PREGADORAS E GUERREIRAS INVISÍVEIS: MULHERES INDÍGENAS E A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

Taís Cristina Jacinto Pinheiro Capucho

Resumo


O presente trabalho busca investigar a presença e agência de mulheres indígenas no processo de conquista do território da América portuguesa. As ações de conversão para o cristianismo, assim como a formação dos aldeamentos jesuíticos, serviam ao projeto de colonização, sendo práticas estruturantes da recente lógica colonial. Assim, entendemos que a atividade catequética se realizou de forma fundamentalmente política. Dessa forma, a participação de mulheres indígenas enquanto pregadoras da fé cristã, intermediadoras culturais e combatentes nas guerras territoriais, demonstra sua atuação enquanto sujeitos políticos, contribuindo para a ordenação e manutenção daquela sociedade. Essa presença é atestada e investigada a partir da análise de três documentos históricos, a saber: “Pernambuco Ilustrado pelo Sexo Femenino (sic)” (1757); “Indios famozos em armas, q’ neste Estado do Brazil concorrerão, pa a sua conquista temporal, e spiritual” (1759) e “Brasileiras Célebres” (1862).

Palavras-chave


História Indígena; História de Gênero; Brasil Colonial.

Texto completo:

PDF

Referências


Documentação histórica

[Anônimo] “Indios famozos em armas, q’ neste Estado do Brazil concorrerão, pa a sua

conquista temporal, e spiritual” Ms. Instituto de Estudos Brasileiros (IEB)/USP.

Códice 5.6.,A 8.

COUTO, Domingos do Loreto. Desagravos do Brasil e Glórias de Pernambuco [1759].

Edição fac-similada, Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981, Livro

sétimo: Pernambuco ilustrado pelo sexo feminino. Notícia de muitas Heroínas

Pernambucanas que floresceram em Virtudes, Letras e Armas, p. 464-527.

GUERREIRO, Fernam. Relaçam annal das cousas que fezeram os padres da Companhia de

Jesus nas partes da India Oriental, & no Brasil, Angola, Cabo Verde, Guine, nos anos

de seiscentos & dous & seiscentos & três, & do processo da consersam, &

christandade daquellas partes, tirada das cartas dos mesmos padres que de là vieram.

Lisboa. 1605.

MACEDO, Joaquim Manoel de. Anno Biographico Brazileiro. Volumes 1, 2 e 3. Rio de

Janeiro: Typographia e lithographia do Imperial Instituto Artistico. 1876.

SOUSA E SILVA, Joaquim Norberto de. Brasileiras célebres. Brasília: Senado Federal, 2004

.

Artigos em periódicos

NOELLI, Francisco Silva. As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos

Tupi. São Paulo: Revista de Antropologia, v. 39, n. 2, 1996, p. 7-53.

Capítulos

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. História e antropologia. In: CARDOSO, Ciro

Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Novos Domínios da História. Rio de Janeiro:

Campus, 2011, p. 151-168.

BARTH, Frederik. Grupos Étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P. Teorias da

etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Philippe

Poutignat, Jocelyne Streiff-Fenard. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: UNESP,

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos - Os princípios da legislação

indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CARNEIRO DA CUNHA,

Manuela. (org.) História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

RESTALL, Matthew. Guerreiros invisíveis: o mito do conquistador branco & Macacos e

homens: o mito da superioridade. In: ______. Sete mitos da conquista espanhola.

Tradução de Cristiana de Assis Serra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, p.

SCOTT, Joan. História das mulheres. In: BURKE, Peter (org.) A escrita da história. Novas

perspectivas. São Paulo: Ed. Unesp, 2002, p. 65-98.

URBAN, Greg. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: CARNEIRO

DA CUNHA, Manuela. (org.) História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia

das Letras, 1992.

ZERON, Carlos Alberto de Moura Ribeiro. Introdução & Escrita e reescrita da memória

histórica jesuítica sobre a escravidão: de José de Anchieta a Simão de Vasconelos. In:

______. Linha de Fé: A Companhia de Jesus e a Escravidão no Processo de Formação

da Sociedade Colonial (Brasil, Séculos XVI e XVII). Trad. Antonio de Padua Danesi.

São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

Dissertações e teses

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz. Índios cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia

Portuguesa (1653-1769). Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de História

do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Campinas, 2005.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar - um estudo sobre a experiência na América,

a partir da colônia: o caso do Diretório dos Índios (1750-1798). Tese apresentada ao

Programa de Pós-Graduação em História Social, do Departamento de História da

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São

Paulo, 2005.

FUJIMOTO, Juliana. A guerra indígena como guerra colonial – as representações e o lugar

da belicosidade indígena e da antropofagia no Brasil colonial (séculos XVI e XVII).

Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social do

Departamento de História da Universidade de São Paulo para a obtenção do título de

Doutora em História. 2016, p. 229.

JULIO, Suelen Siqueira. Damiana da Cunha: uma índia entre a “sombra da cruz” e os caiapós

do sertão (Goiás, c.1780-1831). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de

Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2015.

MONTEIRO, John M. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do

indigenismo. Tese apresentada ao concurso de livre docência no departamento de

antropologia na Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2001.

Livros

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas - identidade e cultura nas

aldeias coloniais do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

BURKE, Peter. A escola dos Annales. São Paulo: Unesp, 1997, p. 79-107.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos. Colonização e relações de poder no

Norte do Brasil da segunda metade do século XVIII. 1. ed. Lisboa: Comissão Nacional

para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000. v. 1.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo

Sycorax. 2004, p. 418.

FERNANDES, João Azevedo. De cunhã a mameluca: a mulher tupinambá e o nascimento do

Brasil. João Pessoa: Editora Universitária, 2003.

POMPA, Cristina. Religião como tradução - missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial.

Bauru-SP: EDUSC, 2003.

Mapas

NIMUENDAJÚ, Curt. Mapa etno-histórico. Disponível em:

https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-

catalogo?view=detalhes&id=214278


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com