INTEGRAÇÕES SOCIAIS: O APADRINHAMENTO DE ESCRAVOS ADULTOS EM NOSSA SENHORA DA PIEDADE DE IGUAÇU (1750-1815)

Juliana Batista

Resumo


O presente artigo procura identificar os laços formados entre escravos adultos por intermédio da administração do primeiro sacramento em Nossa Senhora da Piedade de Iguaçu na metade do século XVIII e início do XIX. Além disso, investiga, as possíveis motivações que levaram escravos, forros e livres a estabelecerem parentescos espirituais principalmente com diferentes grupos étnicos africanos recém-chegados na região. A freguesia estava situada no Recôncavo da Guanabara, subordinada à capitania do Rio de Janeiro. Para pesquisa, foram utilizadas as fontes paroquiais de batismo, o mapa populacional do Distrito de Guaratiba e o Relatório do Marquês de Lavradio. Com base na Microhistória buscamos identificar os moradores e reconstruir as relações sociais e econômicas na comunidade local. Além disso, as seguintes legislações foram analisadas: as Ordenações Filipinas e as Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia que tratavam acerca do sacramento de batismo dos escravos.

Palavras-chave


Rio de Janeiro; batismo; escravidão

Texto completo:

PDF

Referências


CONCÍLIO ECUMÊNICO DE TRENTO – 1543-1563, Sessão VII: Sobre os sacramentos. Disponível em: http://www.montfort.org.br/bra/documentos/concilios/trento/#sessao7 Acesso em: 5 jul. 2021.

ORDENAÇÕES FILIPINAS, Livro V. Disponível em: http://www1.ci.uc.pt/ihti/proj/filipinas/ordenacoes.htm. Acesso em: 5 jul. 2021.

RELAÇÃO do Marquês de Lavradio, parte II. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, t. LXXVI, pt. I, p. 289-360, 1913.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Lisboa: [s. n.], 1707.

Teses, livros e artigos

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. Criando porcos e arando a terra: família e compadrio entre os escravos de uma economia de abastecimento (São Luís do Paraitinga, 1773-1840). 2007, Anais.. Florianópolis: UFSC, 2007.

BEZERRA, Nielson Rosa. Escravidão, farinha e tráfico atlântico: um novo olhar sobre as relações entre o Rio de Janeiro e Benguela (1790-1830). Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2010.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Compadrio e Escravidão: uma análise do apadrinhamento de cativos em São João del Rei, 1730-1850. Anais, Caxambú, p. 1-21, 2016.

CÂNDIDO, Mariana Pinho. Fronteiras da escravidão: escravatura, comércio e identidade em Benguela, 1780-1850. Universidade de Katyavala Bwila/Ondjiri Editores, 2018.

FARINATTI, Luís Augusto Ebling. Os compadres de Estêvão e Benedita: hierarquia social, compadrio e escravidão na fronteira meridional do Brasil (1821-1845). Anais [...], São Paulo, 2011.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: UNESP, 2014.

FRAGOSO, João. A noção da economia colonial tardia no Rio de Janeiro e as conexões econômicas do Império português: 1790-1820. In: FRAGOSO, João e GOUVÊA, Maria de Fátima (org.). O Antigo Regime nos Trópicos: A dinâmica Imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 320-338.

FRANCO, Renato; CAMPOS, Adalgisa Arantes. Notas sobre os significados religiosos do Batismo. Varia História, Belo Horizonte, v. 20, n. 31, p. 21-40, jan. 2004.

GOMES, Flávio. A demografia atlântica dos africanos no Rio de Janeiro, séculos XVII, XVIII e XIX: algumas configurações a partir dos registros eclesiásticos. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 19, p. 81-106, dez. 2012.

FERREIRA, Roquinaldo; GUEDES, Roberto. Apagando a nota que diz escrava: Efigênia da Silva, o batismo, o compadrio, os nomes, as cabeças, as crias, o tráfico, a escravidão e a liberdade (Luanda, c. 1770-c. 1811). Almanack, Guarulhos, n.26, p. 1-57, 2020.

KÜHN, Fábio. O contrabando de escravos na Colônia do Sacramento (1722-1777). Tempo, Niterói, v.23, n.3, p. 443-461, set./dez. 2017.

MAIA, Moacir Rodrigo de Castro. O apadrinhamento de africanos em Minas colonial: o (re)encontro na América (Mariana, 1715-1570). Afro-Ásia, Salvador, n.36, p. 39-80, 2007.

OLIVEIRA, Nelson Henrique Moreira. Forro senhores da Freguesia de Nossa Senhora da Piedade do Iguaçu - fins do século XVIII. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2010.

TORRES-LONDONO, Fernando. As constituições do arcebispado da Bahia de 1707 ea presença da escravidão. VI Jornada Setecentista. Conferências & Comunicações. Curitiba: Cedope, 2006.

REIS, José João. De escravo a rico liberto: a trajetória do africano Manoel Joaquim Ricardo na Bahia oitocentista. Revista História, São Paulo, n. 174, p. 15-68, jan. /jun. 2016.

ROCHA, Solange Pereira da. Gente negra na Paraíba oitocentista: população, família e parentesco espiritual. Dissertação, Unesp, 2009. p.272.

REIS, José João. De escravo a rico liberto: a trajetória do africano Manoel Joaquim Ricardo na Bahia oitocentista. Revista História, n. 174, 2016.

SAMPAIO, Antônio Jucá de. Os homens de negócios do Rio de Janeiro e sua atuação nos quadros do Império português. In: FRAGOSO, João e GOUVÊA, Maria de Fátima (org.). O Antigo Regime nos Trópicos: A dinâmica Imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 74-105.

_________________. Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c. 1650-c. 1750). Arquivo Nacional, 2003.

SOARES, Carlos Eugenio Líbano. " Instruído na fé, batizado em pé": batismo de africanos na Sé da Bahia na 1a metade do século XVIII, 1734-1742. Afro-Ásia, Salvador, n. 39, p. 79-113, 2009.

SOARES, Mariza de Carvalho. Descobrindo a Guiné no Brasil Colonial. RIHGB, Rio de Janeiro, n. 407, p.71-94, abr./jun. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ars Historica - Instituto de História – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Largo de São Francisco de Paula, no 1, Sala 205 – Centro, Rio de Janeiro – Brasil, CEP 30051-070.

Redes sociais:

  • https://www.facebook.com/RevistaArsHistorica
  • https://www.instagram.com/revistaarshistorica/

Contato:

  • revistaarshistorica@gmail.com