DA LÍNGUA DOS CLÁSSICOS AOS CLÁSSICOS NA LÍNGUA: UMA LEITURA DO POEMA ‘VÊNUS’ DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Mafalda Frade

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a forma como a linguagem e o mito clássico são utilizados no poema ‘Vênus’ de Carlos Drummond de Andrade para explorar diversas facetas do amor. De facto, na obra de Drummond de Andrade, dois dos eixos semânticos utilizados são o do amor e o da cultura clássica, que são apresentados de diversas formas. Nesta composição poética, os dois unem-se e, através do uso das línguas clássicas na criação de neologismos, elabora-se um jogo de palavras que permite ao sujeito poético revelar o que pensa e sente a propósito das diversas faces do amor.


Palavras-chave


Carlos Drummond de Andrade, Vénus, poesia lírica, amor

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE , Carlos Drummond de. Nova reunião: 19 livros de poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985.

ANDRADE, Carlos Drummond de. José. São Paulo: Companhia das letras, 2012b.

ANDRADE, Carlos Drummond de. A rosa do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012a.

ANDRADE, Carlos Drummond de. O amor natural. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ANDRADE, Carlos Drummond, A paixão medida. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

APEL, Willi. Harmony of the Spheres, In: RANDEL, Don Michael, The Harvard Dictionary of Music. Cambridge: Harvard University Press, 2003, p. 382.

BARBAS, Helena. A procura da poesia: Carlos Drummond de Andrade. Olhares luso-brasileiros sobre literatura. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 2002.

BARBOSA, Rita de Cássia. Poemas eróticos de Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Ática, 1987.

BLACKBURN, Bonnie J. The lascivious career of B-Flat. In: BLACKBURN, Bonnie J. and STRAS, Laurie. Eroticism in Early Modern Music. London/New York: Routledge, 2016, pp. 19-42.

BUENO, Danilo Rodrigues. A função poético-crítica em Jorge de Sena: problemáticas do poeta moderno. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

CARLOS, Luís Adriano. Fenomenologia do Discurso Poético. Porto: Campo das Letras, 1999.

CASTANHEIRA, Carolina Parizzi. De Institutione Musica de Boécio – Livro 1: Tradução e Comentários. Diss. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

CURTIS, Gregory. Disarmed: The Story of the Venus de Milo. New York: Alfred A. Knopf, 2003.

GRIMAL, Pierre. Dicionário da mitologia grega e romana. Lisboa : Difel, 1992.

GRUMMOND, Nancy Thomson (Ed.). Encyclopedia of the History of Classical Archaeology. London/New York: Routledge, 1996.

HASKELL, Francis; PENNY, Nicholas. Taste and the Antique: The Lure of Classical Sculpture, 1500-1900. [S.l.]: Yale University Press, 1981.

KLEINER, Fred S. Gallia Graeca, Gallia Romana and the Introduction of Classical Sculpture in Gaul. American Journal of Archaeology, v. 77.4, pp. 379–390, 1973.

KROPP, Andreas J. M. Jupiter, Venus and Mercury of Heliopolis (Baalbek). Syria, v. 87, pp. 229-264, 2010.

LIMA, Francesco Jordani Rodrigues. Amor – a palavra essencial da poesia erótica de Drummond. Diadorim, v. 1, pp. 96-106, 2006.

NESSELRATH, Arnold. The Venus Belvedere: An Episode in Restoration. Journal of the Warburg and Courtauld Institutes, v. 50, pp. 205-214, 1987.

OLIVEIRA, Andreia. “O Amor é a Memória/ Que o tempo não mata”: algumas definições de Amor em Carlos Drummond de Andrade. Olho d´água, São José do Rio Preto, v. 6.1, pp. 27-37, 2014.

PICKUP, Sadie. Venus in the Mirror: Roman Matrons in the Guise of a Goddess. Visual Past, v. 2.1, pp. 137-154, 2015.

RIDGWAY, Brunilde Sismondo. The Aphrodite of Arles. American Journal of Archaeology, v. 80.2, pp. 147-154, 1976.

SANTA-CRUZ, Maria. A oitava face do poeta: o amor natural – erotismo tardio ou alquimia do amor? Scripta, Belo Horizonte, v. 6.12, pp. 82-99, 2003.

VITELLOZZI, Paolo. La voce dell’uomo e la voce del cosmo. Percezione della dimensione sonora nella magia ellenistico-romana, Medea, v. I.1, pp. 2-21, 2015.

WERNER, Elke Anna. The Veil of Venus. A Metaphor of Seeing in Lucas Cranach the Elder. In: BRINKMANN, Bodo, Cranach. Great Britain: Royal Academy of Arts, 2007, pp. 99-109.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v2i38.31353

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CALÍOPE: Presença Clássica