Uma interioridade do mundo. Sobre o sentido interno como “apercepção cosmológica”

Antoine Grandjean

Resumo


O objetivo deste artigo é destacar a originalidade, a radicalidade e a fecundidade da concepção kantiana do sentido interno. Originalidade, porque Kant, ao contrário de Locke e toda uma tradição que emprega a expressão em um sentido analógico, pretende mostrar que ela deve ser utilizada no sentido próprio, sendo de fato a interioridade o correlato de uma dimensão da nossa sensibilidade. Radicalidade, porque essa posição leva Kant a dissociar de maneira escrupulosa o sentido interno e uma apercepção transcendental cujo caráter intelectual implica sua total vacuidade. Fecundidade, porque são então as consequências espiritualistas e idealistas da doutrina tradicional que são recusadas: a interioridade designa simplesmente um campo atópico do aparecer que é ontologicamente homogêneo a uma exterioridade da qual só se distingue fenomenologicamente e ao qual, além disso e mais fundamentalmente, está irredutivelmente subordinado.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Analytica. Revista de Filosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN 1414-3004, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.