O AUTORITARISMO DO ESTADO NOVO E A POLÍTICA DE VARGAS CONTRA IMIGRANTES ALEMÃES E DESCENDENTES

Marcio Augusto Uliana Macella, Alfeo Seibert Filho

Resumo


Este artigo investiga o ambiente político da primeira metade do século XX. A análise parte da crise de 1929, com o florescer de governos autoritários em diversos locais do mundo, no contexto de uma onda nacionalista exacerbada. No Brasil, as atitudes políticas de Vargas estavam determinadas em perseguir as pessoas que diferiam dessa visão nacionalista. Com a ascensão do Estado Novo (1937) e os partidos políticos de oposição extintos, o aparelho repressor da política de Vargas se volta contra os imigrantes. Dessa forma, objetivamos neste artigo examinar o processo que se desenrola no Brasil com a Era Vargas (1930 e 1945) e a ideologia nacionalista do Estado Novo, que resulta na ação xenofóbica contra imigrantes. A abordagem neste artigo é especificamente a ação do Estado Novo contra os imigrantes alemães. Com objetividade de recorte para discussão com a historiografia sobre o tema no período abordado, analisamos o inquérito administrativo nº 368, da Justiça do Trabalho, do Conselho Regional do Trabalho da 2ª Região, referente à solicitação da DOPS de Curitiba para a demissão de 6 funcionários de origem alemã — da Companhia Telefônica Paranaense — o qual enquadrou os mesmos como nazistas sem de fato serem

Palavras-chave


imigrantes alemães; DOPS/PR; repressão

Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

ALVES, Eliane Bisan. A Comunidade Alemã Sob Suspeita. In: CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. (org). Inventário Deops: Alemanha, módulo I. São Paulo: Arquivo do Estado, 1997.

ATHAIDES, Rafael. O partido Nazista no Paraná 1933-1942. Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2011.

CANCELLI, Elizabeth et al. O mundo da violência: repressão e Estado policial na era Vargas (1930-1945). 1991.

CAPANEMA, Gustavo. Ministério da Educação e Saúde - Educação e cultura. GC g 1934.11.30,30/, rolo 27 fot. 1 a 205, 11/1934 a 17/10/1945. FGV-CPDOC. Pesquisado em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/arquivo-pessoal/GC/textual/documentos-sobre-nacionalizacao-do-ensino-primario-e-secundario-consta-plano-geral-de-nacionalizacao-legislacao-trabalhos-do-instituto-nacional-de Acesso em 19 jan. 2021.

CARONE, Edgard. A república nova (1930-1937). Difel, 1976.

CODATO, Adriano. Os mecanismos institucionais da ditadura de 1937: uma análise das contradições do regime de Interventorias Federais nos estados. História (São Paulo), v. 32, n. 2, p. 189-208, 2013.

Comissão Nacional da Verdade. (2014b). Relatório da Comissão Nacional da Verdade (Vol. 1). Brasília, DF. Recuperado de http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/

Decreto-Lei n.º 406, de 4 de Maio de 1938. Disponível em : https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-406-4-maio-1938-348724-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto n.º 3.010, de 20 de Agosto de 1938. Disponível em : https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-3010-20-agosto-1938-348850-publicacaooriginal-1-pe.html

FAUSTO, Boris; FAUSTO, Sergio. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2015.

HILTON, Stanley. A guerra secreta de Hitler no Brasil: a espionagem alemã e a contra-espionagem aliada no Brasil, 1939-1945. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira. O Brasil Republicano (1930-1964), v. 10 e 11, 1985.

KOIFMAN, Fábio. Imigrante ideal: o ministério da justiça e o aperfeiçoamento da raça (1941-1945). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MAACK, Reinhard. Os alemães no Sul do Brasil: “ponto de vista alemão”. Arquivo Gustavo Capanema, GC 34.11.30, 11/07/1939. FGV-CPDOC. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/arquivo-pessoal/GC/textual Acesso em 15 mar. 2021. Versão original: The Germans of South Brazil: a German view. The Quartely Journal of Inter- American Relations, Cambridge, v. 1, n. 3, p. 5-23, 1939.

MAGALHÃES, Marion Brepohl de. A criminalização da raça: a xenofobia institucionalizada. In: III Encontro Ibérico Americano. Porto Alegre, CD Rom, 2004. MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.

MCCANN, Frank D. Brazil and the United States During World War II and Its Aftermath: Negotiating Alliance and Balancing Giants. Springer, 2018.

PERAZO, Priscila Ferreira. O perigo alemão e a repressão policial no Estado Novo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1999.

PEREIRA, LUCIANA AGOSTINHO. A DOPS paranaense frente à Ação Integralista Brasileira durante o Estado Novo (1937-1945): do “atentado contra o regime” à “associação nazi-integralista”' 20/03/2015 233 f. Mestrado em HISTÓRIA Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, Maringá Biblioteca Depositária: UEM.

PEREIRA, Márcio José. Politizando o cotidiano: repressão aos alemães em Curitiba durante a Segunda Guerra Mundial. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Maringá. 2010.

PEREIRA, Márcio José. Sentimentos, ressentimentos e violência: a ação da polícia política no Paraná em relação aos indivíduos de origem germânica(1942-1945). 2017.

PRIORI, Angelo; IPÓLITO, Verônica Karina. DOPS, a cidade de Rolândia (PR) e a repressão aos imigrantes de origem alemã (1942-1945). Varia História, v. 31, n. 56, p. 547-580, 2015.

SEIBERT FILHO, Alfeo. A EXPEDIÇÃO DE REINHARD MAACK EM 1933-1934 NO INTERIOR DO PARANÁ: contexto sociopolítico e econômico. Maringá: Dissertação de Mestrado – UEM, 2020. Disponível em: http://www.pph.uem.br/dissertacoes-e-teses/dissertacoes/alfeo-seibert-filho.pdf/view

Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, Centro de Memória. Inquérito Administrativo, CRT 1640/42, Requerente: Companhia Telefônica Paranaense, Requeridos: Willy Waechtler e outros. 1942.

Disponível para consulta no Programa Centro de Documentação Histórica (PROCDH) da Universidade Estadual de Maringá (UEM).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com