Paiol de telhas: a saga de um quilombo no Paraná

Adriana Ribas Adriano Cararo, Jeferson Cararo

Resumo


Historicamente os quilombos foram os primeiros focos de resistência dos africanos ao regime de escravidão no Brasil e, na atualidade, significa para esta parcela da sociedade brasileira, sobretudo, um direito a ser reconhecido e não propriamente, e apenas um passado a ser rememorado. Nas últimas duas décadas do século XX, os descendentes desses africanos estão se organizando em Associações Quilombolas em todo território nacional, para reivindicarem o direito à permanência e ao reconhecimento legal de posse das terras ocupadas e cultivadas para moradia e sustento em que estavam lotados, bem como o livre exercício de suas práticas, crenças e valores considerados em sua especificidade. Nesse sentido, justifica-se a luta centenária pela posse do território empreendida pela Comunidade Quilombola Invernada Paiol de Telhas, localizada em Guarapuava, Estado do Paraná. Esse território foi sendo alvo de inúmeras contestações e apropriações por vezes indevidas ao longo do tempo e, por isso, o processo de reconhecimento legal da posse dessas terras pelos ex-escravos e seus descendentes continua em trâmite até os dias atuais. Portanto, esse estudo tem a pretensão de analisar como essa comunidade concede aos seus integrantes condições para se desenvolverem economicamente na região, e propor algumas hipóteses que possam auxiliá-la a alcançar esse objetivo.

Palavras-chave


história regional; quilombo; questão agrária.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com