A busca do eu feminino no romance "A primeira pedra" de Heloneida Studart

Ioneide Piffano Brion

Resumo


O presente artigo, parte da pesquisa de doutorado que vem sendo realizada, almeja analisar a construção da figura feminina por Heloneida Studart buscando demonstrar o quanto a identidade social da mulher, assim como a do homem para a escritora, era construída através das atribuições de distintos papéis delimitados pela sociedade e pelos grupos a que pertenciam. Para isso, foi escolhido seu primeiro romance escrito na década de 1950: A Primeira Pedra.

Palavras-chave


gênero, literatura e história;

Texto completo:

PDF

Referências


ALBINO, Beatriz Staimbach. Mulher, como deves ser: prescrições para a mulher moderna no jornal dia e noite. In: SEMINÁRIO FAZENDO GÊNERO, 7, 2006. Santa Catarina. Anais Eletrônicos. BASSANEZI, Carla. Mulheres nos anos dourados. In: DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2002, p.607-639. BIBLIA SAGRADA. Rio de Janeiro: Reader’s Digest, 2001. BRIGLIA, Tcharly Magalhães; SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira de. Percursos da Nação e do Feminino nos Anos Dourados. Cadernos de Letras da UFF: Dossiê Letras, linguística e suas interfaces, n.40, p. 203-221, 2010. BRION, Ioneide Maria Piffano. As filhas de Maria: Uma história social da Pia União. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, 2009. CAPPELARI, Nunes. Falando de compras: Como o consumo transformou o ideal de feminino na década de 1950. Revista Moda Palavra E-periódicos. Ano 6, n.9, p.146-157, jan-jul 2012. CASTANHEIRA, Cláudia. Escritoras Brasileiras: Percursos e percalços de uma árdua trajetória. Disponível em:< http://www.unig.br/cadernosdafael/ARTIGO %20CADERNOS%208%20CLAUDIA%22CASTANHEIRA.pdf>. Acesso em 10 dez 2012. GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades. São Paulo: UNESP, 1993. LIPOVETSKY, Gilles. O Império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. NEVES, Ana Sofia Antunes das. As mulheres e os discursos genderizados sobre o amor: a caminho do amor confluente ou o retorno ao mito do amor romântico? Estudos Feministas, Florianópolis, 15 (3), p.609-627, 2007. OLTRAMARI, Leandro castro. Amor e conjugalidade na contemporaneidade:uma revisão de literatura. Psicologia em Estudo, Maringá, v.14, n.4, p.669-677, outo/dez. 2009. PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1983. PERROT, M. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005. Revista Ars Historica, ISSN 2178-244X, nº 7, Jan/Jul 2014, p. 1-20. | www.historia.ufrj.br/~ars/ 20 RAJAGOPALAN K. A construção de identidades e a política de representação. In: FERREIRA, L; ORRICO, E.G. D (orgs.) Linguagem, Identidade e Memória Social: novas fronteiras, novas articulações. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p.45-53. HUMPHREY, Robert. O Fluxo da Consciência. São Paulo: Editora McGraw-Hill do Brasil, 1976. STERNBERG, Robert. Love as a Story. Journal of Social and Personal Relationships, n.12, p.541-546, 1995. ROSENFELD, A. Reflexões sobre o romance moderno. In:______. Texto/contexto: ensaios. São Paulo: Perspectiva, 1969, p.75-97. SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Sempre Bela. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. STUDART, Heloneida. A Primeira Pedra. São Paulo: Saraiva, 1953.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com