Miguel de Castanhoso e o martírio de D. Cristóvão da Gama

Luís André Nepomuceno

Resumo


Miguel de Castanhoso participou da expedição portuguesa enviada à Etiópia, sob o comando de Cristóvão da Gama, para dar apoio militar ao imperador Galawdewos entre 1541-1543. Tendo publicado seu relato em 1564, Castanhoso imprimiu um tom mítico e profético a seu texto, construindo bases para o martirológio de D. Cristóvão, que foi torturado por inimigos muçulmanos e teria operado milagres. Este artigo analisa o relato de Castanhoso a partir das questões políticas que envolveram o possível projeto de um martirológio em torno do nome de Cristóvão da Gama. O projeto, no entanto, revelou a pouca influência portuguesa nos assuntos da Igreja em Roma, já que o martirológio de Gama não alcançou qualquer visibilidade política e religiosa internacional.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons