A MARCHA PARA OESTE E A FRONTEIRA SUL DE MATO GROSSO (1937-1945)

Carlos Alexandre Barros Trubiliano

Resumo


A fronteira brasileira nas primeiras décadas do século XX apresentou-se como um espaço incógnito. Parte integrante dessas apreensões, o sul de Mato Grosso, região limítrofe com as nações vizinhas — Paraguai e Bolívia — é o objeto de análise deste artigo. Deste modo, em 1937, O programa intitulado Marcha para Oeste, teve como proposta, por a nação em “movimento” à procura do alargamento do território nacional, bem como, a ocupação de seus “espaços vazios”. No âmbito discursivo, o programa sugeriu a criação de uma nova imagem para o Brasil, marcado por “novos valores”, e a intervenção nos domínios da cultura, da política, da educação e da economia, com vistas a construir a figura de um país unificado, mais homogêneo em sua língua, seus costumes e ideias. O objetivo do presente artigo é discutir os discursos e as estratégias de colonização do governo varguista no sul de Mato Grosso.

Palavras-chave


República; Estado Novo; Mato Grosso; Fronteiras;

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Livros:

ARRUDA, Gilmar. Frutos da Terra. Os Trabalhadores da Companhia Matte Larangeira. Londrina: UEL, 1997.

BENEVIDES Cezar e LEONZO Nanci.Miranda Estância: Ingleses, Peões e Caçadores no Pantanal Mato-grossense. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2008.

CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República Que Não Foi. 3.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GARDIN, Cleonice. Campo Grande Entre o Sagrado e o Profano. Campo Grande: Ed. UFMS, 1999.

GRESSLER, Lori Alice, SWENSSON, Lauro Joppert. Aspectos históricos do Povoamento e da Colonização do Estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Ed. UFMS, 1994.

HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções (1789-1848). 8o ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LENHARO, Alcir. Colonização e Trabalho no Brasil: Amazônia, Nordeste e Centro Oeste. Campinas: Editora da Unicamp, 1985.

_______________.Sacralização da Política. Campinas: Papirus/ Editora da Unicamp, 1986.

MACHADO, Paulo Coelho. A Rua Barão. Campo Grande: Editora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1991.

______________________. Arlindo de Andrade - Primeiro Juiz de Direito de Campo Grande. Campo Grande: Editora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1988.

MAGNOLI, Demétrio.O Corpo da Pátria: Imaginação Geográfica e Política Externa no Brasil (1808-1912). São Paulo: Ed.UNESP, 1997.

QUEIROZ, Paulo R. Cimó. As Curvas do Trem e os Meandros do Poder: O Nascimento da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (1904-1908). Campo Grande: Ed. UFMS, 1997.

RUBIM, Rezende. Reservas de Brasilidade. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1939.

SEREJO, Hélio. Ciclo da Erva-Mate em Mato Grosso do Sul (1883-1947).Campo Grande: Instituto EuvaldoLodi, 1986.

SILVA, José de Melo e. Fronteiras Guaranis. 2ª ed. Campo Grande: IHGMS. 2003.

SODRÉ, N. W. Oeste. Ensaio Sobre a Grande Propriedade Pastoril. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1941.

VARGAS, Getúlio. A Nova Política do Brasil. volume V, RJ:Livraria José Olympio Ed., 1938.

Capítulos:

BOCK, G. Pobreza feminina, maternalismo e direitos das mães (1890-1950). In: DUBY, G., PERROT, M. História das mulheres no Ocidente. O século XX. Porto: Ed. Afrontamento/São Paulo: EBRADIL, 1994, pp.435-477.

LEFAUCHEUR, Nadine. Maternidade, Família, Estado . In: FRANÇOISE, Thébaud (Org.). História das mulheres. O século XX. Vol. V. pp 479-503. Porto: Ed. Afrontamento/São Paulo: EBRADIL, 1995.

PERROT, M. Sair. In: DUBY, G. História das mulheres no Ocidente. O século XIX. Porto: Ed.Afrontamento/São Paulo: EBRADIL, 1994.

Artigos:

ARRUDA, Ângelo Marcos Vieira de.“A casa em Campo Grande: Mato Grosso do Sul (1950-2000)”. Revista Arquitextos. Campo Grande/ MS,maio de 2003, no 36.

______________. “A Ferrovia Noroeste do Brasil: o último trem para o sertão”. Caderno de Estudos Urbanos. Campo Grande: Conselho Regional de Construtores de Imóveis, 1995, n° 3.

OLIVEIRA, Benícia Couto de. “O Estado Novo e a nacionalização das fronteiras: a ocupação estratégica do Sul de Mato Grosso”. Revista Fronteiras. Campo Grande: Ed.UFMS, 2002, v.6, n.12.

POSSAS, Lídia Maria Vianna. “Ferrovia: Fontes de Memória. Arquivos Ferroviários: Uma Reflexão Crítica e Ação Preservativa”.Anais do VI Seminário Nacional de Preservação e Revitalização Ferroviária. 17 a 20 de julho de 2002. Rio de Janeiro.

Teses e dissertações:

BITTAR. Marisa. Mato Grosso do Sul: do Estado Sonhado ao Estado Construído (1892-1997). São Paulo: USP, tese (Doutorado em História Social), 1997.

GALETTI, Lylia da Silva Guedes. Nos Confins da Civilização: Sertão, Fronteira e Identidade nas Representações sobre o Mato Grosso.São Paulo: USP, tese (Tese de Doutorado), 2000.

GUILLEN, Isabel Cristina Martins. O Imaginário do Sertão. Lutas e Resistência ao Domínio da Companhia Mate Laranjeira. (Mato Grosso: 1890-1945). Dissertação (Mestrado em História) UNICAMP. Campinas: 1991.

OLIVEIRA NETO, Antonio Firmino de. Ruas e Calçadas de Campo Grande - MS. Uma Contribuição ao Estudo dos Espaços Públicos Urbanos. São Paulo: USP, dissertação (Mestrado em Geografia), 1997.

ZORZATO, Osvaldo.Conciliação e Identidade: Considerações Sobre a Historiografia de Mato Grosso (1904-1983). São Paulo: USP, tese (Doutorado em História Social), 1998.

Fontes primárias

"0S TRILHOS da Noroeste chegam a Campo Grande". Jornal O Estado de Mato Grosso, Campo Grande, 01/06/1914.

Álbum Gráfico de Mato Grosso (EEUU do Brasil). Corumbá/ Hamburgo: Ayala & Simon Editores, 1914.

LEITÃO, Benedito. Álbum de Campo Grande. Campo Grande: Tipografia O Progressista, 1939.

Campo Grande - 100 Anos de Construção. Campo Grande: Matriz, 1999.

Jornal Correio do Estado, Campo Grande, 23/08/1997.

IBGE –Evolução Demográfica dos Municípios de Mato Grosso do Sul Segundo os Censos Demográficos Realizados e a Contagem. RJ: IBGE, 1996.

Revista Folha da Serra, Campo Grande, 1933.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com