ARTES DO FERRO ENTRE ESCRAVOS E LIBERTOS: AS PRÁTICAS E A APRENDIZAGEM - MINAS GERAIS, SÉCULO XIX

Maura Silveira Gonçalves de Brito

Resumo


A proposta deste artigo é discutir os elementos que fazem parte da prática do ofício de ferreiro entre escravos e libertos em Minas Gerais, no decorrer do século XIX. Serão abordados aqui temas ligados ao universo da prática desses artífices, como a origem dos trabalhos em metalurgia nas Minas, a introdução das atividades de manufatura nessa região pelos africanos, a relação com os mestres europeus, o aprendizado do ofício e as relações criadas entre esses homens de cor ligados a um ofício mecânico na sociedade escravista mineira oitocentista. Para tanto, analisamos os inventários post-mortem referentes ao período de 1813 a 1888 do Arquivo Municipal de Itabira, uma das áreas em que a produção de ferro teve mais destaque na Província de Minas durante o Oitocentos.

Palavras-chave


Ferreiros; práticas e aprendizagem; Minas Gerais;

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com