VIVER NA INTIMIDADE DO LAR: INQUIETAÇÕES E INSUBORDINAÇÕES EM SENHORA (1875), DE JOSÉ DE ALENCAR

Mirian dos Santos Marques

Resumo


O século XIX foi um período de intensas mudanças na sociedade brasileira e, dentre elas, destaca-se a reurbanização do Rio de Janeiro, que foi marcada por um projeto de remodelação dos espaços urbanos e por mudanças nos comportamentos dos indivíduos. Nesse contexto, um novo estilo de vida surgiu na sociedade citadina carioca e influenciava as relações sociais e hábitos referentes às vidas das mulheres, que até então compartilhavam trajetórias caracterizadas pelo controle e tutela do pai e do marido. Homem desse tempo e observador atento, José de Alencar não deixou de expressar essas transformações em suas obras. Ainda que os romances alencarianos mobilizassem e estabelecessem os lugares sociais de homens e mulheres, nesses textos a presença insurgente de algumas palavras contesta o modelo de mulher dócil e honrada. Por meio da identificação dessas insurgências, buscaremos demonstrar como as personagens femininas alencarianas, apesar de escritas em romances prescritivos que buscavam aprisionar as mulheres na estrutura de dominação social já existente, foram manipuladas de modo a ressignificar suas vivências e manifestar suas insubordinações.

Palavras-chave


Rio de Janeiro; Mulheres Alencarianas; Insubordinações.

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes de informação histórica

ALENCAR, José de. Lucíola. São Paulo: Martin Claret, 2012.

ALENCAR, José de. Senhora. São Paulo: Ática, 1991.

BETTENCOURT, D. Ana Ribeiro de Góes. O Romance - Às Senhoras Portuguesas e

Brasileiras, 1885.

Livros

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Hucitec, 1993.

CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi.

São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1, Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: EDUSP, 2002, 93p.

_______, José Luiz. Figuras de retórica. São Paulo: Contexto, 2014.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal,

RIBEIRO, Luis Filipe. Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e

Machado de Assis. Niterói: EDUFF, 1996.

SOARES, Ana Carolina Eiras Coelho. Moça Educada, Mulher Civilizada, Esposa Feliz.

Relações de gênero e História em José de Alencar. Bauru, São Paulo: Edusc, 2012.

RIBEIRO, Luis Filipe. Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e

Machado de Assis. Niterói: EDUFF, 1996.

Capítulos

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A hora da estrela: História e Literatura, uma

questão de gênero? In:___________. História a arte de inventar o passado: ensaios de teoria

da história. Bauru/SP: Edusc, 2007.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: __________. A Escrita da História.

Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982, p. 45-77.

CORBIN, Alain. Bastidores. In: DUBY, Georges, ARIÈS, Phillippe (Org). História da Vida

Privada: Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. Vol 4. São Paulo: Companhia das Letras,

FOUCAULT, Michel; SENNETT, Richard. Sexualidade e solidão. Trad.: Lígia Melo, Maria

Lucca, Sergio de Laia. S.l.: s.d. Disponível em

modernismo/Sennett-Foucault-Sexualidade_e_Solidao.pdf>. Acesso em: 27. Jan. 2017.

Anais

OLIVEIRA, Lilian Sarat de. Educadoras e religiosas no Brasil do século XIX nos caminhos

da civilização. In: XII Simpósio Internacional Processo Civilizador. Civilização e

Contemporaneidade. Recife. Nov. 2009.

Teses e dissertações

MORAIS, Maria Arisnete Camâra de. Leituras femininas no século XIX (1850-1900).

(Dissertação de mestrado). Campinas: São Paulo, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com