A escrita da história em Fernão Lopes: tempo e oralidade

Josena Nascimento Lima Ribeiro

Resumo


Quando a Dinastia de Avis ascendeu ao trono português, após 1385, novas formas de ação política foram elaboradas na intenção de confirmar a legitimidade régia. Desse modo, o rei D. Duarte encomendou ao guarda-mor da Torre do Tombo a feitura de crônicas que contassem a história e os feitos dos reis portugueses. Assim, o cronista Fernão Lopes construiu a narrativa da Crônica de D. João I, colocando em prática uma nova forma de escrita, diferente dos demais exemplos de cronistas presentes até então. Neste artigo, intencionamos apresentar como a narrativa lopesiana dispõe de temporalidades diferentes. Usando tais tempos combinados com traços de oralidade, Lopes construiu uma noção de verdade e de convencimento a quem lia/escutava sua obra. Logo, tempo e oralidade tornaram- se ferramentas de um discurso que objetivava a construção de uma memória e identidade.

Palavras-chave


Portugal; historiografia; tempo; oralidade;

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com