“Zero nada, zero”: uns índios Guimarães Rosa, sua fala

Bairon Oswaldo Vélez Escallón

Resumo


Este artigo aborda a crônica “Uns índios (sua fala)”, publicada por Guimarães Rosa no jornal A manhã em 1954. Nessa crônica, o escritor relata o seu encontro, no estado de Mato Grosso, com índios Terenos, a sua expedição a um “arranchamento de ‘dissidentes'” à procura de alguns segredos da surpreendente língua tariana. Como a crônica permite inferir, o fato de essa fala parecer ininteligível é um efeito da intervenção daquele que pretende catalogá-la ou capturá-la num dispositivo de escritura, e as identidades “índio” e “branco” são efeitos produzidos escrituralmente, assim como as distinções entre “civilização” e “barbárie”. Este artigo tentará evidenciar a maneira pela qual essa crônica recolhe alguns dos aspectos que exigem reformular o famigerado caráter documental do corpus Guimarães Rosa, assim como modificar alguns dos pressupostos dos nossos instrumentos de leitura, geralmente cativos de um imperativo representacional.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

AGUILAR, Gonzalo. “Aira/Rosa: um vestido e um recado”. In: SANTOS, Luiz Alberto Brandão e PEREIRA, Maria Antonieta (eds.). Trocas culturais na América Latina. Belo Horizonte: Pós-Lit/FALE/UFMG/, 2000:123-139.

AIRA, César. Nouvelles impressions Du Petit Maroc. Trad. Joca Wolff. Desterro: Cultura e barbárie, 2011.

ANTELO, Raúl. “A escuta selvagem”. Boletim de Pesquisa NELIC, v. 17, n. 27, 2017: 3-25.

ANTELO, Raúl. “A hybris e o híbrido na crítica cultural brasileira”. Literatura e Sociedade, v. 12, 2009: 128-150.

ANTELO, Raúl. “A mais-valia crioula: bioestética in nuce”. Conferência proferida em 26 de maio de 2017 no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina.

ATHAYDE, Tristão. “Regionalismo universalista”. Jornal do Brasil, 17 jun. 1966:123- 124.

BENJAMIN, Walter. “Sobre la facultad mimética”. In: Angelus novus. Barcelona: Edhasa, 1971: 167-170.

BUTLER, Judith; SPIVAK, Gayatri Chakravorty. ¿Quién le canta al estado-nación? Lenguaje, política, pertenencia. Trad.Fermín Rodríguez. Buenos Aires: Paidós, 2009.

CANDIDO, Antonio. “A literatura e a formação do homem”. In: Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades, 2002: 77-92.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Livraria Martins S/A, Itaiaia Limitada, 1975.

CANDIDO, Antonio. Iniciação à Literatura Brasileira (resumo para principiantes). São Paulo: Humanitas/ FFLCH/USP, 1999.

CANDIDO, Antonio. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: A educação pela noite e outros ensaios.São Paulo: Ática, 1987: 140-162.

CANDIDO, Antonio. “O homem dos avessos”. In: COUTINHO, Eduardo (Org.). Fortuna crítica Nº6, Guimarães Rosa. São Paulo: Civilização brasileira, 1991: 294-309.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o estado. Trad. Bernardo Frey. Porto: Francisco Alves, 1979.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva.São Paulo: Perspectiva, 1995.

DERRIDA, Jacques. “La diferencia”[1968]. Trad. Aquiles Trujillo. Santiago: Escuela de Filosofía Universidad ARCIS. Disponível em: https://www.ddooss.org/articulos/ textos/Derrida_diferencia.pdf. Acesso em: 07/09/2017.

DELEUZE, Gilles. “O que é um dispositivo?” [1989]. Trad. Ruy de Souza Dias. Disponível em: http://intermidias.blogspot.com.br/2012/01/o-que-e-um- dispositivo-por-gilles.html . Acesso em: 07/09/2017.

DIDI-HUBERMAN, Georges. “Cinema e poesia: Godard face a Pasolini” (Porto, 2014a). Conferência disponível em: http://filosofiaemvideo.com.br/conferencia- prof-dr-georges-didi-huberman-cinema-e-poesia-godard-face-a-pasolini/. Acesso em: 07/09/2017.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Pueblos expuestos, pueblos figurantes. Trad. Horacio Pons. Buenos Aires: Manantial, 2014b.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. S. T. Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Curso no Collège de France (1978- 1979). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GAMA, Monica. “O autoarquivamento do autor em seus álbuns-Guimarães Rosa e a Crítica Literária”. Revista Criação & Crítica, v. 0, 2014: 135-149.

HAMACHER, Werner. 95 tesis sobre la filología. Trad. Laura Carugati. Buenos Aires: Miño y Dávila, 2011.

HARSS, Luis; DOHMANN, Barbara. “João Guimarães Rosa, or the Third Bank of the River”. In: Into the mainstream: conversations with latin-american writers. New York: Harper & Row, 1969:137-172.

HARSS, Luis; DOHMANN, Barbara. Los nuestros. Buenos Aires: Sudamericana, 1966. LACAN, Jacques. “O aturdito”. In: Outros escritos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LACLAU, Ernesto. La razón populista. Trad. Soledad Laclau. Buenos Aires: F.C.E., 2005.

LEMINSKI, Paulo. Catatau. Curitiba: Travessa dos Editores, 2004.

LORENZ, Günter. “Diálogo com Guimarães Rosa”. In: ROSA, João Guimarães. Ficção completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2009. Vol. I: XXXI-LXV.

NANCY, Jean-Luc. Un pensamiento finito. Trad. Juan Carlos Moreno Romo. Barcelona: Anthropos, 2002.

NANCY, Jean-Luc; LACOUE-LABARTHE, Philippe. El absoluto literario. Trad. Cecilia González e Laura Carugati. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2012.

RODRÍGUEZ MONEGAL, Emir. El boom de la novela latinoamericana. Caracas: Tiempo Nuevo, 1972.

RODRÍGUEZ MONEGAL, Emir. “Mestre Guimarães”. Mundo Nuevo, n°6, 1966: 5-14.

RODRÍGUEZ MONEGAL, Emir. Narradores de esta América. Argentina: Carabela, 1969.

RODRÍGUEZ TORRES, Mario René. João Guimarães Rosa y otros escritores provincianos latinoamericanos (Arguedas, Rulfo, Roa Bastos y García Márquez). (Dissertação Mestrado Letras). São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2009.

ROSA, João Guimarães. Ave, palavra. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970. ROSA, João Guimarães. Tutaméia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

ROSA, Vilma Guimarães. Relembramentos: João Guimarães Rosa, meu pai. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SANTIAGO, Silviano. Genealogia da ferocidade. Recife: Cepe, 2017.

ROSA, João Guimarães. O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte: UFMG, 2008. ROSA, João Guimarães. Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

SILVA, Alvares da; SILVA, Eugenio H. “Com o vaqueiro Guimarães Rosa: um escritor entre seus personagens”.O Cruzeiro, n°36, junho de 1952: 42-52.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os involuntários da pátria: elogio do subdesenvolvimento. Caderno de leituras, n.65. Belo Horizonte: Chão da feira, 2017.

WEFFORT, Francisco C. Formação do pensamento político brasileiro. SÃO PAULO: ATICA, 2006.




DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106x/20182025373

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons