A TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA E A MEMÓRIA DA DITADURA MILITAR

Gislene Edwiges de Lacerda

Resumo


Neste artigo, busco desenvolver uma analise da memória e perceber como na busca de definição dos sentidos do passado, a sociedade também pode apresentar conflitos. A memória sobre a ditadura militar foi constituída socialmente ao longo destes anos que se passaram desde seu fim e recebeu a influência de diversos elementos como o cinema, a literatura, a historiografia e os lugares de memória. Este artigo busca compreender estes elementos que incidem sobre a memória coletiva a respeito da ditadura brasileira e busca analisar o enfoque dado por estes fatores de forma a privilegiar uma abordagem da ditadura pelo viés da tortura, repressão, violência do Estado e luta armada, em detrimento das lutas “pelas liberdades democráticas” travadas a partir da segunda metade da década de 1970, buscando contribuir para a resposta à questão sobre qual o lugar da transição democrática na memória sobre a ditadura militar.

Palavras-chave


memória, transição democrática, justiça de transição

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, P. Um trabalhador da notícia. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1997.

ABREU, José Guilherme. Arte pública e lugares de memória. Revista da Faculdade de Letras – Ciências e Técnicas do Patrimônio. Porto, I Série, vol. IV, p. 215-234, 2005. Disponível em: .

ARAÚJO, Marcelo Mattos; et. al. O Memorial da Resistência de São Paulo e os desafios comunicacionais. Revista Anistia Política e Justiça de Transição / Ministério da Justiça. Brasília, n. 3, 2010.

ARAÚJO, Maria Paula N.. A utopia fragmentada: As novas esquerdas no Brasil e no mundo da década de 1970. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

BRITO, Alexandra Barahona (org). Verdad, Justicia, memoria y democratización en el cono sur. In.: Las políticas hacia el pasado: juicios, depuraciones, perdón u olvido en las nuevas democracias. Madrid: Ediciones Istmo, 2002.

BRITO, Alexandra Barahona. Justiça transicional e a política da memória: uma visão global. In.: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Revista Anistia Política e Justiça de Transição. No 1 (jan. / jun. 2009). Brasília: Ministério da Justiça, 2009. p. 56 – 83.

CASSIN, Barbara. Amnistie et pardon: pour une ligne de partage entre éthique ET politique. CASSIN, Barbara (et al). Vérité, Réconciliation et Répartion. Seuil, 2004.

_______________. Dire La vérité, faire la réconciliation, manquer la reparation. In.: CASSIN, Barbara (et al). Vérité, Réconciliation et Répartion. Seuil, 2004.

FEIJÓ, Sara Carolina Duarte. Memória da resistência à ditadura: uma analise do filme Batismo de Sangue. São Paulo: USP, 2011. Dissertação de mestrado.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela Memória – Arquitetura, Monumentos, Mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 2004.

JELIN, Elizabeth. Los Trabajos de la memoria. Colección Memorias de la represión. Buenos Aires: Siglo veinteuno de Argentina editores, 2002.

LACERDA, Gislene Edwiges de. Memórias de Esquerda: O Movimento Estudantil em Juiz de Fora de 1974 a 1985. Juiz de Fora: FUNALFA Edições, 2011.

MENEGOZZO, Carlos Henrique M. Entre mitos e circunstâncias: bibliografia sobre estudantes e política no Brasil (1821-2003). São Paulo, Ed. Mimeo, 2013.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Trad. Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

PELLICCIOTTA, Mirza Maria Baffi. Uma aventura política: as movimentações estudantis nos anos 70. Dissertação de mestrado. Instituto de Filosofia e ciências humanas da UNICAMP. Campinas, 1997.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Trad. Dora Rocha Flaksman. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História e o Esquecimento. Trad. Alain François [et.al.]. Campinas: Ed. UNICAMP, 2007.

ZYL, Paul Van. Promovendo a justiça transicional em sociedades pós-conflito. In.: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Revista Anistia Política e Justiça de Transição. No 1 (jan. / jun. 2009). Brasília: Ministério da Justiça, 2009. p. 32 – 55.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com