O NOVO LÍDER DA VELHA FAMÍLIA: DISPUTAS POLÍTICAS EM TORNO DO CARGO DE CAPITÃO-MOR NA ALDEIA DE SÃO LOURENÇO DURANTE A VIGÊNCIA DO DIRETÓRIO DOS ÍNDIOS (1806)

Luís Rafael Araújo Corrêa

Resumo


Na América Portuguesa, a aplicação da política indigenista pombalina foi condicionada pelas especificidades locais e pela interação constante com a política indígena, representada principalmente pelas lideranças indígenas. Neste sentido, os conflitos e as tensões referentes à aplicação das leis do Diretório na aldeia de São Lourenço, no Rio de Janeiro, são evidentes em um caso no qual um branco se tornou o capitão-mor da aldeia.Nesta oportunidade, a inusitada escolha do novo líder gerou revolta e insatisfação manifestada por determinados índios de São Lourenço. Assim, este episódio é crucial a fim de denotar a participação ativa dos índios na efetivação da política indigenista pombalina e o avanço colonial sobre as aldeias, estimuladas pelos pressupostos assimilacionistas do Diretório.

Palavras-chave


Política indigenista pombalina; Política indígena; Aldeias indígenas;

Texto completo:

PDF

Referências


Livros

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os Vassalos d’El Rey nos confins da Amazônia:a colonização da Amazônia Ocidental, 1750-1798. Dissertação de Mestrado: UFF,1990.

___________.Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O diretório dos índios: um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

AZEVEDO, João Lúcio de. O Marquês de Pombal e a sua época. Lisboa: Livraria Clássica, 1990.

___________. Os jesuítas no Grão-Pará: suas missões e a colonização. Belém: Secult, 1999.

BEOZZO, José Oscar. Leis e regimentos das missões: política indigenista no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 1983.

CARREIRA, Antonio. A companhia geral do Grão-Pará e Maranhão. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1988.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Editora Francisco Alves, 1990.

DOMINGUES, ngela. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

FALCON, Francisco José Calazans. A época pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo: Ática, 1982.

FERNANDES, Florestan. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. São Paulo: Pioneira, 1970.

LAVRADIO, Marquês do. Cartas do Rio de Janeiro (1769-1776). Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação e Cultura. Instituto Estadual do Livro, 1978.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de (org.). A Amazônia na era pombalina: correspondência inédita do governador e capitão general Francisco Xavier de Mendonça Furtado, 1751-1759. 3 vol. Rio de Janeiro: IHGB, 1962.

Capítulo de Livro

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. “Quando é preciso ser índio: identidade étnica como força política nas aldeias do Rio de Janeiro”. In: REIS, Daniel Aarão; MATTOS, Hebe; OLIVEIRA, João Pacheco de; SOUZA, Luís Edmundo de; RIDENTI, Marcelo. Tradições e Modernidades. Rio de Janeiro, FGV, 2010.

Artigos

FARAGE, Nádia. As muralhas do sertão: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra/ ANPOCS, 1991.

RAMINELLI, Ronald. Privilegios y malogros de la familia Camarão. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, Coloquios, 2008. Disponível em: Acessado em: 08/08/2014.

SILVA, Joaquim Norberto de Souza. Memória histórica e documentada das aldeias de índios da província do Rio de Janeiro. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, Rio de Janeiro, 3ª Série, tomo XV, abril-junho de 1854.

Teses

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Índios cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia portuguesa, 1653-1769. Tese de Doutorado: Unicamp, 2005.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar: um estudo sobre a experiência portuguesa na América. O caso do diretório dos índios (1751-1798). Tese de Doutorado: USP, 2006.

GARCIA, Elisa Frühauf. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América portuguesa. Tese de Doutorado: UFF, 2007.

SAMPAIO, Patrícia Maria de Melo. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia – Sertões do Grão-Pará, 1755-1823. Tese de Doutorado: UFF,2001.

Fontes Primárias

Arquivo Nacional do Rio de Janeiro.Vice-reinado, cx. 501, pacote 2. 20.02.1806.

Carta régia ao bispo do Rio de Janeiro. Arquivo Histórico Ultramarino (AHU). Rio de Janeiro, Cx.63, Doc.63.

“Diretório que se deve observar nas Povoações dos Índios do Pará e Maranhão, enquanto Sua Majestade não mandar o contrário”. In: ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos Índios: um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997. Apêndice.

Extrato das cartas escritas pelo bispo do Rio de Janeiro para o serviço real. AHU. RJ Avulsos, Cx.62, Docs.13.

Ofício do governador conde de Bobadela a Francisco Xavier de Mendonça Furtado. 1761. AHU. RJ Avulsos, Cx. 61, D. 5816.

Requerimento de João Batista da Costa à rainha. 1779. AHU. Rio de Janeiro, Cx. 110, D. 9139.

Requerimento de José Pires Tavares à rainha. 1785. AHU. Rio de Janeiro, Cx. 126, D. 10118.

Requerimento de Manoel Jesus e Sousa à rainha. 1795. AHU. Rio de Janeiro, Cx. 155, D. 11751.

Requerimento do capitão-mor Baltazar Antunes Pereira e mais índios americanos da povoação da vila Nova de São José d'El Rei. 1804. AHU, RJ Avulsos, Cx. 226, D. 15513.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com