Significação e retificação e o discurso público

Michael A. Soubbotnik

Resumo


A linguagem cumpre para Locke duas funções principais: registrar nossos pensamentos e comunicá-los a outrem. Numerosos são os comentadores que consideram que a teoria lockeana da significação, dando conta da primeira função, erige obstáculos quase insuperáveis à explicação da segunda. Tenta-se aqui mostrar que, em Locke, sua fragilidade, longe de ser um obstáculo à comunicação lingüística, é a sua própria condição de possibilidade no seio de um espaço público onde cada locutor é responsável, diante de si mesmo e diante de outrem, pela inteligibilidade de seu discurso. Desta maneira, a teoria lockeana dos signos mantém uma estreita relação com sua teoria moral e política.

 

Abstract

According to Locke language accomplishes two main functions: to register our thoughts and to communicate them to somebody. There are many commentators who consider that Locke´s theory of meaning, when accomplishing the first function, erects obstacles to the explanation of the second that are almost unbeatable. Here one tries to show that, in Locke, his fragility, far from being an obstacle to the linguistic communication, it is its condition of possibility in the midst of a public space where each speaker is responsible, for himself and for somebody, by the intelligibility of his speech. Thus, Locke´s theory of signs keeps a narrow relation with his moral and political theory.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35920/arf.2003.v7i2.89-112



Direitos autorais



ISSN 1414-3003, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.