Eternidade, negação e conhecimento

Fernando Pio de Almeida Fleck

Resumo


Não é possível entender o que significa o conceito de eternidade sem uma prévia compreensão do tipo de objeto a que ele se aplica. Com efeito, em seu célebre tratado Da Trindade, Boécio ensinava que as dez categorias aristotélicas aplicam-se universalmente a todas as coisas. Entretanto, quando utilizadas para falar de Deus, as categorias perdem sua significação usual. Prova disso está em que, mantidas as significações usuais e predicadas as categorias de Deus, obtem-se predicações contraditórias. Neste artigo, explorarei esse ensinamento mostrando em detalhes o surgimento dos diversos tipos de contradição associados a cada um dos predicados categoriais.

 

Abstract

It is not possible to understand what does the concept of eternity mean without a previous understanding of the kind of object to which it applies. In fact, in his famous work On Trinity, Boethius taught that the ten Aristotelian categories would universally apply to all things. However, when used to talk about God, the categories lose their usual meaning. A proof of this is that, if the usual significances of the categories are kept and so predicated of God one would have contradictory predications. In this article, I will explore that teaching showing in details the arising of the several kinds of contradiction associated to each one of the categorial predicates.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35920/arf.2003.v7i1.83-96



Direitos autorais



ISSN 1414-3003, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.