A escrita corsária de Abdellah Taïa

Júnior Vilarino

Resumo


Neste artigo, abordo a relação entre a transculturação em língua francesa e a dimensão heteroglóssica do discurso sobre a sexualidade nas obras Le Rouge du Tarbouche e Celui qui est digne d’être aimé de Abdellah Taïa. Focalizo a metáfora dos corsários contadores como uma alegoria metalinguística da literatura transcultural do autor. Com o aporte do termo escrita corsária, espero mostrar estratégias de um fazer narrativo que, dialogando com as obras de Jean Genet e André Gide, se indaga sobre o estatuto das falas de narradores e personagens subalternos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106X/20212323044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons