ADIVINHAÇÃO E CURANDEIRISMO NA BAHIA COLONIAL - O CASO DO MESTIÇO PEDRO RODRIGUES

Felipe Augusto Barreto Rangel

Resumo


Os arquivos inquisitoriais portugueses encontram-se recheados de documentações acerca das práticas mágicas atlânticas. Neste sentido, iremos refletir sobre um conjunto de informações acerca das magias realizadas na América portuguesa, atentos às mestiçagens espirituais afro-atlânticas, através da denúncia feita contra o mestiço forro Pedro Rodrigues, morador no Recôncavo da Bahia, em fins do século XVIII. O réu era tido como adivinho e curandeiro, segundo os denunciantes que revelaram uma parcela de suas vivências e atividades. Metodologicamente, auscultaremos os indícios documentais, buscando possibilidades interpretativas acerca das magias naquela circunscrição, desvelando facetas do mosaico de crenças mágico-religiosas que circulavam pela Bahia colonial.

Palavras-chave


Práticas mágicas; Inquisição; Bahia colonial;

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com