SENHORA DAS CONQUISTAS E DAS MISSÕES: ORIGENS DA DEVOÇÃO DA VIRGEM DO ROSÁRIO COMO SANTA MÃE PROTETORA DOS PRETOS NO ULTRAMAR

Leonara Lacerda Delfino

Resumo


Neste artigo procuramos abordar o surgimento da devoção do Rosário no contexto de florescimento das irmandades leigas, durante a reforma religiosa que marcou a mentalidade do período final da Idade Média. Além disso, abriremos também outra frente de análise para entendermos o projeto de missionário de consolidação da devoção durante a expansão ibérica no Ultramar e os significados adquiridos com o estabelecimento da empresa colonial e da escravidão no Novo Mundo. Entre as fontes primárias eleitas, utilizamos para o desenvolvimento da análise de discurso, o manual espiritual do dominicano Nicolau Dias e o inventariamento das devoções marianas feito pelo frei Agostinho de Santa Maria.

Palavras-chave


projeto missionário; irmandades leigas; Nossa Senhora do Rosário

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIDE, R. As religiões africanas no Brasil. Vol. 1 e 2. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1971.

BORGES, Célia. Escravos e Libertos nas Irmandades do Rosário.Juiz de Fora: editora da UFJF, 2005.

BOSCHI, C. C. Os Leigos e o Poder. São Paulo: Ática, 1986.

CAMPOS, Adalgisa Arantes. A Terceira Devoção dos Setecentos Mineiro: O culto de São Miguel e Almas. Tese de Doutorado em História. São Paulo: FFLCH/USP, 1994.

CHARTIER, R. História Cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002.

COELHO, Maria Helena da Cruz. “As confrarias medievais portuguesas: espaços de solidariedade na vida e na morte”. In: Confradias, grêmios, solidariedades em La Europa Medieval. XIX Semana de estudios Medievales. Estella. Gobeierno de Navarra: Departamento

de Educación y Cultura, 1992.

DIAS, Nicolau. Livro do Rosário de Nossa Senhora feito pelo Frei Nicolau Dias, mestre em Santa Teologia da Ordem de São Domingos (...). Lisboa: Biblioteca Nacional, [1573], Ed. 1982.

DUBY, G. Idade Média, idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ELIADE, M. O Sagrado e o Profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GOMES, Saul. “Notas e documentos sobre as confrarias portuguesas. Entre o fim da Idade Média e o século XVII: O protagonismo dominicano de Sta. Maria Vitória”. In: Lusitania Sacra. Lisboa. 2' série, 7. Ano:1995, pp. 89-150.

GOMES, N. & PEREIRA, E. Mundo encaixado: Significação da cultura popular. Belo Horizonte/Juiz de Fora: Mazza/UFJF, 1992

HOBSBAWM, Eric. RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 26ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

LIMA Jr. História de Nossa Senhora em Minas Gerais. Origens das principais devoções. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1956.

MOTT, L. “Cotidiano e violência religiosa: entre a capela e o calundu.” In: SOUZA, (org.) História da Vida Privada no Brasil. Cotidiano e vida privada na América Portuguesa São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

QUINTÃO, Antônia Aparecida. Lá vem meu parente: As Irmandades de pretos e pardos no Rio de Janeiro e Pernambuco. (Século XVIII). São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002.

REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas. São Paulo: Alameda, 2011.

SANTA MARIA, Frei Agostinho de. Santuário Mariano e a história das imagens milagrosas de Nossa Senhora. Tomo X. Lisboa: Oficina de Antônio Pedroso Galram, 2007, [1707-1723].

SCARANO, J. Devoção e Escravidão. 2ª Ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1978.

SOUZA, Juliana Beatriz Almeida. Senhora dos Sete Mares. Devoção mariana no império colonial português. Tese de Doutorado em História. Niterói: UFF, 2002.

THOMAS, K. A religião e o declínio da magia. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

TINHORÃO, J. R. Festa de Negro em Devoção de Branco. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

________________. As festas no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2000.

VIEIRA, Pe. Antônio. “Sermões do Rosário”. In: VIEIRA, A. Sermões. Vol 10, 11 e 12. Lisboa: Lello e Irmão Aillaud e Lellos, 1951.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com