Uma conversa entre amigas: a relação de mediação entre a chamada imprensa feminina e as mulheres brasileiras

Heitor Campos Bueno

Resumo


O objetivo deste artigo é ponderar sobre a renovação, as principais características, bem como o papel desenvolvido junto ao público da chamada imprensa feminina. Para isso, partiremos dos estudos acerca das revistas Capricho, Claudia, Nova e Você, Mulher bem como o seriado Malu Mulher e o programa televisivo TV Mulher. Apontaremos as transformações deste segmento midiático que ao longo dos anos deixa de retratar a mulher brasileira apenas como uma dona-de-casa para também retratá-la como uma “nova mulher”, mais independente e autônoma. A partir dos estudos propostos pelo sociólogo Edgar Morin sobre a cultura de massas e do conceito mediação de Jesús Martín Barbero, questionaremos a passividade do público feminino frente às mensagens transmitidas por estas referidas mídias destacando as possibilidades de mediação entre produtores, receptores, canais e mensagens.

Palavras-chave


imprensa feminina; mediação; mulher brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Heloisa Buarque; HAMBURGER, Esther Império. Sociologia, Pesquisa de Mercado e Sexualidade na Mídia: Audiência x Imagens. In: Sexualidade e Saberes: Convenções e Fronteiras. PISCITELLI, Adriana (org). Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2004. p. 115-138.

__________________________. Trocando em Miúdos: gênero e sexualidade na TV a partir de Malu Mulher. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo v.27, n.79, jun. 2012 , p. 125-137.

BARBERO, Jesús Martín. Comunicação e mediações culturais. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. XXIII, n. 1, jan.-jun. 2000. p. 151-163.

BASSANEZI, Carla. Mulheres dos Anos Dourados. In: História das Mulheres no Brasil. DEL PRIORE, Mary (org.). São Paulo: Contexto, 2008.

BRANDÃO, Antonio Carlos; DUARTE, Milton Fernandes. Movimentos culturais de juventude. São Paulo: Moderna, 1990.

Revista Ars Historica, ISSN 2178-244X, nº 7, Jan/Jul 2014, p. 1-17. | www.historia.ufrj.br/~ars/ 16

BRAGA, Adriana. Corpo e Mídia: fragmentos históricos da imprensa feminina no Brasil. In: Anais do 10 Encontro da Rede Alfredo de Carvalho (ALCAR) - Mídia: 2 séculos de História. Espírito Santo, 2003.

BUCCI, Eugênio. Ainda sobre o signo da Globo. In: Videologias: ensaios sobre televisão. BUCCI, Eugênio; KEHL, Maria Rita. São Paulo: Boitempo, 2004, p. 221-240.

BUITONI , Dulcília Helena Schroeder. Mulher de Papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Loyola, 1981.

________________________________. Imprensa Feminina. São Paulo: Editora Ática, 1986.

CASTRO, Ana Lúcia de. Revistas femininas e mundialização da cultura: Unidade na diversidade. São Paulo: 1995. Disponível em: . Acesso em: 13 de novembro de 2013.

DEL PRIORE, Mary. Histórias Íntimas – Sexualidade e Erotismo na História do Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.

FARO, José Salvador. Revista Realidade, 1966-1968: tempo da reportagem na imprensa brasileira. Canoas: Ed. da Ulbra, 1999. GODOY, Talita Franco. Talita Franco de Godoy. Revista Realidade: Representações da sociedade na mídia impressa brasileira em 1966/1967- tempos de transformações políticas e sociais. Dissertação (Mestrado em Comunicação), São Paulo: Universidade Paulista, 2013.

GOLDENBERG, Mirian (org.). Os novos desejos: das academias de musculação às agências de encontro. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GURGEL, Raquel Torres. A mulher de Capricho: uma análise do perfil das leitoras através dos tempos. Estudos Semióticos, São Paulo, v. 6, Número 1, jun. de 2010 p. 94–106. Disponível em: . Acesso em: 13 de novembro de 2013.

HAMBURGER, Esther. Diluindo Fronteiras: a televisão e as novelas no cotidiano. In: História da vida privada no Brasil. SCHWARCZ, Lilia (Org.) São Paulo: Companhia das Letras, v. 4, p. 442, 1998.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LIMA, Luísa Guimarães. Você, mulher em revista. Estudo sobre uma modernização do discurso de gênero, na década de 70. Trabalho apresentado no XXVI Congresso Anual em Ciência da Comunicação. Belo Horizonte. 2003. Disponível em: Acesso em: 13 de novembro de 2013.

Revista Ars Historica, ISSN 2178-244X, nº 7, Jan/Jul 2014, p. 1-17. | www.historia.ufrj.br/~ars/ 17

LUZ, Inês Pereira da. “A Nova Mulher” As Contradições do Modelo Feminino na TV MULHER. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social), São Bernardo do Campo: Instituto Metodista de Ensino Superior, 1988.

MELLO, João Manuel Cardoso de; NOVAIS, Fernando A. Capitalismo Tardio e Sociabilidade Moderna. In: História da Vida Privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 559-658.

MIGUEL, Raquel de Barros Pinto. A revista Capricho como um lugar de memória (décadas de 1950 a 1960). Tese (Doutorado em Ciências Humanas), Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

MIRANDA, Cássio Eduardo Soares. Mídia e Identidade: a construção do discurso amoroso em revistas femininas. In: Revista Letras & Letras, Uberlândia, 2006, v. 22 nº 2, jul/dez, p. 65-84. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/12702/7371> Acesso em: 13 de novembro de 2013.

MORAES, Letícia Nunes de. Cotidiano e política. São Paulo, Tese (Doutorado em História Social), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2007.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional, Brasiliense, São Paulo: 5ª ed., 1994.

PENNA, Gabriela Ordones. Vamos Garotas! Alceu Penna, moda, corpo e emancipação feminina. (1938-1957). Dissertação (Mestrado em Moda, cultura e arte), São Paulo, Centro Universitário Senac , 2007.

RAGO, Margareth. Descobrindo historicamente o gênero. In: Cadernos Pagu, Campinas, v.11, 1998, p. 89-98.

SILVIA, Carmen. A protagonista. São Paulo, Claudia, Set., 1963. p. 108. APUD. MORAES, Letícia Nunes de. Cotidiano e política. Tese (Doutorado em História Social), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com