Considerações sobre a Teoria da Informação Semântica em An Outline of a Semantic Theory of Information de Bar-Hillel e Carnap

Ralph Leal Heck

Resumo


Esta apresentação identifica os principais conceitos envolvidos na teoria semântica da informação na obra An Outline of a Semantic Theory of Information de Bar-Hillel e Carnap. Inicio indicando as influências e desdobramentos sobre a elaboração desta teoria, seguido dos principais conceitos que os autores usarão para tratar o conteúdo semântico
das sentenças. O ponto de partida são operações conjunto-teoréticas, inicialmente através das funções In e Cont. Mas a dificuldade com a adição os leva a especificar o conceito de informatividade semântica por meio das funções cont e m, que avaliam o espaço lógico-probabilístico sentencial. Sendo inversamente definíveis, onde a alta
probabilidade de verdade de uma sentença implica em seu escasso conteúdo informacional. Com isto, os autores introduzem a função inf como a contribuição de uma sentença na identificação de qual descrição-de-estado possível é o caso. A partir disto, eles ajustam a teoria para tratar probabilidades experimental-indutivas entre hipóteses
e evidências.

Palavras-chave


linguagem; espaço lógico; filosofia da informação; teoria da informação semântica; Bar-Hillel e Carnap; language; philosophy of information; theory of semantic Information;

Texto completo:

PDF

Referências


BAR-HILLEL, J. CARNAP, R. 1952. An Outline of a Theory of Semantic Information. Massachusetts: MIT Press.

BARWISE, J., SELIGMAN, J. 1997. Information Flow: The Logic of Distributed Systems. Cambridge: Cambridge University Press.

CARNAP, R. 1936. Testability and Meaning. Philosophy of Science, vol. 3, n. 4. pp. 419-471.

CARNAP, R. 1945. The Two Concepts of Probability: The Problem of Probability. Philosophy and Phenomenological Research. Vol.5 No.4. pp.513-532.

CARNAP, R. 1950. Logical Foundations of Probability. Chicago: University of Chicago Press.

CHAITIN, Gregory J. 1997. Algorithmic Information Theory. 3aed. Cambridge: Cambridge University Press.

CHALMERS, A. F. 1997. O que é a Ciência afinal? 2a Ed. São Paulo: Brasiliense.

DRETSKE, F.I. 1999. Knowledge and the Flow of Information. Stanford: CSLI Publications.

ELIAS, P. 1954. Review of: An Outline of a Theory of Semantic Information by Rudolf Carnap; Yehoshua Bar-Hillel. The Journal of Symbolic Logic, Vol. 19, No. 3. pp. 230-233.

FLORIDI, L. 2004. Outline of a Theory of Strongly Semantic Information. Minds and Machines, vol.14 n.2. pp.197–222.

FLORIDI, L. 2011. The Philosophy of Information. Oxford: Oxford University Press.

HINTIKKA, J. 1970a/b. Surface Information and Depth Information. In: HINTIKKA, J.; SUPPES, P. (orgs). Information and Inference. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company. pp.263-297.

HINTIKKA, J. 1970a. On Semantic Information. In: HINTIKKA, J.; SUPPES, P. (orgs). Information and Inference. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company. pp.3-27.

POPPER, K. 1972. Conjecturas e Refutações. Brasília: Ed.UnB. POPPER, K. 1999. A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo: Cultrix.

SHANNON, C. E. 1993. in: Collected Papers. Sloane, N. J. A.; Wyner, A. D. (eds.) New York: IEEE Press.

SOMMARUGA, G. (ed.). 2009. Formal Theories of Information: From Shannon to Semantic Information Theory and General Concepts of Information. Berlim: Springer.

WITTGENSTEIN, L. 2009. Philosophical Investigations [1953] 4a ed. Oxford: Blackwell.




DOI: https://doi.org/10.35920/arf.2019.v23i2.124-133



Direitos autorais 2021 Analytica - Revista de Filosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN 1414-3003, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.