“SERVIÇOS” DE HOMENS E MULHERES: A QUESTÃO DO GÊNERO NAS OCUPAÇÕES DA FÁBRICA DE TECIDOS DO BIRIBIRI (1918 -1959)

Kátia Franciele Correa Borges

Resumo


A Fábrica de Tecidos do Biribiri, situada em Diamantina-MG, empregou 875 mulheres e 123 homens entre 1918 e 1959. Iniciou suas atividades produtivas no final do século XIX e finalizou-as no início da década de 1970. Durante quase cem anos de existência, a Fábrica empregou, em sua maior parte, pessoas pobres da região. O presente artigo tem como propósito apresentar um recorte da história das mulheres na Fábrica de Tecidos do Biribiri (1918-1959). Dessa forma, busca-se identificar quem eram os(as) operários(as), sobretudo as mulheres que fiavam e teciam. A partir de dados quantitativos e qualitativos, delineia-se o perfil social das mulheres e dos homens demonstrando as ocupações de acordo com o gênero.

Palavras-chave


fábrica; ocupações; gênero.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com