Nota crítica à compreensão de Gueroult do teorema de Pitágoras apresentado por Euclides

César Augusto Battisti

Resumo


Este artigo examina um fragmento de texto do livro Descartes segundo a ordem das razões, de Martial Gueroult, concernente ao teorema de Pitágoras apresentado por Euclides no Livro I dos Elementos (Prop. I.47), e se divide em três partes. Na primeira parte, depois de apresentar certas características dos Elementos, o artigo avalia a noção de ordem atribuída por Descartes aos geômetras gregos e conclui pela adequação dessa noção à obra euclidiana. Na segunda, ele analisa os passos da prova apresentada pelo intérprete cartesiano e mostra que Gueroult se equivoca em sua exposição do teorema de Pitágoras, uma vez que faz uso da teoria das proporções, introduzida por Euclides apenas no Livro V; e, assim, ao se utilizar de conhecimentos posteriores aos da prova dos Elementos, a prova de Gueroult não segue os preceitos da ordem cartesiano-euclidiana, não podendo Euclides aceitá-la como equivalente à sua. Na terceira e última parte, o artigo tece considerações sobre o restante do fragmento e questiona as imbricações que o intérprete crê existirem no interior da sua prova, sejam elas no âmbito da “ordem das coisas”, sejam elas no âmbito da “ordem das razões”. Não sendo pertinente afirmar que (o seu) Euclides procedera como Descartes, tampouco é adequado ao intérprete utilizar-se do primeiro para compreender o segundo.


Palavras-chave


Descartes; Euclides; Gueroult; Geometria

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, C. & TANNERY, P. (ed.). 1996 (1897-1909). Oeuvres de Descartes. Paris: Vrin/Centre National du Livre. 11 v. (AT).

BOYER, C. B. 1974. História da matemática. Tradução de E. F. Gomide. São Paulo: E. Blücher, Ed. USP.

CAJORI, F. 1909. A history of mathematics. Londres: The Macmillan Company.

CLAVIUS, C. 1607 (1574). Euclidis Elementorum libri XV. Frankfurt: N. Hoffmanni -- I. Rhodij. 2 v.

COMMANDINO, F. 1622 (1572). Euclidis Elementorum libri XV. Pesaro: C. Francischinum.

DESCARTES, R. 1996 (1897-1909). La Géométrie. In: ADAM, C. & TANNERY, P. (ed.). Oeuvres de Descartes. Paris: Vrin/Centre National du Livre. v. 6, p. 367-485. (AT).

DESCARTES, R. 1983a (1973). Meditações. Tradução de J. Guinsburg e de B. Prado Júnior. 3 ed. São Paulo: Abril Cultural, p. 143-211. (Os pensadores).

DESCARTES, R. 1983b (1973). Objeções e respostas. Tradução de J. Guinsburg e de B. Prado Júnior. 3 ed. São Paulo: Abril Cultural, p. 143-211. (Os pensadores).

EUCLIDES. 1969-1977. Elementa. Edição de I. L. Heiberg e de E. S. Stamatis. Leipzig: Teubner.

EUCLIDES. 1944 (1768). Elementos de geometria: dos seis primeiros livros, do undécimo e duodécimo. Tradução de A. Brunelli da versão latina de F. Commandino e das notas de R. Simson. São Paulo: Ed. Cultura.

EUCLIDES. 1884-1916. Opera omnia. Edição de I. L. Heiberg e de H. Menge. Leipzig: Teubner. 9 v.

EUCLIDES. 2009. Os elementos. Tradução de I. Bicudo. São Paulo: Ed. UNESP.

EUCLIDES. 1956 (1908). The thirteen books of the Elements. Tradução de T. L. Heath. Nova York: Dover. 3 v.

GILSON, E. 1984 (1930). Études sur le rôle de la pensée médiévale dans la formation du système cartésien. Paris: Vrin.

GUEROULT, M. 1953. Descartes selon l'ordre des raisons. Paris: Aubier-Montaigne. 2 v.

GUEROULT, M. 1984-1985. Descartes' philosophy interpreted according to the order of reasons. Tradução de R. Ariew. Minneapolis: University of Minnesota Press. 2 v.

GUEROULT, M. 2005. Descartes según el orden de las razones. Tradução de F. Bravo. Caracas: Monte Ávila Editores Latinoamericana. 2 v.

HEATH, T. L. 1981 (1921). A history of Greek mathematics. New York: Dover. 2 v.

HEATH, T. L. 1956 (1908). The thirteen books of the Elements. Tradução de T. L. Heath. Nova York: Dover. 3 v.

JOYCE, D. E. 1998. Euclid's Elements. Worcester: Clark University. Disponível em: . Acesso em: jan., 2015.

KNORR, W. R. 1993 (1986). The ancient tradition of geometric problems. New York: Dover.

KNORR, W. R. 1975. The evolution of the Euclidean Elements. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company.

LOOMIS, F. S. 1968 (1927). The Pythagorean proposition. Washington: The National Council of Teachers of Mathematics.

LOUREIRO E VASCONCELLOS, F. de A. 2009 (1925). História das matemáticas na antiguidade. Lisboa: Ludus.

MULLER, I. 2006 (1981). Philosophy of mathematics and deductive structrure in Euclid's Elements. Cambridge: MIT Press.

NEUENSCHWARDER, E. 1973. Die ersten vier Bücher der Elemente Euklids. Archive for History of Exact Sciences, v. 9, n. 4, p. 325-380.

PELETIER DU MANS, J. 1628 (1611). Les six premiers livres des Éléments géométriques d'Euclide. Gênova : Jean de Tournes.

PROCLUS. 1992 (1970). A commentary on the First Book of Euclid's Elements. Tradução de G. R. Morrow. Nova Jersey: Princeton University Press.

ROMMEVAUX, S. 2005. Clavius une clé pour Euclide au XVIe siècle. Paris: Vrin.

SILVA, J. E. B. 2014. Teorema de Pitágoras: algumas extensões/generalizações e atividades com o Software Geogebra. São José do Rio Preto (SP). 152 p. Dissertação (Mestrado Profissional). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas.

SOUZA, J. & PATARO, P. 2010. Matemática: 9o. ano, módulo 3. São Paulo: FTD. (Coleção FTD sistema de ensino).

ZEUTHEN, H. G. 1902. Histoire des mathématiques dans l'antiquité et le moyen âge. Paris: Gauthier Villars.




Direitos autorais 2015 Analytica. Revista de Filosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN 1414-3004, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.