MÉRITOS DA CONQUISTA E PARTICIPAÇÃO FEMININA NO VICE-REINO DE NOVA ESPANHA (SÉC. XVI)

Augusto Godinho Vespucci

Resumo


A Coroa Espanhola, a partir de 1521, conquistou, junto às nações europeias, o direito de administração e exploração de grande parte dos territórios da América. Para tal intento, colonos foram para o então Vice-reino de Nova Espanha a fim de assegurar a conquista. O domínio fora garantido e muitos daqueles europeus que ali se estabeleceram passaram a conviver com grandes dificuldades de sobrevivência. Os colonos começaram a enviar cartas à Coroa Espanhola pedindo mercês (encomiendas, terras ou cargos públicos) para que pudessem viver nessas terras. Essas cartas são chamadas “memoriales de méritos” e foram enviadas, sobretudo, nos séculos XVI e XVII. Neste artigo, a categoria gênero servirá como aporte teórico para a construção da análise desses pedidos. Sabendo que dentre os colonos que enviaram os memoriales não havia apenas homens, priorizamos um recorte sobre a influência das mulheres na formulação e pretensão das cartas. No entanto, outras fontes foram utilizadas, em que as “transmissoras de honras” são mobilizadas para assegurar privilégios. Dessa forma, este trabalho recupera a participação feminina na conquista e no primeiro povoamento de colonos na região da Nova Espanha. Desse modo, analisaremos as ações das mulheres de maneira direta ou indireta, além de compreendermos como elas contribuíram para a formação de uma identidade de grupo.

Palavras-chave


Mulheres, América espanhola, Méritos

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes

Archivo General de Índias, PATRONATO, 56, N.3, R.4.

Archivo General de índias. AUDIÊNCIA DE MEXICO: MEXICO, 204, N, 34.

Archivo General de Índias, MEXICO, 1088, L.2, F. 132R-132V

Archivo General de índias, MEXICO, 205, N. 18

VIVEZ, Juan Luis. “Instrucción de la mujer Cristiana”. Buenos Aires, Espasa-Calpa Argentina,

, p. 66.

Livros

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. Conquista, mercês e poder local: a nobreza da terra na

América portuguesa e a cultura política no Antigo Regime. Rio de Janeiro, Almanack

Brasiliense, 2005.

BORGES, Analola. “La mujer pobladora en los orígenes americanos”. Anuário de Estudios

Americanos 29, 1972.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo: uma impressão Freudiana. Rio de Janeiro. Ed. Nova

Fronteira, 2001.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. Morfologia e História. Trad. Federico Carotti. São

Paulo. 4a Edição. Ed. Schwarcz. 2011.

MAURA, Juan Francisco. “Españolas em ultramar. En la história y en la literatura. Aventureras,

madres, soldados, virreinas, gobernadoras, adelantadas, prostitutas, empresárias, monjas,

escritoras, criadas y esclavas en la expasión ibérica ultramarina (siglos XVI-XVII)”.

Valência, Ed. Hernando Maura, 2005.

RIZO, Juan Pablo Mártir. Norte de príncipes y vida de Rómulo. Edición de J. A. Maravall.

Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1988, p. 55.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of

history. New York, Columbia University Press. 1989.

STOLCKE, Verena. O enigma das inteseções: classe, “raça”, sexo, sexualidade. A formação dos

impérios transatlânticos do século XVI ao XIX. In: Revista de estudos feministas, Oxford,

Blackwell, 2006.

SOLÓRZANO, Juan de Pereira. Política indiana. Ed. de M. A. Ochoa Brun. Madrid: Editorial

Atlas, 1972, lib. III, cap. III, n.o 46.

VILLAR, Ernesto de La Torre. “Lecturas históricas mexicanas” – tomo 1. México, Cidade de

México, Ed. UNAM, 1998.

ZAPATERO, Alberto Baena. “Mujeres novohispanas e identidad criolla (s.XVI y XVII)”.

Ayuntamiento de Alcalá de Henares Centro Asesor Mujer, Madrid, 2008.

Capítulos de livros

SCOTT, Joan. História das Mulheres. In: BURKE, Peter. (Org.) A Escrita da História: novas

perspectivas. 4a ed. São Paulo: Editora UNESP, 1992, p. 75.

HESPANHA, Antônio Manuel & Xavier, Ângela Barreto. As redes clientelares, In: MATTOSO,

José (Org). História de Portugal. Lisboa, Editorial Estampa, 1998, vol. 4.

Artigos em periódicos

JOSÉ, Maria Emilia Granduque. A percepção da figura de Malinche a partir do discurso

cronístico espanhol do século XVI. In: ANPUH XXV, Simpósio Nacional de História,

Fortaleza, 2009.

JURADO, M. Carolina. “. La pobranza de méritos y servicios y

la genealogia cacical. Audiencia de Charcas 1574- 1719”. In: Revista de Indias, 2014, Vol

LXXIV, num. 261. Buenos Aires.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com