SENTADOS À MESA? A REPRESENTAÇÃO DE IDENTIDADES NA ALIMENTAÇÃO REGIONAL ANGOLANA (1965)

Karina Helena Ramos

Resumo


Reconhecido no campo literário angolano por colaborar com o resgate dos aspectos culturais do “povo” de Angola, em 1965, o escritor angolano Óscar Ribas lança Alimentação regional angolana, a única de suas obras inteiramente dedicada ao tema. Na medida em que nos interessa apreender a alimentação como chave de leitura da estrutura e da lógica da sociedade angolana na segunda metade do século xx, este artigo se propõe a observar o mecanismo de associação entre identidades sociais e preferências alimentares na obra ribasiana, buscando analisar o funcionamento de uma construção social do gosto, tal como apontar os limites dessas representações perante o dinamismo das articulações culturais.

Palavras-chave


Alimentação, Identidades, Angola.

Texto completo:

PDF

Referências


Documentos escritos

Estatuto Político, Civil e Criminal dos Indígenas, decreto nº. 12.533, de 23 de outubro de 1926.

Estatuto dos Indígenas portugueses das províncias da Guiné, Angola e Moçambique. Decreto-Lei nº. 39.666 de 20 de maio de 1954, Separata nº. 347 do “Boletim Geral do Ultramar”, Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1954.

Regulamento do recenseamento e cobrança do imposto indígena aprovado por Diploma Legislativo nº. 237, de 26 de maio de 1931, Luanda, 1931.

Literatura

RIBAS, Óscar. Alimentação regional angolana. 6ª ed. Lisboa: Ramos, Afonso & Moita, 1989.

______. Uanga (Feitiço). 4a ed. Lisboa: UEA, 1985.

Bibliografia

ALVES, Amanda Palomo. “Angolano segue em frente”: um panorama do cenário musical urbano de Angola entre as décadas de 1940 e 1970. Tese (Doutorado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2015. 216 f.

BITTENCOURT, Marcelo. “Jogando no campo do inimigo: futebol e luta política em Angola”. In: MELO, Victor Andrade de; BITTENCOURT, Marcelo; NASCIMENTO, Augusto (Orgs.). Mais do que um jogo: o esporte e o continente africano. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.

BOSSLET, Juliana. A cidade e a guerra. Relações de poder e subversão em São Paulo de Assunção de Luanda (1961-1975). Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2014. 263 f.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo/Porto Algre: Edusp/Zouk, 2007.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. São Paulo: Ateliê, 2005.

COOPER, F. Conflito e conexão: repensando a História Colonial da África. Revista Anos 90, Porto Alegre, v. 5, n.º 27, jul., 2008.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. V. I. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

DAMATTA, Roberto. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais ‒ Morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

GONÇALVES, Jonuel José. 1943 em Angola. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, Brasília, 1ª ed., n.º 1, 2013.

NASCIMENTO, Washington. Gentes do mato: os “Novos assimilados” em Luanda (1926-1961). Tese (Doutorado em História). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013. 234 f.

NEVES, Alexandre. Câmara Cascudo e Óscar Ribas: diálogos no Atlântico. Dissertação (Mestrado em Letras). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008. 145 f.

POLLAK, Michel. “Memória, esquecimento e silêncio”. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, pp. 3-15.

POULAIN, Jean-Pierre. “O espaço social alimentar: um instrumento para o estudos dos modelos alimentares”. In: Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, nº 3, jul-set., 2003, pp. 245-256.

SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SEIGEL, Micol. Uneven Encounters: making race and nation in Brazil and the Unites States. Duke University Press, 2009.

SEQUEIRA, Elsa Cochat. Kuria ia Kuku: comida da avozinha (com sabor de Angola). Lisboa: J.H. Neto, 1998.

SILVA, Elisete Marques da. Impactos da ocupação colonial nas sociedades rurais do sul de Angola. Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), v.8, 2003.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

THOMPSON, E. P. Folklore, antropology and social history. In: Indian Historical Review, v.3, n.º 2, jan., 1978.

VELHO, Gilberto. “Memória, identidade e projeto”. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, nº 95, out-dez, 1988, pp. 119-126.

WERNER, M.; ZIMMERMANN, M. Pensar a história cruzada: entre empiria e reflexividade. Revista Textos de História, v. 11, n.º 1/2, 2003.

XITU, Uanhenga. Os discursos do Mestre Tamoda. São Paulo: INL, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com