La predicación de los atributos divinos en Tomás de Aquino

Julio Antonio Castello Dubra

Resumo


Para Tomás de Aquino, como para todos os autores medievais, acerca de Deus não conhecemos o que é, mas, antes, o que não é. Não obstante, Aquino admite a predicação de certos atributos divinos - bondade, inteligência, sabedoria etc. -- que se dizem em sentido próprio -- e não metafórico --, em sentido primário -- e não derivado -- e "substancialmente" -- não de modo meramente negativo ou relacional. Além disso, as rationes que correspondem a esses nomes são múltiplas e, todavia, dizem algo que está efetivamente em Deus. O trabalho se ocupa da fundamentação que Tomás de Aquino realiza da predicação destes tipos de nome. Ainda que Tomás não abandone o negativismo tradicional - não possuímos um conhecimento quididativo de Deus nessa vida -, sua pretensão é satisfazer da melhor maneira possível as exigências epistemológicas de uma scientia de Deo.

 

Abstract

Aquinas, as all the medieval thinkers, holds that we do not know about God what He is, but what He is not. However, Aquinas recognizes that some attributes are predicated of God, such as Goodness, Intelligence, and Wisdom. These names are said of God properly -- not metaphorically --, primarily -- not in a derived sense -- and "substantially", i.e., not in a merely negative or relational way. Moreover, the rationes that belong to these names are multiple, and they say something that exists in God. The paper deals with Aquinas's arguments in favor of that kind of predications. Although Aquinas does not abandon the traditional negativism --we cannot have a quiditative knowledge of God in this life--, he tries to fulfill the epistemic demands for ascientia de Deo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35920/arf.2010.v14i2.89-107



Direitos autorais



ISSN 1414-3003, Qualis A2

Analytica. Revista de Filosofia é indexada pelo Philosopher's Index e pelo GeoDados.