TEORIA POLÍTICA: A CONFIGURAÇÃO ESTATAL ÀS VÉSPERAS DA MODERNIDADE

Thais Silva Felix Dias

Resumo


O presente artigo tem por finalidade esboçar abordagens acerca do exercício e conservação do poder na era moderna por meio da leitura de determinados clássicos da Teoria Política dessa época. Da mesma forma, o artigo também se propõe a uma breve análise, tanto sobre o exercício do poder, quanto de sua conservação, no estudo da estrutura estatal portuguesa do início da modernidade.

Palavras-chave


Instituições; Relações de poder; Portugal Moderno;

Texto completo:

PDF

Referências


Livros

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985.

COUTO, Jorge. A construção do Brasil: ameríndios, portugueses e africanos, do início do povoamento a finais dos quinhentos. 3ª Edição – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 25º edição. São Paulo: Graal, 2007.

___________. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HESPANHA, Antônio Manuel. As Vésperas do Leviathan: Instituições e poder político, Portugal – século XVII. Coimbra: Ed. Almedina, 1994.

___________. História de Portugal Moderno político e institucional. Lisboa: Universidade Aberta, 1995.

HOBBES, Thomas. Leviatã: ou matéria, forma e poder de um Estado Eclesiástico e Civil. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

JOHNSON, Harold. SILVA, Maria Beatriz Nizza da (coords.). Nova História da Expansão Portuguesa. Vol. IV. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.

KANTOROWICZ, Ernest. Os dois corpos do rei:. Um estudo sobre teologia política medieval. São Paulo: Cia das Letras, 1986.

LOCKE, John. Segundo Tratado sobre Governo Civil – 4º edição – São Paulo: Ed. Vozes, 2006.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. 4ª edição. São Paulo: Editora Escala, 2010.

MARQUES, A.H. de Oliveira. História de Portugal, Vol. I – Das origens ao Renascimento. Lisboa: Editora Presença, 1997.

MONTESQUIEU, Charles de Secundat – Baron de – O Espírito das Leis. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808). São Paulo: Hucitec, 1979.

OLIVEIRA, Isabel de Assis Ribeiro de. Teoria Política Moderna: uma introdução. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.

RICUPERO, Rodrigo. A formação da elite colonial, Brasil c.1530 – c. 1630. São Paulo: Alameda, 2009.

SALDANHA, Antônio Vasconcelos de. As capitanias: o regime senhorial na expansão ultramarina portuguesa. Coleção Memórias. Funchal/Coimbra: Centro de Estudos de História do Atlântico, 1991.

___________. As capitanias do Brasil: Antecedentes, desenvolvimento e extinção de um fenômeno atlântico. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. 2001.

SARAIVA, José Hermano. História Concisa de Portugal. Rio de Janeiro: Publicações Europa-América. Coleção Saber, 1982.

SOUZA, Ivo Carneiro. História de Portugal Moderno: economia e sociedade. Lisboa: Universidade Aberta, 1996.

TAPAJÓS, Vicente. História Administrativa do Brasil- Vol I. Serviço de documentação. Departamento administrativo do serviço público. Rio de Janeiro: 1956.

TENGARRINHA, José (org.) História de Portugal. São Paulo: UNESP/ Porto: Instituto Camões, 2000.

VIANNA JÚNIOR, Wilmar da Silva. A conservação da conquista: O Governo-Geral e a defesa do Estado do Brasil (1548-1612). Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ, 2006. Cedida pelo autor.

WEHLING, Arno; WEHLING, Maria José. Formação do Brasil Colonial. 4 ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

Capítulos de Livros:

BOBBIO, Norberto. Estado. In: Enciclopédia Einaudi. Estado-Guerra. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1989. p.215-275.

DIDIEU, Jean Pierre. Procesos y redes. La historia de las instituciones administrativas de La época moderna, hoy. In: DIDIEU, Jean Pierre; CASTELLANO, Juan Luis; CORTEZO, María Victoria López-Cordón (Eds.). La Pluma, La Mitra y La Espada: Estudios de Historia Institucional en la Edad Moderna. Madrid/Barcelona: Universidad de Burdeos - Marcial Pons, 2000. pp.14-27.

HESPANHA, Antônio Manuel. Antigo Regime nos Trópicos? Um debate sobre o modelo político do império colonial português. In. FRAGOSO, João. Na Trama das Redes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. pp.45-93.

____________. Para uma teoria da História Institucional do Antigo Regime. In. HESPANHA, Antônio Manuel. (org.). Poder e Instituições na Europa do Antigo Regime: Coletânea de textos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 1984. pp. 7-90.

NOVAIS, Fernando A. O Brasil nos quadros do Antigo Sistema Colonial. In. MOTTA, Carlos Guilherme (org). Brasil em perspectiva. São Paulo: Difel, 1980. pp. 47-63.

PAPAGNO, Giuseppe. Instituições. In. Enciclopédia Einaudi: Direito-Classes. Lisboa: imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1999. pp.160-200.

XAVIER, Angela Barreto. HESPANHA, Antônio Manuel. A representação da sociedade e do poder. In: MATTOSO, José (Dir.) História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). Volume coordenado por Antônio Manuel Hespanha. Lisboa: Estampa, 1993. V.4, p.120-155.

WEHLING, Arno. WEHLING, Maria José. Processo e procedimentos de Institucionalização do Estado Português no Brasil de D. João III, 1548-1557. In: D. João III e o Império – Actas do Congresso Internacional comemorativo do seu nascimento. Lisboa e Tomar, 4 a 8 de junho de 2002. pp. 233-250.

Artigos em periódicos

COSTA, João Paulo Oliveira. D. Afonso V e o Atlântico: a base do projeto expansionista de D. João II. Mare Liberum: Revista de História dos Mares. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, nº 17, 1999. pp.39-71.

WINTER, Lairton Moacir. A concepção de Estado e de poder Político em Maquiavel. Revista Tempo da Ciência (13) 25. UNIOESTE – Paraná. 1º Semestre de 2006. pp- 117-128.

WOOD, Russel. Centros e periferias no mundo luso-brasileiro, 1500-1808. São Paulo: Revista Brasileira de História, v. 18 nº 36, 1998. s/pág.

Artigos disponibilizados na internet

CAIXETA, Marcela Pinheiro. Hobbes e Leviatã – Estado Absolutista. Disponível em . Acessado em 14 de junho de 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com