“A LOS HOMBRES TAMBIÉN A VECES LO MATAN LOS HOMBRES”: AS MEMÓRIAS DE VIOLÊNCIA SOBRE A DITADURA MILITAR CHILENA NO INFORME RETTIG (1991)

Lays Corrêa da Silva

Resumo


O presente artigo busca analisar os relatos sobre a violência no período da Ditadura Militar chilena a partir do Informe da Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación. A Comissão foi a primeira iniciativa do estado chileno no período pós-ditadura a reunir testemunhos sobre o período ditatorial e publicá-los como uma forma de revelar a verdade e garantir o direito à memória sobre o período. Por ter sido construída num momento em que a conjuntura política ainda era instável, o trabalho da Comissão foi limitado, mas serviu para a construção de uma narrativa sobre o período que rompesse com o discurso sobre os “excessos” propagados pelos militares.

Palavras-chave


Disputas de Memória; Chile, Informe Rettig;

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Maria Paula. Uma História Oral da Anistia no Brasil: memória, testemunho e superação. In: MONTENEGRO, RODEGHERO e ARAUJO (Orgs.). Marcas da Memória; História oral da Anistia no Brasil. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012, p. 53-96.

BRINKMANN, Beatriz. La Comisión de la Verdade y el desarollo de la problemática de Derechos Humanos en Chile.In: CHERNICHARO, Luciana, GARRIDO, Ayra, et al. (Orgs.). Pelos caminhos da verdade: uma análise sobre as experiências de comissões da verdade na América Latina. Rio de Janeiro: ISER, 2016, p. 111-132.

CATELA, Ludmila. Situação limite e memória: reconstrução do mundo dos familiares de desaparecidos da Argentina. São Paulo: Hucitec, 2001.

CORREA, Lays. O historiador Gonzalo Vial e a construção do Marco Político do Informe Rettig (1991). Revista Eletrônica Da ANPHLAC, 20(29), p. 157-184.

GARRETÓN, Manuel A. Hacia uma nueva era política: estúdios sobre las democratizaciones. Fondo de Cultura Económica Chile S.A., 1995.

GRANDIN, Greg. A instrução da grande catástrofe: Comissões da Verdade, história nacional e formação do Estado na Argentina, Chile e Guatemala. Ponto-e-vírgula 15, 2014, pp. 19-50.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva, São Paulo, Vértice, 1990.

HAYNER, Priscila. Unspeakable Truths: Transitional Justice and the Challenge of Truth Commissions, Nova Iorque: Routledge, 2011 apud MORAIS, Joana e RAIMUNDO, Filipa. Em nome da “verdade histórica: a Comissão do livro negro sobre o regime fascista, uma Comissão de Verdade na democratização portuguesa (1977-1991), p.102. In: ARAUJO, Maria Paula e PINTO, Antonio (Orgs.) Democratização, Memória e Justiça de Transição nos países lusófonos, Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

LAFER, Celso. Justiça, História, Memória: reflexões sobre a Comissão da Verdade. In: ARAUJO, Maria Paula; FICO, Carlos; GRIN, Monica (Orgs.). Violência na História: Memória, trauma e reparação. Editora Ponteio, 2012.

MARCHESI, Aldo. El pasado como parábola política: Democracia y derechos en los informes Nunca Más del Cono Sur. Stockholm Review of Latin American Studies, n. 7, dezembro de 2011.

MATOS, Cecília; REIS, Desirree; PIMENTEL, Izabel. Marcas da Ausência: o drama dos familiares de mortos e desaparecidos políticos no Brasil. In: MONTENEGRO, RODEGHERO e ARAUJO (Orgs.). Marcas da Memória; História oral da Anistia no Brasil. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012, p. 137-157.

PADILLA, Fernando. Una Memoria Consensuada: El Informe Rettig. Tomo II Actas 5º Congreso Chileno de Antropología, p. 1054-1062.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silencio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

STERN, Steve. Luchando por mentes y corazones. Las batallas de la memoria en el Chile de Pinochet. Santiago: Ediciones Universidad Diego Portales, 2013.

CHILE. Informe de la Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación, reedição de dezembro de 1996.

WINN, Peter; STERN, Steve. El tortuoso camino chileno a lamemorialización. In: WINN, Peter; STERN, Steve; LORENZ, Federico; MARCHESI, Aldo (Orgs.) No hay manana sin ayer: batallas por la memoria histórica em el Conor Sur. Santiago: LOM Ediciones, 2014, p. 218.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com