O MUNDO DO TRABALHO EM PERSPECTIVA GERACIONAL: PADRÕES SOCIAIS DE CRIANÇAS E JOVENS POBRES NA PRIMEIRA REPÚBLICA

Felipe Farret Brunhauser

Resumo


Este artigo investiga a relação de crianças e jovens pobres com o mundo do trabalho e o cotidiano popular, no contexto urbano do sul do Brasil no período que compreende a Primeira República. Utilizando registros de baixa médica do Hospital de Caridade de Santa Maria – instituição voltada para o atendimento da população pobre da cidade –, buscamos verificar os padrões de estado civil, profissão, cor e diagnóstico das camadas empobrecidas urbanas, de acordo com as idades ou etapas da vida dos utentes. Assim, objetiva-se compreender em que medida considerar a idade como uma variável analítica na compreensão de suas relações e experiências pode trazer novas reflexões para o tema investigado. Utilizando mais de 800 registros, elaborados entre os anos de 1917 e 1921, de crianças e jovens pobres, demonstraremos que as transições da infância para a vida adulta, bem como a inserção e as diferentes formas de ingresso no mundo do trabalho, possuíam características e momentos específicos de acordo com a idade e gênero dos(as) populares.

Palavras-chave


infância; cotidiano popular; trabalho.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com