O Bárbaro como instrumento de louvor a Atenas em Os Persas de Ésquilo

Vanessa Silva Almeida

Resumo


Representada em 472 a. C., a tragédia Os Persas, de Ésquilo é considerada a mais antiga peça de teatro grego completa que chegou aos nossos dias. Uma de suas particularidades é buscar na história e não nas narrações mitológicas o seu mote principal: a batalha de Salamina ocorrida em 480 a. C., além de ter como protagonista um personagem estrangeiro (Xerxes, rei da Pérsia). Isso não acontece por acaso. Ésquilo parece ter uma clara intenção de sobrelevar Atenas ao colocar na boca do estrangeiro a superioridade da cidade (Pe. 231-248). Nesse sentido, este trabalho pretende analisar a construção discursiva de louvor a Atenas através do estrangeiro que se auto intitula bárbaro na peça. Partimos do pressuposto de que isso ocorre não somente devido à euforia da vitória ateniense na batalha de Salamina, mas também para tentar explicar essa inesperada vitória através de um imaginário mítico muito peculiar e presente entre os gregos, no qual os ba/rbaroi – aqueles que não falam a língua grega – são vistos negativamente. Levamos em consideração os conceitos de identidade e alteridade, e noções históricas e políticas importantes para situar o papel ocupado pela cidade de Atenas dentro e fora da peça.


Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVAREZ, Rosa Araceli Santiago. Griegos y Bárbaros: Arqueología de una alteridad. Faventia. Barelona, v. 20, nº 2, p. 33-45, 1998. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Faventia/article/view/21641. Acesso em 18/11/2018 às 23h:54min.

ARAÚJO, Orlando Luiz de. Topologias do outro: o estrangeiro na pólis grega pela representação trágica. In: POMPEU, Ana Maria César; BROSE, Robert de; ARAÚJO, Orlando Luiz de; OLIVEIRA, Roberto Arruda. Identidade e alteridade no mundo antigo. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013.

ÉSQUILO. Os Persas. In: _______. Tragédias. Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2009.

FIALHO, Maria do Céu. Os Persas de Ésquilo na Atenas do seu tempo. Máthesis. Viseu, nº. 13, p. 209-225, 2004. Disponível em: http://www4.crb.ucp.pt/biblioteca/mathesis/mat13/mathesis13_209.pdf. Acesso em 17/11/2018 às 15h:41min.

JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução de Arthur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KITTO, Humphey Davy. Findley. A tragédia grega: estudo literário. Tradução de José Manuel Coutinho e Castro. Coimbra: Armênio Amado, 1990. vol. 1.

MACHADO, Ronaldo Silva. Entre Clio e Melpomene: a batalha de Salamina em Heródoto e Ésquilo. Mneme. Caicó, v. 3, nº. 5, p. 51-71, abr-mai, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/151. Acesso em 14/11/2018 às 23h:40min.

MANFREDI, Valério Massimo. Akrópolis: a grande epopéia de Atenas. Tradução de Mário Fondelli. Porto Alegre: L± Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

VERNANT, Jean Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia Antiga. Tradução de Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2008.

VOEGELIN, Eric. Ordem e história: O Mundo da Pólis. Tradução de Luciana Pudenzi. São Paulo: Loyola, 2009. v. 2.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v1i37.21709

Apontamentos

  • Não há apontamentos.