>. Acesso em: 11 out.

Correa, N.F.; Ribeiro, V.O.; Mioto, C.L. & Paranhos Filho, A.C.

Obtenção de MDE Corrigido para Delimitação

de Bacia Hidrográfica com Auxílio de Geotecnologias

Livres. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ,

: 217-225.

Dourados. Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil. 2019. Mapa de risco de Dourados, 2019. 1 mapa:

x 2550 px. Escala 1:50.000.

Dourados. 2015. Lei nº 3929, de 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre o perímetro urbano da cidade de Dourados.

Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2018.

DSG. 2019. Diretoria de Serviço Geográfico. Geoportal do

Exército Brasileiro. Disponível em:

eb.mil.br/>. Acesso em: 28 jul. 2019.

EMBRAPA. 1979. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuá-

ria. Súmula da X Reunião Técnica de Levantamento de

Solos. Rio de Janeiro, SNLCS, 83 p.

EMBRAPA. 2000. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Levantamento semidetalhado dos solos do campo

experimental de Dourados, da EMBRAPA Agropecuária Oeste, município de Dourados, MS. Rio de Janeiro, Embrapa Solos, 68 p.

Faria, R. & Pedrosa, A. 2005. Impactos da Urbanização na Degradação do solo urbano e sua relação com o incremento de inundações urbanas em Santa Maria da Feira. Disponível em:

Inunda%C3%A7%C3%B5es%20urbanas%20St%20

Maria%20da%20Feira.pdf>. Acesso em: 18 set. 2019.

Ferreira, P.S. 2014. Elementos para enquadramento da classe

de uso da água do Córrego Curral de Arame, Dourados, MS. Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais, Universidade Federal da Grande Dourados,

Monografia, 43 p.

Fietz, C.R. & Fisch, G.F. 2008. O Clima da Região de Dourados, MS. Dourados, Embrapa Agropecuária Oeste,

p.

IBGE. 2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Downloads. Disponível em:

br/geociencias/downloads-geociencias.html>. Acesso

em: 06 out. 2019.

Ji, L.; Zhang, L. & Wylie, B. 2009. Analysis of Dynamic

Thresholds for the Normalized Difference Water Index. Photogrammetric Engineering & Remote Sensing, 75: 1307-1317.

MMA. 2018. Ministério do Meio Ambiente. Geo Catálogo

MMA. Disponível em:

br/>. Acesso em: 23 jan. 2018.

Nascimento, E. & Matias, L.F. 2011. Expansão urbana e desigualdade socioespacial: uma análise da cidade de

Ponta Grossa (PR). RAEGA - O Espaço Geográfico

em Análise, 23: 65-97.

Nascimento, T.V. & Fernandes, L.L. 2017. Mapeamento de uso

e ocupação do solo em uma pequena bacia hidrográfica da Amazônia. Revista Ciência e Natura, 39: 169-

Organização Pan-Americana da Saúde. 2015. Ministério da

Saúde (BR). Desastres naturais e saúde no Brasil.

Brasília, OPAS, 56 p.

Poleto, C. & Tassi, R. 2012. Sustainable urban drainage systems. In: MUHAMMAD S.J. (Org.). Drainage Systems. BoD – Books on Demand. p. 55-72.

Prochmann, J.R. 2014. Análise espacial da susceptibilidade à

inundações na bacia hidrográfica do Córrego Grande,

Florianópolis – SC. Departamento de Eng. Sanitária e

Ambiental Centro Tecnológico – CTC, Universidade

Federal de Santa Catarina, Trabalho de Conclusão de

Curso, 88p.

QGIS Development Team. 2019. QGIS 2.18.16. Disponível

em:. Acesso em: 14 mar. 2019.

Reinert, J.D. & Reichert, J.M. 2006. Propriedades físicas do

solo. Disponível em:

publication/337498761_Reinert_Reichert_-_Propriedades_fisicas_do_solo>. Acesso em: 30 jan. 2020.

Rodrigues, W.B.; Morais, F. & Paschoal, L.G. 2017. Índice de

Diferença Normalizada da Água (NDWI) calculado

para estações chuvosas e secas na bacia do Córrego

Barreiro, Lagoa da Confusão – TO. In: SIMPÓSIO

BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 18, Campinas, Unicamp, Trabalhos completos,

p. 1-10.

Santos, L.L.; Ribeiro, V.O. & Silva, J.L.A. 2016. Aplicação

de geotecnologias gratuitas e livres na delimitação e

análise do uso e cobertura do solo na Bacia Hidrográfica do córrego Laranja Doce. In: SIMPÓSIO DE

GEOTECNOLOGIAS DO PANTANAL, 6, Cuiabá,

Embrapa Informática Agropecuária/INPE, Trabalhos

completos, p. 936-945.

Silva, M.C.T. 2017. Dourados-MS: Expansão urbana extensiva

e impactos socioambientais. In: DA SILVA, W.G.; JURADO DA SILVA, P.F. (Org.), Mato Grosso do Sul no

início do século XXI: Integração e desenvolvimento

urbano-regional. Life Editora, p. 201-229.

Souza, M.C.B. 2012. Influência da mata ciliar na qualidade

da água do trecho do rio Jacarecica - Maceió/AL.

Programa de Pós-graduação em Recursos Hídricos e

Saneamento, Universidade Federal de Alagoas, Dissertação de Mestrado, 195 p.

Tucci, C.E.M. 1995. Inundações Urbanas. Disponível em:

residuos/documentos-diversos/outros_documentos_

tecnicos/curso-gestao-do-terrimorio-e-manejo-integrado-das-aguas-urbanas/drenagem1.PDF>. Acesso

em: 05 set. 2019.

USGS. 2019. United States Geological Survey. Earth Explorer. Disponível em: .

Acesso em: 14 mar. 2019.

Venturieri, A.; Figueiredo, R.; Watrin, O.S. & Markewitz, D.

Utilização de imagens Landsat e CBERS na

avaliação da mudança de uso e cobertura da terra e

seus reflexos na qualidade da água em microbacia

hidrográfica do município de Paragominas, Pará. In:

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO

REMOTO, 12, Goiânia. INPE, Trabalhos completos,

p. 1127-1134.




DOI: https://doi.org/10.11137/2020_2_349_362

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SCImago Journal & Country Rank
Associado Diadorim Associado Latindex ROAD ISSN REDIB ISSN Google Acadêmico DRJI DOAJ GeoRef Clarivate

ISSN 0101-9759 e-ISSN 1982-3908