Análise das Secas nas Regiões Norte e Noroeste Fluminense

Giovana Deolinda Rodrigues Nery Santos, Eliane Barbosa Santos

Abstract


Os eventos de seca vêm ocorrendo com mais frequência nos últimos anos, não só na região Nordeste, como também no Sudeste do Brasil. No estado do Rio de Janeiro, as regiões Norte e Noroeste Fluminense são as que presentam maior ocorrência de eventos de déficit de precipitação. Neste sentido, o principal objetivo deste trabalho foi analisar a seca e sua tendência de ocorrência nas regiões Norte e Noroeste Fluminense. Para tanto, foram utilizados dados de precipitação de oito postos pluviométricos da rede
hidrometeorológica gerenciada pela Agência Nacional de Águas, referentes ao período de 1967 a 2016. Também foram analisados dados do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres. Para caracterizar e estudar a seca foi utilizado o Índice de Precipitação Padronizada. Em seguida, foi usado o teste estatístico não paramétrico de Mann-Kendall para verificar a existência de tendência no número de ocorrência dos eventos. Na análise de tendência, foi verificado que os postos pluviométricos localizados em Quissamã e Campos dos Goytacazes (São Thomé) apresentaram tendência positiva estatisticamente significativa a 5%, indicando que o número de ocorrência de secas vem aumentando com o tempo. Destaca-se, ainda, que os eventos considerados secos foram registrados em todas as estações do ano.


Keywords


Déficit de chuva; Índice de precipitação padronizada; Análise de tendência

References


André, R.G.B.; Marques, V.S.; Pinheiro, F.M.A. & Ferraudo, A.S. 2008. Identificação de regiões pluviometricamente homogêneas no estado do Rio de Janeiro, utilizando-se valores mensais. Revista Brasileira de Meteorologia, 23(4): 501-509.

Brasil. 2017. Agência Nacional de Águas. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil 2017. Relatório Pleno. Agência Nacional de Águas. Brasília: ANA. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2019.

Castro, A.L.C. 2003. Manual de desastres: desastres naturais. Brasília (DF): Ministério da Integração Nacional, 182p.

Castro, A.L.C.; Calheiros, L.B.; Cunha, M.I.R. & Bringel, M.L.N.C. 2003. Manual de Desastres: desastres naturais. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 174p.

CEMADEN. 2016. Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais. Relatório da Situação Atual da Seca no Semiárido Brasileiro e Impactos. Disponível em: < http://www.cemaden.gov.br/secaeimpactos/arquivos/ >. Acesso em: 20 dez. 2018.

CEPED UFSC. 2013. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Universidade Federal de Santa Catarina. Atlas Brasileiro de Desastres Naturais 1991 a 2012, Rio de Janeiro. Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2019.

Edwards, D.C. & Mckee, T.B. 1997. Characteristics of 20th century drought in the United States at multiple time scales. Climatology Report 97-2, Department of Atmospheric Science, Colorado State University, Fort Collins, Colorado.

Hayes, M.J.; Svoboda, M.D.; Wiihite, D.A. & Vanyarkho, O.V. 1999. Monitoring the 1996 drought using the Standardized Precipitation Index. Bulletin of the American Meteorology Society, 80(3): 429-438.

Kendall, M.G. 1975. Rank Correlation Methods. 4 ed. London: Charles Griffin.

Mann, H.B. 1945. Non-parametric tests against trend. Econometrica, 13: 245-259

Marengo, J.A.; Nobre, C.A.; Seluchi, M.E.; Cuartas, A.; Alves, L.M.; Mendiondo, E.M.; Obregón, G. & Sampaio, G. 2015. A seca e a crise hídrica de 2014-2015 em São Paulo. Revista USP, São Paulo, 106: 31-44.

Mckee, T.B.; Doesken, N.J. & Kleist, J. 1993. The relationship of drought frequency and duration to times scale. In: CONFERENCE ON APPIED CLIMATOLOGY, 8., Boston. Anais American Meteorological Society. Boston: Preprints, p.179-184.

Noronha, G.C.; Hora, M.A.G.M. & Silva, L.P. 2016. Análise do Índice de Anomalia de Chuva para a Microbacia de Santa Maria/Cambiocó, RJ. Revista Brasileira de Meteorologia, 31(1): 74-81.

Reboita, M.; Gan, M.A.; Da Rocha, F.P. & Ambrizzi, T. 2010. Regimes de precipitação na América do Sul: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Meteorologia, 25 (2): 185–204.

Santos, E.B.; Lucio, P.S. & Silva, C.M.S. 2015. Análise de Tendência da Precipitação Diária na Amazônia Brasileira. Revista Brasileira de Geografia Física, 8(4): 1041-1052.

Silva, C.A.M. 2015. Os Desastres no Rio de Janeiro: Conceitos e Dados. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, (8): 55-71.

Silva, W.L. & Dereczynski, C.P. 2014. Caracterização climatológica e tendências observadas em extremos climáticos no estado do Rio de janeiro. Anuário do Instituto de Geociências, 37(2): 123-138.

Suassuna, J. 1999. Fundação Joaquim Nabuco. Uma Metodologia para a Preparação do Combate aos Efeitos da Seca. Recife/PE. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2020.




DOI: https://doi.org/10.11137/2020_4_01_10

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SCImago Journal & Country Rank
Associado Diadorim Associado Latindex ROAD ISSN REDIB ISSN Google Acadêmico DRJI DOAJ GeoRef Clarivate

ISSN 0101-9759 e-ISSN 1982-3908