Um político do Império que lia escritos whigs: Nabuco de Araújo e as obras

Beatriz Piva Momesso

Resumo


As obras do historiador, orador, ensaísta e político whig inglês Thomas Babington Macaulay (1800-1859) ocupavam um importante espaço na biblioteca do político do Império Brasileiro Thomás Nabuco de Araújo (1813-1878). Ambos denominavam-se liberais: Macaulay desde sempre e Nabuco assim se definia a partir de 1860. Tanto Macaulay como Nabuco tiveram que se posicionar sobre a questão da escravidão, sobre os direitos dos trabalhadores e defenderam as reformas políticas e sociais sem a revolução. Sobretudo, através da comparação entre traços gerais do conteúdo e da forma na escrita de ambos, este breve artigo pretende analisar em que medida o estilo e os conceitos de Macaulay foram úteis para a reflexão e atuação política de Nabuco de Araújo. A partir de uma tentativa de fazer a história intelectual do Império, pretendese discutir a dinâmica das ideias políticas, que podem ser transformadas e apropriadas em outros tempos e lugares inspirando, assim, novas culturas políticas.

Palavras-chave


Império; escrita; culturas políticas

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Marcia. A circulação Transatlântica dos Impressos. In: Livro-Revista do Núcleo de Estudos do Livro e da Edição, São Paulo, p. 115-127, v1, .n.1, maio. 2011.

BEVILAQUA, Clóvis. História da Faculdade de Direito de Recife: INL, 1977.

GAY, Peter. Macaulay sibarita intelectual. In.________________. O estilo na história. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 95-130.

CARVALHO, José Murilo de. História Intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. In: Topoi (on line) Rio de Janerio, v.1, n. 1, 2006. Disponível em: http://www.ifcs.ufrj.br/~ppghis/pdf/topoi1a3.pdf Acesso em 5 de agosto de 2011.

GOMES, Ângela de Castro. História, historiografia e Cultura Política no Brasil: algumas reflexões. In: SHOIET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda B; GOUVÊA, Maria de Fátima S. (org.) Culturas Políticas: ensaios, história cultural, história política e ensino de história. Rio de Janeiro: Muad, 2008. p 21-44.

HIMMELFARB. Gertrude. Who now reads Macaulay? In._____________. The New History and the Old. 6 th priting. Cambridge, Massachussets/Lodon, England: The Belknap Press of Harvard University Press, 1995. p.143-154.

HUNT, Lynn. A Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes. 1992. p1-29.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. SP/Brasília, Hucitec/INL, 1987.

NABUCO, Joaquim. Um Estadista do Império. São Paulo: Instituto Progresso Editorial S.A, v.1, 1949.

SIRINELLI, Jean-François. De la demeure à l’agora. Por uma histoire culturelle du politique. In: BERSTEIN, Serge & MILZA, Pierrer (dir.). Axés et méthodes de l´histoire politique. Paris: PUF, 1998. p. 381-398.

SKINNER, Quentin. Liberdade antes do Liberalismo. Trad. Raul Filker. São Paulo: Ed. da Unesp, 1999.

SPENCE, Jonathan D. O palácio da memória de Matteo Ricci. História de uma viagem: da Europa da contra-reforma à China da Dinastia Ming. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1986

TUCK, Richard. História do Pensamento Político. In. BURKE, Peter. (org.) A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, 1992


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com