VENCIDOS, DOMINADOS E COLONIZADOS: UM DIÁLOGO ENTRE FANON E FOUCAULT

André Jobim Martins

Resumo


Este artigo propõe um cotejo crítico entre Em defesa da sociedade, de Michel Foucault, e Os condenados da terra, de Frantz Fanon, privilegiando o uso que os respectivos autores fazem dos conceitos de violência e política, com dois objetivos principais: primeiro, o de identificar em que medida os argumentos de Fanon convergem com aquilo que Foucault compreende como “discurso histórico-político”, realçando assim o significado e o entrelaçamento desses dois conceitos; segundo, o de, a partir da confrontação da ausência do colonial em Foucault com sua presença em Fanon, melhor esclarecer a especificidade conceitual da violência colonial. Ao final, proponho como hipótese que, se a violência é uma categoria fundamental do político para o Foucault de 1977, Fanon entrevê a possibilidade de rompimento com tal lógica a partir de uma ruptura epistemológica com a tradição ocidental.

Palavras-chave


Frantz Fanon, Michel Foucault, violência, política

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah.Crises da República. São Paulo: Perspectiva, 2013.

______. Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BERNSTEIN, Richard. Violence: Thinking without Banisters. Cambridge: Polity Press, 2013.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Lisboa: Letra Livre, 2015.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GIBSON, Nigel C. Fanon. The Postcolonial Imagination. Cambridge: Polity, 2003.

HALL, Stuart. When was the postcolonial? Thinking at the limit. In: CHAMBERS, Iain; CURTI,

Lidia. The Post-Colonial Question. Common skies, divided horizons Londres: Routledge, 1996,

pp. 241-60.

HOBBES, Thomas (1651). Leviatã. Ou matéria, forma e poder de uma república eclesiástica e

civil. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso: Os motivos edênicos no descobrimento e

colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1996.

MATA, Inocência. A importância de se ler Fanon, hoje. In: FANON, Frantz. Os condenados da

terra. Lisboa: Letra Livre, 2016, p. 7-33

MALIK, Kenan. The Meaning of Race. Nova York: New York University Press, 1996.

MELLO, Luiza Larangeira da Silva. Depois da queda: a representação da cultura nacional norte-

americana na obra tardia de Henry James. Tese (Doutorado em História Social da Cultura).

Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura, PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2010.

SARTRE, Jean-Paul. Preface. In: FANON, Frantz. The wretched of the Earth. New York: Grove,

, pp. 7-31.

SCHMITT, Carl. O conceito do político/Teoria do Partisan. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil –

-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com