O CINEMA ALÉM DO FILME: A INFLUÊNCIA DA TRADIÇÃO ROMÂNTICA SUECA NO CINEMA DE INGMAR BERGMAN

Hellen Silvia Marques Gonçalves

Resumo


O presente artigo almeja investigar a influência da Tradição Romântica Sueca, composta por Literatura, Pintura, Teatro e Cinema, na filmografia de Ingmar Bergman, intencionando a compreensão do cinema além do filme. Para tanto, foi realizado um recorte espaço-temporal através da virada do século XIX para o século XX, considerando as transformações referentes à arte em decorrência do ideário de modernidade e à data de nascimento do cineasta, até meados da década de 1970 para abarcar os primeiros filmes do diretor e o período em que a sua obra já se encontra mais amadurecida. A pesquisa propõe analisar a existência de determinados conceitos de continuidade e ruptura na obra bergmaniana, abrindo, desta maneira, a possibilidade de alcançar certas tendências do aparato simbólico e alguns elementos estilísticos utilizados por Bergman.

Palavras-chave


História e Cinema; Ingmar Bergman; Tradição Romântica Sueca;

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Fontes Documentais Primárias

A Carruagem Fantasma (1921), Victor Sjöström, Suécia.

A Paixão de Ana (1969), Ingmar Bergman, Suécia.

Através de um Espelho (1961), Ingmar Bergman, Suécia.

Crise (1945), Ingmar Bergman, Suécia.

Chove Sobre o Nosso Amor (1946), Ingmar Bergman, Suécia.

Den Starkaste (1929), Alf Sjöberg, Suécia.

Face a Face (1976), Ingmar Bergman, Suécia.

Fanny e Alexander (1982), Ingmar Bergman, Suécia.

Gritos e Sussurros (1972), Ingmar Bergman, Suécia.

Herr Arnes Pengar (1919), Mauritz Stiller, Suécia.

Johan (1920), Mauritz Stiller, Suécia.

Luz de Inverno (1962), Ingmar Bergman, Suécia.

Mônica e o Desejo (1953). Ingmar Bergman, Suécia.

Morangos Silvestres (1957), Ingmar Bergman, Suécia.

Música na Noite (1948), Ingmar Bergman, Suécia.

Na Presença de um Palhaço (1997), Ingmar Bergman, Suécia.

Noites de Circo (1953). Ingmar Bergman, Suécia.

O Olho do Diabo (1960), Ingmar Bergman, Suécia.

O Sétimo Selo (1956), Ingmar Bergman, Suécia.

O Silêncio (1963), Ingmar Bergman, Suécia.

O Rosto de Karin (1986), Ingmar Bergman, Suécia.

Os Proscritos (1918), Victor Sjöström, Suécia.

Persona (1966), Ingmar Bergman, Suécia.

Porto (1948), Ingmar Bergman, Suécia.

Prisão (1949), Ingmar Bergman, Suécia.

Rumo à Alegria (1949). Ingmar Bergman, Suécia.

Sarabanda (2003), Ingmar Bergman, Suécia.

Sonata de Outono (1948), Ingmar Bergman, Suécia.

Sorrisos de uma Noite de Amor (1955), Ingmar Bergman, Suécia.

Terje Vigen (1916), Victor Sjöström, Suécia.

Tortura (1944), Alf Sjöberg, Suécia.

Um Barco para a Índia (1947), Ingmar Bergman, Suécia.

Vergonha (1968), Ingmar Bergman, Suécia.

Teses, Dissertações, Artigos e Livros

ARIÈS, Philippe. A História das Mentalidades. A História Nova. In: LE GOFF, Jacques. A História Nova. Trad. Eduardo Brandão. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 154-176.

ARMANDO, Carlos. O Planeta Bergman. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1988.

BARBOSA, Naylini Sobral Barboza. “Saraband”: O habitus sueco no filme de Ingmar Bergman. 2015. 122p. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal do Sergipe, Sergipe, 2015.

BERGMAN, Ingmar. Cuaderno de trabajo (1955-1974) (Letras Nórdicas nº 58). Trad. Carmen Montes Cano. Madrid: Nórdica Libros, 2018. Arquivo Kindle.

_________________. Gritos e Sussurros. Trad: Jaime Bernardes. Editora Nórdica: Rio de Janeiro, 2ª ed, 1973.

_________________. Imagens. São Paulo: Martins Fonte, 1996.

_________________. Lanterna Mágica. Trad: Marion Xavier, São Paulo: Cosac Naify, 2013.

BJORKMAN, Stig; MANNS, Torsten; SIMA, Jonas. O Cinema Segundo Bergman. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977.

BORDWELL, David. O Cinema Clássico Hollywoodiano: Normas e Princípios Narrativos. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org.). Teoria contemporânea do cinema - Vol. II. São Paulo: SENAC, 2005.

CHION, Michel. A Audiovisão: Som e Imagem no Cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2011. Escala, 2013.

COWIE, Peter. Mauritz Stiller. In____ O cinema sueco. Bianco e Nero, Cahiers du Cinéma, Cinéma 69, Svenska Institute, Tantivy Press e Publicações Dom Quixote, 1969.

DAUN, Åke. Swedish Mentality. University Park, Pennsylvania: The Pennsylvannia Press, 2008.

DUBOIS, Philipe. Cinema, Vídeo, Godard. Cosac & Naify, 2ª. Edição, São Paulo, 2011.

ESNAULT, Philippe. Victor Sjöström. In____ O cinema sueco. Bianco e Nero, Cahiers du Cinéma, Cinéma 69, Svenska Institute, Tantivy Press e Publicações Dom Quixote, 1969.

FACOS, Michelle. Nationalism and the Nordic Imagination: Swedish Art of the 1890s. Berkeley, Calif: University of California Press, c1998 1998. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2019.

FERRO, Marc. Cinema e História. Trad: Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GODARD, Jean-Luc. “Bergmanorama”. In: BAECQUE, Antoine de (org.). La política de los autores. Trad. Mariana Miracle. Buenos Aires: Paidós, 2003.

KORNIS, Mônica Almeida. Cinema, Televisão e História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. In: LE GOFF, Jacques. A História Nova. Trad. Eduardo Brandão. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 26-64.

_________________. Documento/Monumento. In: LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad. Bernardo Leitão et al. 3ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1994, p. 535-553.

LÓPEZ, Jordi Puigdomènech. Ingmar Bergman: El Último Existencialista. Madrid: Ediciones JC, 2ª Ed, 2007.

MORETTIN, Eduardo Victorio. O Cinema como Fonte História na Obra de Marc Ferro. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 38, p. 11-42, 2003. Editora UFPR.

ORFALI, Kristina. Um Modelo de Transparência: A Sociedade Sueca. In: ARIES, Philipe; DUBY, Georges. História da Vida Privada 05: Da Primeira Guerra a Nossos Dias. Trad: Denise Bottman. 4ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 581-613.

STEENE, Birgitta. Ingmar Bergman: A Reference Guide. Amsterdam University Press, Amsterdam 2005.

TEIXEIRA, Antônio Álder. Estratégias Narrativas na Filmografia de Ingmar Bergman: O Diálogo entre o Clássico e o Moderno. 2014. 206 p. Tese (Doutorado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

WALDEKRANZ, Rune. O realismo psicológico – A herança literária do cinema sueco. In____ O cinema sueco. Bianco e Nero, Cahiers du Cinéma, Cinéma 69, Svenska Institute, Tantivy Press e Publicações Dom Quixote, 1969.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com