UM OUTRO OLHAR SOBRE A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP): CONSTRUINDO A SUPERAÇÃO, TRANSFORMANDO EM COOPERAÇÃO

Jessica Silva Tinoco Gimenez

Resumo


A institucionalização da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é analisada como um conjunto de relações históricas, econômicas, culturais, sociais e políticas entre os países membros, sendo uma forma de diálogo em um momento pós-colonial que caracteriza um modo de superação apesar do passado opressor. Os países membros, principalmente Portugal, Brasil e Angola, o triângulo estratégico, construíram identidades culturais por meio da relação entre colonizador e colonizado, culminando, após as independências, em uma relação pautada na língua comum. O momento pós-colonial, assim, é favorável às relações mais estreitas e cooperativas entre os países membros da CPLP, que se institucionaliza, na década de 90, como referência e porta-voz internacional da língua portuguesa, com a participação mais ativa dos países membros no novo cenário internacional em transformação.

Palavras-chave


CPLP, Cooperação, Pós-colonialismo

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO CASTRO, João Augusto. Desarmamento, descolonização e desenvolvimento. In: AMADO, Rodrigo (Org.). O pensamento de Araújo Castro. Brasília: UnB, 1982, pp. 25-42.

BANCO MUNDIAL; IPEA. Ponte sobre o Atlântico Brasil e África Subsaariana: parceria Sul-Sul para o crescimento. Brasília, 2011. 134p.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998. 395p.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Reflexões sobre a Política Externa Brasileira. Brasília: Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais da Fundação Alexandre de Gusmão, 1993. 351p.

CARVALHO, António Luvualu. Angola e Portugal intensificam cooperação econômica. Disponível em: . (Acesso em 17 de junho de 2012).

CPLP. Promoção e Difusão da Língua Portuguesa, 2006. Disponível em: (Acesso em 7 de maio de 2012).

CPLP. Histórico – Como surgiu?, 2012. Disponível em: (Acesso em 7 de maio de 2012).

CPLP. Declaração Constitutiva, 1996. Disponível em: (Acesso em 12 de novembro de 2012).

CPLP, Estatutos, 2007. Disponível em: . (Acesso em 12 de novembro de 2012).

DOMBE, Alfredo. Relações Angola-Brasil 1975-1990: a dimensão econômica no projeto de reconhecimento da independência de Angola. SL: LitoCor, 1999.78p.

FEIJÓ SOBRINHO, Pedro da Silva. Comunidade dos países de língua portuguesa: institucionalização e relações culturais, político-diplomáticas e econômicas. Rio de Janeiro: Revan, 1997. 206p.

FERREIRA-PEREIRA, Laura. As relações União Europeia-Brasil: o papel de Portugal num processo em crescendo cooperativo. Mundo Nuevo: Revista de Estudios Latinoamericanos. Caracas, v.1, n. 3, p. 9-30, 2010.

______. Curso School of European Union. Organizado pela FGV. Rio de Janeiro: 2012.

FERRO, Marc. História das colonizações: das conquistas às independências – séculos XVIII a XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 463p.

FONSENCA Jr., Gelson. Alguns aspectos da Política Externa Brasileira Contemporânea. In: Fonseca Jr., Gelson. A legitimidade e outras questões internacionais. São Paulo: Paz e Terra, 1998. p. 353-374.

FREIXO, Adriano de. Minha pátria é a língua portuguesa: a construção da ideia de lusofonia em Portugal. Rio de Janeiro: Apicuri. 2009. 204p.

HERNANDEZ, Leila Maria Gonçalves Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 2ª. ed. São Paulo: Selo Negro, 2008. 678p.

KRISHNA, Sankaran. The importance of being ironic: A postcolonial view on critical international relations theory. Alternative: global, local, politicals. Boulder, v.18, n. 3, p.385-417, summer, 1993.

______. Globalization and postcolonialism: hegemony and resistance in the Twenty-first Century. USA: Rowman Littlefield Publishers, 2009. 223p.

LAMPREIA, Luís Felipe. A Política Externa do governo FHC: continuidade e renovação. Revista Brasileira de Política Internacional. Instituto Brasileiro de Relações Internacionais. Rio de Janeiro, v.41, n. 2, p. 05 – 17, jul./dez. 1998.

NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das relações internacionais: correntes e debates. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. 250p.

PORTUGAL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Portugal: Dez anos de cooperação. Lisboa: MNE, 1995. 330p.

REBELO, Manuel dos Anjos da Silva. Relações entre Angola e Brasil: 1808-1830. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1968. 452p.

REIS, José Carlos. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. 9ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007. 278p.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Os processos da globalização. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). A globalização e as Ciências Sociais. 3a ed. São Paulo: Cortez, 2002. pp. 25-94.

SARAIVA, José Flávio Sombra. (Org.), Comunidade dos países de Língua Portuguesa (CPLP): solidariedade e ação política. Brasília: IBRI, 2001. 203p.

VIGEVANI, Tulio; CEPALUNI, Gabriel. A Política Externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação. Contexto Internacional: Revista do Departamento de Relações Internacionais da PUC-Rio, vol. 29, n. 2, p. 273 – 335, jul./dez. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com