Imaginação e razão prática

Daniel Tourinho Peres

Resumo


O artigo tem como objetivo tentar localizar, no domínio prático da razão pura tal como determinado por Kant, uma esfera onde a imaginação pode exercer uma função positiva, certamente não como fundamento dos princípios práticos e dos deveres deles derivados, mas como condição da aplicação dos primeiros e reconhecimento dos segundos. Assim, cabe à imaginação compor, guiada pela razão, uma visão moral do mundo, constitutiva da racionalidade prática, que oscila então entre imanência e transcendência.

 

Abstract

The paper tries to locate, within the domain assigned by Kant to pure practical reason, a space in which imagination may have a positive role: not, to be sure, as a foundation for the practical principles and whatever derived duties, but as a condition of the application of the former and the recognition of the later. It is a task for the imagination, guided by reason, to build a moral view of the world, an essential constituent of practical rationality itself, which thereby oscillates between immanence and transcendence.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35920/arf.2008.v12i1.99-130



Direitos autorais



ISSN 1414-3003, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.