VIGIAR, PUNIR E REGENERAR: PARALELOS ENTRE A HISTÓRIA DO CARANDIRU E MICHEL FOUCAULT

Ninca Ingrid Caputo Pachoal

Resumo


O Carandiru – oficialmente, Casa de Detenção do Estado de São Paulo – foi criado para ser modelo de eficiência. Sua concepção, sua construção e seus documentos internos, ao início de seu funcionamento, visavam a caminhada de São Paulo, e da própria República brasileira, para a modernização e o progresso, em confluência com a mentalidade europeia da época. Com teorias importadas da Europa, houve uma forte valorização da disciplina, do trabalho e da salubridade, itens entendidos como fundamentos básicos e necessários para a manutenção da ordem e do controle. Esta visão de mundo foi extensamente analisada por Michel Foucault, especialmente em sua obra “Vigiar e Punir: história da violência nas prisões” (1975), onde são trazidos à tona conceitos e críticas sobre o desenvolvimento dos processos punitivos, suas motivações, seus dispositivos e suas finalidades. Este artigo visa aproximar o caso da história deste presídio brasileiro com a análise crítica proposta por Foucault, de modo a demonstrar que o Carandiru pode ser um exemplo concreto das características que o Foucault critica em sua análise das prisões modernas e seu contíguo sistema de vigilância e disciplina.

Palavras-chave


Carandiru; Michel Foucault; presídio;

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes

BRASIL. Código penal de 1890.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 24 de fevereiro de 1891.

BRASIL. Decreto nº 233, de 02 de março de 1894.

BRASIL. Decreto nº 3706, de 29 de abril de 1924.

Bibliografia

ANTUNES, José Leopoldo F. Medicina, leis e moral: pensamento médico e comportamento no Brasil (1870-1930). São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

BENTHAM, Jeremy. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34, 2000.

CANCELLI, Elizabeth. Carandiru: a prisão, o psiquiatra e o preso. Brasília: Unb, 2005.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso dado no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo, Perspectiva, 2010.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

FUÃO, Fernando Freitas. Sobre domesticação: a cidade pestilenta e o panóptico. in Revista Estética e Semiótica, Brasília, vol 9, nº 2, 2019, p. 26-57. Disponível em: .

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil e outros escritos. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

ONODERA, Iwi Mina. Estado e violência: um estudo sobre o massacre do Carandiru. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo: 1822 – 1940. São Paulo, Annablume; Fapesp, 2006.

SILVA, Josué Pereira da. Poder e direito em Foucault: relendo Vigiar e Punir 40 anos depois. in Lua Nova, nº.97, São Paulo, jan./abr, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452016000100139&lng=pt&tlng=pt>

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Por uma nação eugênica: higiene, raça e identidade nacional no movimento eugênico brasileiro dos anos 1910 e 1920. in Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 146-166, 2008. Disponível em: .

TEIXEIRA, Alessandra; Fernando Salla e Maria Gabriela Marinho. Vadiagem e prisões correcionais em São Paulo: mecanismos de controle no firmamento da República. in Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 29, no 58, maio-agosto 2016, p. 381-400. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/eh/v29n58/0103-2186-eh-29-58-0381.pdf>

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com