OLHARES SOBRE AS ASSOCIAÇÕES AFRO-RELIGIOSAS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AS IRMANDADES, A LIGA E O FÓRUM

Luiz Gustavo Guimarães Aguiar Alves

Resumo


Este artigo se propõe a analisar o papel de três diferentes formas associativas afro-religiosas em Campos dos Goytacazes. Em primeiro lugar, observou-se como as irmandades católicas instauram redes de solidariedade entre negros e negras no Brasil Colônia, que se estendem até o período imperial. Em seguida, exploraram-se as primeiras associações umbandistas do período republicano, a partir do exemplo campista da Liga Cristã Umbandista, importante organização que lutou contra a intolerância religiosa durante a Ditadura Militar. Por fim, verificou-se a atuação nos dias de hoje do Fórum Municipal de Religiões Afro-brasileiras (FRAB). Busca-se, a partir disso, observar como as diferentes associações lidaram com o trânsito entre poder religioso e poder político, sem incutir caráter teleológico à apresentação destas formas associativas. A principal metodologia utilizada foi a História Oral, acompanhada de análise de documentos das associações.

Palavras-chave


Associações; Afro-religioso; Intolerância;

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALMEIDA, Carolina Cabral R. Da Polícia ao Museu: a formação da coleção africana do Museu Nacional na última década da escravidão. 2017. Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

BASTIDE. Roger. As Religiões Africanas no Brasil. São Paulo: EDUSP, v. 2, 1971.

BOSCHI, Caio C., Os Leigos e o Poder: irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo, Ática, 1986.

BROWN, Diana. “Uma história da Umbanda no Rio”. In: Umbanda & Política. Cadernos do ISER, N. 18. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1985.

CONDURU, Roberto. "Das casas às roças: comunidades de candomblé no Rio de Janeiro desde o fim do século XIX". In: Revista Topoi, v. 11, n. 21, jul.-dez. 2010.

CORDOVIL, Daniela. Religiões Afro: Introdução, Associação e Políticas Públicas. São Paulo: Fonte Editorial, 2014.

COSTA, Warley da. “A escrita escolar da História da África e dos afro-brasileiros: entre leis e resoluções”. In: PEREIRA, Amílcar Araújo. e MONTEIRO, Ana Maria. Ensino de História e Cultura afro-brasileiras e indígenas. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.

CRAEMER, Willy de. VANSINA, Jan e FOX, Renée C. Religious Movements in Central Africa: a Theoretical Study. Comparative Studies in and History, Vol. 18, No. 4. 1976.

DOMINGUES, Petrônio. “Movimento Negro brasileiro: Alguns apontamentos históricos.” In: Revista Tempo - UFF. Rio de Janeiro, vol.12, n.23, pp.100-122, 2007.

FARIA, Sheila de Castro. Família e Morte entre Escravos. In: XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 1998, Caxambu. Anais do XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu: ABEP, p. 1273-1298, 1998.

FRESTON, Paul. Protestantismo e democracia no Brasil. In: Revista Lusotopie. 1, pp. 329-340, 1999.

ISAIA, Arthur Cesar. O outro lado da repressão: A Umbanda em tempos de Estado Novo. In Crenças, sacralidades e religiosidades: Entre o consentido e o marginal. Florianópolis, Insular, 2009.

LIFSCHITZ, Javier Alejandro. Percursos de uma neocomunidade quilombola: entre a "modernidade" afro e a "tradição" pentecostal. Afro-Ásia (UFBA), v. 37, p. 153-174, 2008.

LIMA, Lana Lage da Gama; MOLINA, Bernardo Berbert; VIEIRA SILVA, Leonardo. “Racismo e discriminação religiosa em Campos dos Goytacazes: as dificuldades na aplicação da Lei Caó”. In: Terceiro Milênio: Revista Crítica de Sociologia e Política, ano 1, pp. 33-47, Campos dos Goytacazes – Rio de Janeiro, 2013.

LIMA, Vivaldo da Costa. “O Candomblé da Bahia na década de 1930”. In: Estudos Avançados, vol.18, nº.52 São Paulo, 2004.

MAGGIE, Yvonne. O Medo do Feitiço: Relações entre Magia e Poder no Brasil. Rio de Janeiro: ARQUIVO NACIONAL, 1992.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Umbanda e Questão Moral: Formação e Atualidade no Campo Umbandista em São Paulo. Dissertação de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1993.

OLIVEIRA, Anderson José M. de. Devoção Negra: santos pretos e catequese no Brasil colonial. Rio de Janeiro: FAPERJ/Quartet, 2008.

OLIVEIRA, Ilzver de Matos. Perseguição aos cultos de origem africana no Brasil: O direito e o sistema de justiça como agentes da (in)tolerância, 2014.

Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=13d83d3841ae1b92

OLIVEIRA, José Henrique M. As estratégias de legitimação da umbanda durante o Estado Novo: institucionalização e evolucionismo. In: Revista Horizonte, Belo Horizonte, v. 4, n. 8, p. 133-143, jun. 2006.

ORO, Ari Pedro. “Considerações sobre a liberdade religiosa no Brasil”. In: Ciência e Letras. Porto Alegre, n. 37, pp. 433-447, jan.; jun., 2005.

ORTIZ, Renato. A Morte Branca do Feiticeiro Negro: Umbanda e Sociedade Brasileira. São Paulo. Ed. Brasiliense, 1999.

PLUHAR, Cristiano e Barreto, José Victor Nogueira. O preconceito estampado, Campos dos Goytacazes, 2011.

POLLACK, M. Memória e identidade social . Estudos Históricos: Teoria e História, Rio de

Janeiro, vol.5, n.10, 1992.

PRANDI, Reginaldo. As religiões negras do Brasil. Para sociologia dos cultos afro-brasileiros. São Paulo: Revista da USP, 1996.

QUINTÃO, Antonia Aparecida. Lá vem o meu parente: as irmandades de pretos e pardos no Rio de Janeiro e em Pernambuco (século XVIII). São Paulo: Annablume, 2002.

REGINALDO, Lucilene. Os rosários dos angolas: irmandades negras, experiências escravas e identidades africanas na Bahia setecentista. Campinas: UNICAMP, 2005.

REIS, João José. “Identidade e diversidade étnicas nas Irmandades no tempo da escravidão”. In: Revista Tempo - UFF, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 3, pp.7-33, 1996.

ROUSSO, H. A memória não é mais o que era. In: AMADO J. FERREIRA, M. de M. (Org.).

Usos e abusos da História Oral . Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

RUSSEL-WOOD, A. J. R.. Black and Mulatto Brotherhoods in Colonial Brazil: a study in collective behavior. HAHR, 54, pp. 567-602, 1974.

SAMPAIO, Gabriela dos Reis. A história do feiticeiro Jucá Rosa: cultura e relações sociais no Rio de Janeiro imperial. Tese de doutorado apresentada ao Departamento de História/IFCH/UNICAMP, maio/2000.

SANTOS, Jocélio Teles dos. O poder da cultura e a cultura no poder: a disputa simbólica da herança cultural negra no Brasil. Salvador: Edufba, 2005.

SCARANO, Julita. Devoção e Escravidão: a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no Século XVIII. São Paulo: Ed. Nacional, 1978.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2005.

________________________. “Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras; o real significado do ataque aos símbolos da herança Religiosa Africana no Brasil Contemporâneo”. In: MANA. Vol. 13, n.1, pp. 207-236, 2007.

SLENES, Robert. Malungo, ngoma vem! África Coberta e Descoberta no Brasil. In: Revista USP, n. 12, p. 48-73, 1992.

SOUZA, Fabíola Amaral Tomé de. Umbanda e Ditadura Civil-Militar: relações, legitimação e reconhecimento. In: Revista Angelus Novus. São Paulo: USP. Ano VII, n. 11, pp. 13-32, 2016.

VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem: as irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com